Esta semana, Basílio Simões, business angel e fundador da Vega Ventures, e Gustavo Silva, cofundador e CMO da Homeit, falam da importância de uma relação de proximidade entre o fundador de uma start-up e quem investe o seu dinheiro no projeto.

O papel que um business angel tem na vida de uma start-up vai muito além do dinheiro que possa investir no projeto. Este foi um dos muitos temas abordados na conversa Spe Futuri, Investidores esta semana entre Basílio Simões, business angels e fundador da Vega Ventures, uma sociedade gestora de veículos de investimento de business angels, e Gustavo Silva, cofundador e CMO da Homeit, uma start-up que atua no mercado das fechaduras inteligentes.

Os dois profissionais partilharam a trajetória dos projetos que lideram e a forma como a colaboração estreita e a parceria entre investidor e participada são fundamentais para o sucesso de ambos.

Enquanto business angel, Basílio Simões também analisou a evolução do mercado de investimento em Portugal e a importância de se caminhar para a profissionalização da atividade. Lembrou que o mercado de BA se começou a internacionalizar, “a levar projetos para fora e a trazer investidores internacionais para projetos nacionais”.

Gustavo Silva, cofundador e CMO da Homeit, abordou o impacto da crise no seu negócio de fechaduras inteligentes, em grande parte usadas no setor do turismo, a importância, no seu caso concreto, do business angel, da experiência e da rede de contactos que este aporta a um projeto que está a dar os primeiros passos. E falou ainda dos planos para continuar o percurso de internacionalização da Homeit.

Esta é a 12.ª sessão com investidores e empreendedores realizada no âmbito da iniciativa Spe Futuri, Investidores, um projeto Link To Leaders em parceria com o empresário Ricardo Luz, que volta a moderar a conversa entre os convidados. Está disponível nas redes sociais do Link To Leaders (Facebook, YouTube e LinkedIn).

Veja o vídeo desta semana e leia alguns headlines:

“(…) para muitas situações o contacto pessoal é importante (…) sinceramente não me imagino a tomar uma decisão dessas, pelo menos para um montante que seja elevado para os nossos termos, sem ter essa relação pessoal (..)” – Basílio Simões

(…) as pessoas percebem que para a atividade ser rentável tem de estar mais profissionalizada, tem de ter uma estrutura de apoio, e para isso tem de haver uma certa massa critica (..) – Basílio Simões

“Acho que estamos no caminho da profissionalização dos Business Angels (…) claro que depois continuam a existir sempre alguns que trabalham mais individualmente  (…)  – Basílio Simões

“Não invisto numa start-up que não seja numa área que eu domine bem e que eu sinta que posso por a minha network a funcionar e a ajudá-los a crescer (…). Acho que isso é fundamental e para isso temos de ter tempo, ou ter pessoas connosco que tenham esse tempo” – Basílio Simões

“Em março /abril as nossas vendas caíram porque o pessoal ficou muito assustado, e começou logo a procurar opções fora do turismo. No entanto, fico muito contente, porque de facto existe uma retoma (…)”  – Gustavo Silva

“O nosso produto promove o distanciamento social e tem sido visto assim, felizmente, por grande parte dos nossos clientes e dos nossos potenciais clientes (…). E posso dizer que junho está a ser um mês brutal (…) e nós numa semana já faturamos o mesmo que faturamos em março e abril, por exemplo (…) – Gustavo Silva

“O que caracteriza e diferencia um BA de um investidor num estágio mais avançado é que nós temos de estar muito presente (…)” – Basílio Simões

“Admito fazer um investimento num país distante se tiver um partner, ele próprio também atua como BA e acompanha mais de perto essa start-up”- Basílio Simões.

“Nós somos uma empresa que fabrica hardware e nós não tinhamos essa experiência. Tínhamos uma ideia e precisávamos de alguém que nos conseguisse dar contactos e, muito importante, ser até o nosso adviser em certo ponto (…) “ – Gustavo Silva

“Não era só o dinheiro que estávamos à procura, tínhamos de saber como investir esse dinheiro (..)” – Gustavo Silva

“Nós podemos dar um pouco da nossa experiência, podemos sugerir algumas ferramentas, mas não faz sentido querermos ser nós a fazer (…) estou a dar umas canas de pesca a algumas pessoas, que depois elas próprias sabem pescar “- Basílio Simões

“É fundamental criar uma equipa capaz de andar por si própria e nós vamos ajudando a andar, a manter as coisas afinadas (…)” – Basílio Simões

“Portugal é de facto um mercado muito pequeno e não podemos ficar por aqui. Por isso é que estamos a investir muito em Espanha (…) temos de ir para outros mercados” – Gustavo Silva

“Precisamos de escalar, de aumentar a nossa rede de parceiros, ter uma boa rede de lojas em Espanha e noutros países que realmente acreditam em nós” – Gustavo Silva

“Precisamos de um parceiro estratégico e (…) é alguém que já existe há muitos anos no mercado e na indústria das fechaduras (…)” – Gustavo Silva

“Temos visto founders de outros países a quererem criar a suas start-ups aqui (…) e a perceber que há aqui um ecossistema vibrante e que há boas condições (…) –  Basílio Simões

Recorde todas as conversas Spe Futuri, Investidores:

António Murta, fundador e CEO da Pathena, e Renato Oliveira, fundador e CEO da eBankit.
João Brazão, CEO da Eureekka e business angel, e João Marques da Silva, CEO da CateringAssiste.
Francisco Horta e Costa, managing director da CBRE, e Ricardo Santos, CEO da start-up Heptasense.
João Arantes e Oliveira, fundador e partner da HCapital Partners, e Nuno Matos Sequeira, diretor da Solzaima.
Tim Vieira, CEO da Bravegeneration, e Pedro Lopes, fundador da Infinitebook.
Luís Manuel, diretor executivo da EDP Innovation, e Carlos Lei Santos, CEO e cofundador da HypeLabs.
António Miguel, fundador e CEO da MAZE, e Guilherme Guerra, fundador e CEO da Rnters.
João Amaro, Managing Partner da Inter-Risco, e Carlos Palhares, CEO da Mecwide.
Pedro Lourenço, administrador da Ideias Glaciares, e Pedro Almeida, fundador e CEO da MindProber.
Alexandre Santos, diretor de investimento na Sonae IM e cofundador da Bright Pixel, e João Aroso, cofundador e CEO da Advertio.
Francisco Ferreira Pinto, partner da Bynd Venture Capital, e Eduardo Freire Rodrigues, cofundador e CEO da UpHill.

Comentários