Escrevo este artigo no primeiro mês do novo ano civil num momento do ano em que estamos animados com os propósitos de ano novo e com os objetivos que designámos alcançar ao longo dos próximos doze meses.

A mim anima-me sempre a perspetiva de poder empreender do ponto de vista profissional, institucional e pessoal, que apesar de parecer concetualmente díspar, pois abarca na sua génese três facetas diversas da minha vida, é na realidade impulsionada pela mesma vontade de fazer e de refazer.

Na realidade, o empreendedor é antes de mais uma pessoa e daí que, antes dos afazeres profissionais, haja a vida pessoal e é esta que orienta, através dos nossos valores e princípios, aquilo que queremos fazer em termos laborais. Aliás, atualmente, é unanimemente considerado que, antes de tudo, está a pessoa dotada dos seus direitos cívicos, consignados na Lei Fundamental e na Lei Substantiva.

Pelo que, é relevante termos sempre a consciência que somos o reflexo das nossas aprendizagens e competências adquiridas ao longo da vida.

Digo isto, porque quem empreende, nas diferentes áreas de atividade da economia nacional e transnacional, provoca mudanças, altera padrões de comportamento e é geralmente indutor de disrupções, sendo, por definição, disruptivo.

Daí que fazer e refazer seja uma característica de quem empreende, de quem assume o risco de voltar a fazer quando entende que há que começar de novo. No entanto, só haverá esta consciência se tiver havido ao longo da educação formal e informal um processo de vivência de experiências e de aquisição de comportamentos que levem o empreendedor a estar convicto da bondade de fazer e de refazer para conseguir alcançar o sucesso na implantação da sua ideia. E, caso haja necessidade de ser reformulada por haver por parte do mercado uma fraca adesão, consiga fazer isso sem perder a vontade e a determinação que esteve na origem da conceção do novo conceito.

O empreendedor é, igualmente, alguém que está permanentemente preocupado com as necessidades da sociedade e de como, através das respetivas ideias de negócio, pode contribuir para a melhoria das condições de vida dos cidadãos.

Por isso, é necessária uma atitude que incorpore a inovação, a criatividade e que seja em simultâneo transmissora da modernidade tão necessária ao avanço civilizacional que é imperioso estar incorporado em todos os novos conceitos.

Mas não é possível fazer tudo isto se ao longo da vida, ou melhor, na formação ao longo da vida, não tiver havido os inputs necessários à aquisição duma cultura educacional, científica e laboral que evidencie que falhar faz parte do processo criativo e que, por isso, fazer e refazer é a génese do empreendedorismo, pois só tem sucesso quem falha uma, duas ou as vezes que forem necessárias até alcançar o êxito, que nunca é definitivo, pois o empreendedor tem de acompanhar o processo de globalização, o que implica uma forte apetência para a adaptabilidade.

Por isso, formulo votos que nos próximos trezentos e sessenta e seis dias façam e refaçam as vezes que forem necessárias!

Comentários

Sobre o autor

Avatar

Teresa Damásio é Administradora Delegada do Grupo Ensinus desde julho de 2016, constituído por Instituições de Ensino Superior, o ISG, por Escolas Profissionais, o INETE, A Escola de Comércio de Lisboa e a Escola de Comércio do Porto, a EPET,... Ler Mais