Falhas no processo de recrutamento e seleção num contexto de distanciamento social. Não, o artigo de hoje não é sobre culinária, pois se fosse, muito provavelmente seria sobre a cachupa, modje de Manel Anton ou frigenote.

Recentemente, numa das minhas deslocações ao supermercado, deparei-me com um cliente que estava à procura de algo na seção dos congelados. Lá muito aflito, o cliente acabou por perguntar ao empregado onde se encontrava o tal produto. Depois de alguns passeios em redor das arcas frigoríficas e já com um ar menos preocupado por ter encontrado o produto, o cliente acabou por levar uma dose industrial do produto que estava a procura:  tentáculos de pota. Dose industrial porque mesmo para uma eventual família numerosíssima, seria demasiado para uma refeição, logo deduzi que poderia ser para a restauração.

A questão não está no produto, embora haja diferenças significativas, mas na forma como seria apresentado depois de preparado: seria apresentado como polvo ou como tentáculos de pota? Ou seja, não tem apenas a ver com a apresentação, mas sim com o preço que alguém teria de pagar e eventualmente ser enganado, comendo polvo misturado com tentáculos de pota, pois estes últimos são uma alternativa mais económica ao polvo.

Nos processos de recrutamento e seleção, nem sempre se recruta o melhor candidato, embora seja esse o objetivo. Qualquer processo de recrutamento e seleção já por si é difícil na medida em que envolve sempre um juízo que o recrutador deve fazer relativamente a cada um e a todos os candidatos. Estas questões têm sido tratadas ao nível da literatura e, por exemplo, os autores do livro It´s the manager, Jim Clifton e Jim Harter[1] chamam esses problemas de enviesamentos, e apontam também alguns caminhos para mitigar esses enviesamentos.

A situação pandémica aumentou as dificuldades do processo de recrutamento e seleção, na medida em que, em várias ocasiões, certamente não foi possível cumprir as etapas de forma presencial. Acresce o facto dessa mudança estrutural provocada pela pandemia poder exigir novas competências (skills).

Assim, certamente em vários processos de recrutamento numa situação de pandemia e com medidas de distanciamento social, não foi possível reduzir esses enviesamentos que são, segundo os autores (numa tradução livre):

  • Fator de brilho – que de uma forma muito simplificada, é a influência que a aparência do candidato produz no recrutador, ou seja, o recrutador é influenciado pela aparência, o que pode não dizer muita coisa sobre as suas competências;
  • Falácia da experiência – um candidato com muita experiência no passado, pode não indicar que será um bom colaborador para o futuro, no entanto o recrutador pode se impressionar pela experiência passada do candidato;
  • Enviesamento da confirmação – ocorre quando o recrutador é influenciado de uma forma definitiva pelas primeiras impressões, independentemente das informações que recolher posteriormente;
  • Enviesamento de similaridade – quando há caraterísticas comuns entre o candidato e o recrutador, essa situação favorece o recrutamento do candidato.

Se não conseguir ultrapassar esses enviesamentos, e se não puder completar o processo de recrutamento e seleção com todos os seus instrumentos e etapas, nomeadamente a parte do relacionamento interpessoal, a organização pode ficar com um problema de seleção dos candidatos – não ter escolhido(s) o(s) melhor(es). Seria como no restaurante, pedir e pagar pelo polvo, mas lhe entregaram tentáculos de pota porque durante o processo de confeção não teve oportunidade de conferir se era polvo ou pota.

O que fazer nestes casos?

Bom, no caso do restaurante, se conseguiu detetar e provar a fraude, pode sempre reclamar no livro de reclamações. Já no caso de uma organização, o problema pode ser mais complicado. Possivelmente na sua organização já aconteceu efetuar um recrutamento em que pensava ter conseguido o melhor candidato, pelo currículo, pela entrevista e pela apresentação, mas que depois, ao longo do tempo, veio a mostrar um recrutamento pouco feliz. Como resolver os casos de falhas no processo de recrutamento e seleção em que não é possível corrigi-lo na origem? Constitui um grande desafio. Se é certo que, em alguns casos se possa fazer o upskilling ou mesmo o reskilling[2], há casos, no entanto, em que o melhor é  devolver os tentáculos de pota ao Chef…..

[*] Nome científico Illex coindetti

[1]  Clifton, Jim  and  Harter, Jim:  It’s the Manager: Moving From Boss to Coach –  May, 2019;
[2] Capacitação para otimizar o desempenho (upskilling) ou reajustá-lo para um novo posto de trabalho (reskilling).

Comentários

Sobre o autor

Avatar

Carlos Rocha é economista e atualmente é presidente do Fundo de Garantia de Depósitos de Cabo Verde. Foi administrador do Banco de Cabo Verde, onde desempenhou anteriormente diversos cargos de liderança. Entre outras funções, foi administrador executivo da CI -... Ler Mais