A Codevision atua na área da tecnologia de educação e simplifica a gestão das escolas. A Alpac Capital investiu na start-up e deu-lhe escala. Estas são as duas empresas protagonistas do Spe Futuri, Investidores de hoje, representados, respetivamente, por Marco Coelho, fundador e CEO da Codevision, e Luís Santos, managing partner da Alpac Capital.

Criada em janeiro de 2014, a Alpac Capital gere fundos nacionais e internacionais e está presente em países como Hungria, Jordânia ou Emiratos Árabes Unidos. Formalmente, começou em 2017 com o primeiro fundo de tecnologia, o mesmo que investiu na start-up fundada por Marco Coelho, a Codevision. Era um fundo de 18 milhões de euros, com sede em Portugal, mas com investimento proveniente de vários países.

Depois deste primeiro fundo de tecnologia, passou para outro de telecomunicações, tem um de media e em breve um de indústria. Assume-se como bastante generalista e também por isso a sua “pool” de investidores acaba por ser bastante heterogénea.

A aposta desta empresa de gestão de investimentos na Codevision foi uma “feliz casualidade”. Especializada no uso da tecnologia ao serviço da educação, a empresa de Braga, criada em 2007, desenvolveu um software de gestão escolar para instituições de ensino, sejam privadas ou públicas. Com a entrada da Alpac Capital, e apesar de já bem consolidada no mercado nacional, a Codevision ganhou escala e hoje tem projetos em África, no Médio Oriente e na América Latina, por exemplo, fornece soluções para centenas de estabelecimentos de ensino e interage diariamente com uma comunidade de mais de meio milhão de utentes ligados à educação.

Veja a conversa conduzida pelo empresário Ricardo Luz.

Leia alguns headlines:

Luís Santos, Managing Partner da Alpac Capital

“Começamos a Alpac a 1 de janeiro de 2014, só três anos depois é que conseguimos ter fundos institucionais geridos por nós. Há todo um caminho de geração de credibilidade até lá”.

“Ainda não voltamos para Portugal a título definitivo. Cada vez fazemos mais coisas em Portugal, mas a verdade é que 99% dos nossos ativos são coisas fora de Portugal. A nossa melhor empresa de media é a Euronews que está em Lion”.

“No fundo de tecnologia (…) comprometemo-nos a fazer 40 % dos investimentos em Portugal e não era tanto em start-ups. A nossa ideia era investir em empresas que já eram líderes em Portugal e ajudá-las a internacionalizarem-se (…)”.

“Focámo-nos em poucas empresas, de gente madura, em temas que nós já percebíamos e a que realmente podíamos acrescentar valor (…), portanto foram investimentos de pouco risco”.

“Não queríamos investir em empresas com jovens que mesmo tendo o potencial não tivessem a experiência. Porque muito dos desafios que vão surgindo são desafios com que a experiência sabe lidar”.

“Braga é o centro disto tudo. Mais de metade das coisas que fiz em Portugal, em tecnologia, foi em Braga”.

“A atividade de investir dinheiro é uma atividade de muita responsabilidade”.

Marco Coelho, cofundador e CEO da Codevision

“Começamos a desenvolver soluções muito disruptivas e que conseguissem aligeirar processos de dar mais tempo à escola e aos professores para ensinar e para e focarem naquilo que é essencial que são os alunos”.

“Juntamente com a Alpac tem-nos permitido chegar as outras realidades, a outras geografias e com outra dimensão e ter um impacto muito grande na vida de milhares de instituições”.

“Decidimos abrir a estrutura à entrada de um sócio, de um fundo, que nos possibilitasse sonhar mais e permitir também abrir algumas frentes que não tínhamos conseguido abrir”.

“Mais o que um investidor que chegasse aqui e descarregasse muito ou pouco dinheiro (…)  aquilo que nós queríamos era de facto apostar em pessoas que nos permitissem ter uma relação para às 11 da noite pegar no telefone e dizer tenho este problema, como hei-de resolver (…)”.

“O que a Alpac trouxe foi não só uma maturidade maior naquilo que é um a gestão mais profissional, mas ao mesmo tempo possibilitar fazer coisas que, muito sinceramente para seriam extremamente difíceis (…) como a aquisição que fizemos no Brasil”.

Reveja as conversas anteriores:

António Murta, fundador e CEO da Pathena, e Renato Oliveira, fundador e CEO da eBankit.
João Brazão, CEO da Eureekka e business angel, e João Marques da Silva, CEO da CateringAssiste.
Francisco Horta e Costa, managing director da CBRE, e Ricardo Santos, CEO da start-up Heptasense.
João Arantes e Oliveira, fundador e partner da HCapital Partners, e Nuno Matos Sequeira, diretor da Solzaima.
Tim Vieira, CEO da Bravegeneration, e Pedro Lopes, fundador da Infinitebook.
Luís Manuel, diretor executivo da EDP Innovation, e Carlos Lei Santos, CEO e cofundador da HypeLabs.
António Miguel, fundador e CEO da MAZE, e Guilherme Guerra, fundador e CEO da Rnters.
João Amaro, Managing Partner da Inter-Risco, e Carlos Palhares, CEO da Mecwide.
Pedro Lourenço, administrador da Ideias Glaciares, e Pedro Almeida, fundador e CEO da MindProber.
Alexandre Santos, diretor de investimento na Sonae IM e cofundador da Bright Pixel, e João Aroso, cofundador e CEO da Advertio.
Francisco Ferreira Pinto, partner da Bynd Venture Capital, e Eduardo Freire Rodrigues, cofundador e CEO da UpHill.
Basílio Simões, business angel e fundador da Vega Ventures, e Gustavo Silva, cofundador e CMO da Homeit.
Manuel Tarré, presidente da Gelpeixe, e Nuno Melo, cofundador e sócio da Boost IT.
José Serra, fundador e managing partner da Olisipo Way, e Tocha Serra, Partner & Startup Spotter da Corpfolio.
Stephan Morais, fundador e diretor-geral da Indico Capital Partners, e André Jordão, CEO da Barkyn.
Ricardo Perdigão Henriques, CEO da Hovione Capital, e Nuno Prego Ramos, CEO da CellmAbs.
Pedro Ribeiro Santos, sócio da Armilar Venture Partners, e Jaime Jorge, CEO da Codacy.
Miguel Ribeiro Ferreira, investidor e chairman da Fonte Viva, e João Cortinhas, fundador e CEO da Swonkie.
Cíntia Mano, investidora que está ligada à REDangels e à COREangels Atlantic, e Marcelo Bastos, fundador da start-up Sizebay.
Diamantino Costa, cofundador da Ganexa Capital, e Nuno Almeida, CEO da Nourish Care.
David Malta, Venture Partner do fundo de investimento Vesalius Biocapital, e Daniela Seixas,  CEO da TonicApp.
Sérgio Rodrigues, presidente da Invicta Angels, e Ivo Marinho, cofundador e CEO da StoresAce.
Alexandre Barbosa, Managing Partner da Faber, e Carlos Silva, cofundador da Seedrs.
Inês Sequeira, diretora da Casa do Impacto, e Nuno Brito Jorge, cofundador e CEO da GoParity.
Paulo Santos, managing partner da WiseNext, e Hugo Venâncio, CEO da Reatia.
João Matos, administrador executivo do dstgroup e presidente e CEO da  2bpartner, e Bruno Azevedo, CEO da AddVolt.
Luís Quaresma, partner da Iberis Capital, e Vasco Portugal, cofundador e CEO da Sensei.
Isabel Neves, business angel, e Rita Ribeiro da Silva, cofundadora da Skoach.
Pedro Tinoco Fraga, fundador da F3M e acionista da Braintrust, da BrainInvest e da BrainCapital, e César Martins, fundador e CEO da ChemiTek.
Roberto Branco, CEO da Beta Capital, e Luís Moreira, cofundador da Bullet Solutions.
Carlos Brazão, business angel,e Ricardo Mendes, cofundador da Vawlt Technologies.
Inês Lopo de Carvalho, partner da Crest Capital Partners , António Brum, diretor-geral do grupo Penta.
Luís Santos Carvalho, cofundador, partner e CFO da Vallis Capital Partners, e Óscar Salamanca, CEO da Smile-up.
Pedro Cruz, business angel e CEO da Gallo Worldwide, e Rogério Nogueira, CEO da Winegrid.
António Amorim, presidente da Amorim Cork Ventures, e Pedro Abrandes, fundador de As Portuguesas no Spe Futuri.
Martim Avillez Figueiredo, sócio da CoRe Capital, e Fernando Lourenço, CEO da Jayme da Costa.
Hugo Gonçalves Pereira, Managing Partner da Shilling, e Diogo Barata Simões, CEO e cofundador da Elecctro.
António Cacorino, cofundador e CEO da Apex Capital, e Pedro Vasconcelos, CEO da Batch.
Filipe de Botton, empresário, e Nuno Sousa Pereira, fundador da Sixty Degrees.
Jorge Líbano Monteiro, administrador do Fundo Bem Comum, e Miguel Neiva, fundador da ColorADD.
Hugo Augusto, executive board member da Semapa Next, e Ricardo Costa, cofundador e CEO da LOQR.
Pedro Correia da Silva, fundador e Managing Partner da ActiveCap, e Urbano Veiga, fundador e CEO da Zumub.com.
João Mil-Homens, Head of Innovation & Sustainability da José de Mello e responsável pelo Grow, e Joana Pinto, cofundadora da Clynx.
Jorge Graça, administrador executivo da NOS SGPS, e José Bastos, cofundador e CEO da Knok Healthcare.
José Dionísio, fundador e co-CEO da PRIMAVERA BSS, e André Santos, cofundador e CEO da Nutrium.
Henrique Ferreira, cofundador e CEO do Grupo HFA, e António Teixeira, cofundador da PICadvanced.

Comentários