Opinião

Orientação a resultados

Ricardo Lima Neves, IT Service Management & Automation Advisor

Obviamente que este tema não se aplica a todos os profissionais nem a todas as profissões e organizações, no entanto, temos assistido a uma institucionalização do presentismo nas empresas portuguesas desde o século passado, que parece ter vindo a aligeirar, facilitando o nosso estilo de vida e equilíbrio entre vida profissional e familiar.

Parece-me que é algo inevitavelmente cultural, mas com a globalização do mercado de trabalho, a possibilidade de trabalhar remotamente ou com horários feitos à medida tem sido cada vez maior, tendo as empresas admitindo em alguns casos que é irrelevante o local e horário de trabalho dos profissionais que contrata.

Creio que o foco deve ser orientado a resultados, bem como os profissionais terem todas as condições para executar o seu trabalho, seja no escritório ou em qualquer parte remota, desde que alcancem ou superem o resultado pretendido.

Quero com isto dizer que os profissionais devem trabalhar nem mais nem menos que as oito horas que o mercado laboral português exige, mas sim deve ser feito o que for necessário para que o resultado do nosso trabalho seja alcançado. Basicamente refiro-me a cumprir objetivos. Aliás, existem empresas a operar em Portugal que exigem uma carga laboral inferior às 40 horas semanais, revelando-se ser suficiente para que os objetivos e o trabalho sejam realizados.

Não estou a defender a criação de objetivos inalcançáveis ou irrealistas, tornando as pessoas demasiado focadas em cumprir metas difíceis, mas sim dar liberdade para que a criatividade juntamente com a qualidade de vida resulte em entregas de excelência. As empresas nunca devem esquecer que a estabilidade familiar é a chave para a maioria dos bons profissionais, resultando no tão falado work-life balance (aliás, mencionado no meu artigo anterior).

Se podemos trabalhar no jardim ou na praia, por que razão nos devemos apresentar num escritório, diariamente, só para “picar o ponto”? Se trabalhamos numa multinacional, e o nosso trabalho passa por chamadas por videoconferência, troca de e-mails e trabalho em ferramentas colaborativas, por que razão devemos perder horas por dia em deslocações para o escritório? Claro que deve haver um meio-termo e por vezes temos de nos reunir presencialmente, e o contacto pessoal com os colegas faz a diferença, e é para isso que deve ser o escritório. Aliás, existem temas, tarefas, atividades e projetos que devem ser realizados presencialmente e não podem ser tratados remotamente. Também tenho consciência que existem áreas de negócio e determinados organismos que funcionam como “ambientes fechados”, e é claro que não me estou a referir a essas situações em concreto. De qualquer forma, a orientação a resultados pode e deve ser aplicada da mesma forma, possibilitando, pelo menos, a flexibilização de horários.

A minha experiência e o meu conselho é que procurem a melhor solução de acordo com os vossos objetivos, tendo em conta a vossa vida pessoal ou familiar. Dessa forma irão alcançar um excelente equilíbrio, pois só assim conseguem ser melhores profissionais, ganhando as empresas que vos contratam.

Comentários
Ricardo Lima Neves

Ricardo Lima Neves

Ricardo Lima Neves é Lead Service Delivery Manager na Solvay. Foi responsável da equipa de IT Service Management & Automation da área de Engenharia do Cliente (B2B) na Altice e também IT Service Management Advisor na Winprovit. Ricardo é mestre de Engenharia Informática pela Universidade Nova de Lisboa, com especialização na área de Inteligência Artificial, e desde 2009 que desempenha funções de consultor de IT Service Management em Portugal e Espanha, tendo passado por diversas empresas nacionais e multinacionais nas... Ler Mais..

Artigos Relacionados