A Globalização está na ordem do dia e faz parte do nosso léxico há tanto tempo, que já nem nos lembramos que começámos a falar nela no final do século passado, o que, comparado com a metodologia encontrada por Fernand Braudel para medir a História, na sua obra “História das Civilizações[1], não foi assim há tanto tempo. Aliás, de acordo com os Ciclos da História de Braudel, não foi há tempo nenhum.

Entendemos, por isso, que todo este processo de empreender na globalização rumo a uma Escola Global nos obrigar a Inovar de forma reiterada e sistemática. No entanto, há algo fulcral neste nexo de causalidade que liga a Inovação à Globalização, que é a perceção da Diversidade[2] por parte de toda a Comunidade Educativa, bem como pelos stakeholders[3], como um dos eixos principais na existência duma Escola Global.

A Globalização é um processo que envolve todos os países e os respetivos cidadãos. A Escola Global é, igualmente, um processo que deverá envolver todos os que participam na vida da Academia[4] e, para isso, é também essencial que a Internacionalização[5] esteja presente nas aprendizagens dos alunos e seja parte integrante do respetivo Projeto Educativo. Mas o professor é o catalisador de tudo isto e, para isso, tem que estar apto para a Mudança, quer nas metodologias, quer no estabelecimento de parcerias com colegas de outros países[6].

A Escola Global é sinónimo de Criação, Inovação, Cooperação Transnacional, Diversidade e Mudança.

Para que o processo da globalização continue a ser um sucesso, é fundamental que a Escola Global seja a regra em todas as Escolas e em todas as Comunidades Educativas.

Não podemos ter a Economia, os Sistemas Financeiros todos interligados[7] e não termos uma Escola Global.

Uma Sociedade Desenvolvida, Solidária e Justa precisa duma Escola Global!

Empreender na Globalização rumo a uma Escola Global é uma das chaves do sucesso da Agenda 2030[8], que nos engaja a todos enquanto Membros das Nações Unidas!

[1] “Is it possible somehow to convey simultaneously both that conspicuous history which holds our attention by its continual and dramatic changes – and that other, submerged history, almost silent and always discreet, virtually unsuspected either by its observers or its participants, which is little touched by the obstinate erosion of time?”
[2] A este propósito, ler o nosso artigo “Empreender na diversidade”, in: http://linktoleaders.com/empreender-na-diversidade
[3] A person with an interest or concern in something, especially a business. As modifier Denoting a type of organization or system in which all the members or participants are seen as having an interest in its success. In: https://en.oxforddictionaries.com/definition/stakeholder
[4] Naturalmente que esta participação envolve muito mais do que alunos, professores, colaboradores técnicos e auxiliares.
[5] O ERASMUS + é o grande exemplo do esforço feito pelas Autoridades Comunitárias ao longo dos anos para a efetivação da cooperação transnacional entre os cidadãos dos Estados Membros.
[6] Esta Cooperação irá naturalmente aumentar a motivação dos professores e potenciar a criatividade, pois esta exposição a outras realidades irá mudar a forma como se olha para a relevância do papel do professor, quer na sala de aula, quer na Escola, quer a nível transnacional.
[7] Ainda nesta sexta-feira a agência de notação financeira Standard and Poor’s (S&P) retirou Portugal do lixo, revendo em alta o rating atribuído à dívida soberana portuguesa de BB+ para BBB-. In: https://www.standardandpoors.com/en_US/web/guest/home
[8] http://www.un.org/sustainabledevelopment/development-agenda/

Comentários

Sobre o autor

Teresa Damásio

Teresa Damásio é Administradora Delegada do Grupo Ensinus desde julho de 2016, constituído por Instituições de Ensino Superior, o ISG, por Escolas Profissionais, o INETE, A Escola de Comércio de Lisboa e a Escola de Comércio do Porto, a EPET, o INAE, o IEG – em Moçambique, o Real Colégio de Portugal, o Externato Álvares Cabral, o Externato Marquês de Pombal e o Colégio de Alfragide. Este Grupo celebrou em... Ler Mais