Como gerir e otimizar as redes sociais, o impacto da Covid nos negócios, na gestão das equipas e nos investimentos são alguns dos temas em análise pelos convidados Spe Futuri, Investidores desta semana: Miguel Ribeiro Ferreira, investidor e chairman da Fonte Viva, e João Cortinhas, fundador e CEO da Swonkie.

Miguel Ribeiro Ferreira, investidor e chairman da Fonte Viva,  e João Cortinhas, fundador e CEO da Swonkie, estiveram à conversa com o empresário Ricardo Luz, na sessão Spe Futuri, Investidores de hoje e trouxeram a debate alguns dos temas que marcam a atualidade. Os convidados falaram do mercado, do impacto que a pandemia causou no ecossistema empreendedor nacional e, em particular, nos projetos em que ambos estão envolvidos.

O ex-Shark Tank Miguel Ribeiro Ferreira partilhou a sua experiência enquanto investidor em áreas muito diversificadas, e no que toca ao setor imobiliário, uma das suas áreas de investimento, revelou que tem continuado a haver procura de produtos de qualidade por parte de estrangeiros. Falou ainda de teletrabalho, de como teve de reorganizar os processos de trabalho das suas empresas e de como esta nova forma de trabalhar pode ser benéfica para empresas e colaboradores.

Destacou também a alteração de comportamentos das pessoas e a forma como isso pode ser uma oportunidade de negócio para as empresas. O investidor está otimista e expetante em relação ao mercado e apesar da má experiência da Covid lembra que também há coisas boas.

Também o jovem fundador da Swonkie, uma plataforma especializada em gestão e otimização de redes sociais, partilhou a sua experiência na consolidação do seu projeto nesta fase, destacando a importância de dois pilares que considera fulcrais em qualquer negócio: os clientes e as pessoas.

Acerca da sua Swonkie, João Cortinhas explica que “é uma plataforma de produtividade que no final do dia vende tempo”. Ou seja, ajuda as empresas que têm uma presença forte nas redes sociais a fazer as coisas de uma forma mais rápida. Em Portugal, a plataforma trabalha com cerca de 90% dos media publisher e com outros clientes B2B  e B2C.

As conversas Spe Futuri, Investidores são um projeto desenvolvido em parceria pelo Link To Leaders e o empresário Ricardo Luz. Para acompanhar nas redes sociais do Link To Leaders (Facebook, YouTube e LinkedIn).

Veja o vídeo desta semana e leia os headlines:

“Neste momento estou em modo de gestão, de piloto automático, a limpar aquilo que não dá e a gerir e a ajustar aquilo que está a funcionar” – Miguel Ribeiro Ferreira. 

(…) Para muitas empresas, infelizmente a área de marketing ainda não é um investimento, é um custo, e quando assim é o que as empresas fazem é que vão cortar todos os custos” – João Cortinhas

“No final do dia nós transformamos o processo de estar nas redes sociais mais fácil, mas simples e mais produtivo para todos os players” – João Cortinhas

“Acho que vai haver aqui investimento [no imobiliário]e vamos ter uma retoma rápida. Isto é uma crise que nós sabemos qual é o fim (…) sabemos que quando houver uma cura há uma retoma (…)” – Miguel Ribeiro Ferreira

“O factor decisivo para usar o Swonkie (…) tem a ver se tens uma estratégia de conteúdo, uma estratégia definida para estar nas redes sociais (…) o Swonkie é a ferramenta ideal para te ajudar” – João Cortinhas

“Hoje em dia há uma máxima que usamos no marketing digital que é: o conteúdo é rei. Podes ter ferramentas, todos os processos, um conjunto de coisas automatizadas para que a tua estratégia seja a melhor nas redes sociais (…) o que nós ajudamos é, depois de terem esse mesmo conteúdo, a entregá-lo de uma forma mais automatizada” – João Cortinhas

“Vai haver algumas mudanças em ternos de consumo e em termos de comportamento das pessoas. Mas eu acho que daqui a dois anos já ninguém se lembra do Covid. Foi uma experiência que foi muito dura, vai doer a muita gente, custa muito, mas também tem as suas coisas boas (….) –  Miguel Ribeiro Ferreira.

“Os investimentos também têm de ser mudados e orientados para estes novos comportamentos. Acho que as coisas vão acabar por voltar um bocadinho ao normal e estes pontos novos terão de ser analisados e perceber se as pessoas estão mais em casa como é que lhes podemos fazer chegar os produtos (…)” – Miguel Ribeiro Ferreira

“Eu como jovem aprendi muito nesta situação (…) e o motivo de termos conseguido passar esta crise (…) que foi olhar em primeiro lugar para os nossos dois ativos mais preciosos que são os clientes e as pessoas (…)“  – João Cortinhas

(…) muitas vezes as certezas que nós temos não servem para nada (…). De repente vamos três meses para casa (…) e de um dia para outro tivemos de criar esses processos. E essa é que é a parte gira disso, mostrar a nós próprios que afinal conseguimos mesmo não sendo uma coisa planeada (…) pegamos e conseguimos pôr vinte e tal pessoas a trabalhar a partir de casa (..) – João Cortinhas

“Nós nunca íriamos fazer isto se fosse alguém a dizer para fazer isto. Íamos arranjar todas as desculpas e mais algumas e não íamos trabalhar a partir de casa (…). Afinal conseguimos implementar todos os processos” – João Cortinhas

“Uma das coisas boas que esta pandemia trouxe foi que as pessoas querem viver bem.  Acho que parou um bocadinho aquela loucura do ter e é mais o ser e o viver” – Miguel Ribeiro Ferreira

“Eu não sou assim tão crente de que as pessoas vão mudar os seus hábitos (…) estamos a falar genericamente (…). 80% das pessoas não vai mudar o seu comportamento porque três meses de pandemia, de confinamento e de distanciamento social, não mudam os comportamentos das pessoas (…)”  – João Cortinhas

Reveja as outras conversas Spe Futuri, Investidores:

António Murta, fundador e CEO da Pathena, e Renato Oliveira, fundador e CEO da eBankit.
João Brazão, CEO da Eureekka e business angel, e João Marques da Silva, CEO da CateringAssiste.
Francisco Horta e Costa, managing director da CBRE, e Ricardo Santos, CEO da start-up Heptasense.
João Arantes e Oliveira, fundador e partner da HCapital Partners, e Nuno Matos Sequeira, diretor da Solzaima.
Tim Vieira, CEO da Bravegeneration, e Pedro Lopes, fundador da Infinitebook.
Luís Manuel, diretor executivo da EDP Innovation, e Carlos Lei Santos, CEO e cofundador da HypeLabs.
António Miguel, fundador e CEO da MAZE, e Guilherme Guerra, fundador e CEO da Rnters.
João Amaro, Managing Partner da Inter-Risco, e Carlos Palhares, CEO da Mecwide.
Pedro Lourenço, administrador da Ideias Glaciares, e Pedro Almeida, fundador e CEO da MindProber.
Alexandre Santos, diretor de investimento na Sonae IM e cofundador da Bright Pixel, e João Aroso, cofundador e CEO da Advertio.
Francisco Ferreira Pinto, partner da Bynd Venture Capital, e Eduardo Freire Rodrigues, cofundador e CEO da UpHill.
Basílio Simões, business angel e fundador da Vega Ventures, e Gustavo Silva, cofundador e CMO da Homeit.
Manuel Tarré, presidente da Gelpeixe, e Nuno Melo, cofundador e sócio da Boost IT.
José Serra, fundador e managing partner da Olisipo Way, e Tocha Serra, Partner & Startup Spotter da Corpfolio.
Stephan Morais, fundador e diretor-geral da Indico Capital Partners, e André Jordão, CEO da Barkyn.
Ricardo Perdigão Henriques, CEO da Hovione Capital, e Nuno Prego Ramos, CEO da CellmAbs.
Pedro Ribeiro Santos, sócio da Armilar Venture Partners, e Jaime Jorge, CEO da Codacy.

Comentários