O acelerador de start-ups com sede em Londres lançou um hub em Nova Iorque direcionado para a saúde, em parceria com a Johnson & Johnson Innovation.

A aceleradora Founders Factory, com operações em Londres, Paris e Joanesburgo, está agora a entrar no mercado americano com a criação de um hub de saúde. O foco da aceleradora será, essencialmente, na área femtech, ou seja, saúde das mulheres disponibilizando serviços relacionados com fertilidade, maternidade e menopausa, áreas em rápido crescimento nos EUA. Além disso a aceleradora também vai analisar setores como a saúde mental, cuidado personalizado, alergias ou saúde alimentar.

O modelo da Founders Factory consiste em recolher financiamento de parceiros corporativos como a Johnson & Johnson e criar e acelerar start-ups para esses parceiros. Nos Estados Unidos, a aceleradora vai apoiar 25 start-ups e construir 10 novas empresas para a Johnson & Johnson. A Founders Factory oferece às novas start-ups 100 mil dólares (cerca de 90 mil euros) em financiamento e possui uma participação de 4 a 7% em cada negócio. A empresa pretende também agregar mais parceiros corporativos.

Neste mercado, as femtech tiveram, desde 2014, mais de mil milhões de dólares (907 milhões de euros) de financiamento e a empresa de estudos de mercado Frost and Sullivan prevê que, em 2015, este setor se tornará numa indústria avaliada em 50 mil milhões de dólares (45,3 mil milhões de euros).

A equipa de Nova Iorque será liderada por Maya Baratz Jordan, uma empreendedora em série e ex-diretora da Techstars, a aceleradora de start-ups de fase seed dos EUA. Esta nomeação irá ajudar a Founders Factory a melhorar o equilíbrio de género na sua equipa operacional, que agora terá uma proporção de 55/45 entre homens e mulheres.

Até agora, a Founders Factory trabalhou com parceiros corporativos, como L’Oréal, Aviva, Reckitt Benckiser e Marks and Spencer. O acelerador construiu e fez crescer 140 start-ups que, coletivamente, obtiveram mais de 200 milhões de dólares (181,4 milhões de euros) em capital e assinaram mais de 200 acordos comerciais com parceiros corporativos.

Comentários