Esta é a primeira rede social totalmente desenvolvida em Portugal. O objetivo do Portal da Queixa é aproximar clientes e marcas de uma forma mais intuitiva e dinâmica.

Celebra-se hoje, dia 15 de março, o Dia Mundial dos Direitos do Consumidor. A pensar nisto, o Portal da Queixa lançou uma rede social para aproximar os consumidores das marcas. A plataforma, que já era o rendez-vous de eleição entre as reclamações dos clientes e as empresas, estreou agora um novo conceito de navegação que disponibiliza informação em tempo real e que é mais rápido, intuitivo e dinâmico.

Uma das principais novidades do website – que já tem mais de um milhão de utilizadores mensais – é o facto da atividade passar a desenvolver-se em ambiente de rede social, de forma a agilizar a comunicação e potenciar a interação.

“A principal novidade será a partilha da atividade em feed, facilitando aos utilizadores a consulta das suas reclamações e das ações desencadeadas no seu tratamento – sejam elas respostas, alterações de estado ou avaliações de satisfação. A possibilidade de ‘gostar’ de reclamações e publicações, seguir marcas da sua preferência ou a atividade de outros utilizadores – como comentários e reclamações – com vista a personalizar a navegação de cada utilizador, são outras das novidades relativas às ações diretas dos consumidores com os conteúdos e as marcas. Está prevista, também, uma nova área de notificações diretamente na plataforma, que irá permitir uma maior celeridade nas ações dos utilizadores junto das marcas, possibilitando um tratamento mais eficaz das reclamações”, explica Pedro Lourenço, CEO e fundador do Portal da Queixa.

As alterações vão igualmente trazer novas facilidades de resposta às reclamações. Por outro lado, também será mais fácil protestar. Como explica o CEO, “será possível iniciar uma reclamação a partir de uma foto que o consumidor poderá tirar no local, mantendo os três simples passos na publicação de uma reclamação totalmente gratuita. No decorrer do ano, serão implementadas mais novidades tais como a possibilidade de publicação de reclamações em vídeo”.

A partir daqui haverá também espaço para as organizações contribuírem com conteúdos informativos e pedagógicos para o seu público através de publicações.

Saliente-se que todo o processo de intervenção tecnológica e de rebranding foi desenvolvido pela equipa da start-up portuguesa. Como explica o fundador, esta etapa representa “um enorme avanço tecnológico, na medida em que nos apresentamos ao mundo como a primeira rede social de grande dimensão totalmente desenvolvida em Portugal. As alterações introduzidas na plataforma pretendem facilitar a gestão das marcas às mais de 400 reclamações recebidas diariamente, com vista tornar mais ágil e acessível a relação dos consumidores com as marcas, nomeadamente, na resolução dos seus problemas de consumo”.

O Portal da Queixa pretende agora começar o processo de internacionalização. O primeiro mercado será Espanha, país onde a plataforma vai entrar até ao final do ano. A entrada em novos mercados traz consigo novos objetivos: até 2020, a meta é conseguir um milhão de pessoas registadas – atualmente, existem 350 mil utilizadores.

“É sem dúvida um marco histórico no percurso do Portal da Queixa que nasceu com o principal objetivo de responder à necessidade de se criarem ligações mais estreitas, que ultrapassassem barreiras físicas, burocráticas e temporais, potenciando a principal ação do ser humano – comunicar. E esse objetivo foi totalmente conseguido, por uma equipa de talento português. Estamos orgulhosos”, conclui Pedro Lourenço.

Comentários

Sobre o autor

Avatar