Quer validar a sua ideia de negócio? Veja como pode perceber a sua viabilidade e conquistar o mercado em seis etapas que passam, por exemplo, no acreditar no projeto, no manter o empenho e no pensar em grande.

Quando criamos uma empresa ou estamos a pensar em começar o nosso próprio negócio, geralmente o que nos vem à cabeça são metas otimistas e muita vontade de trabalhar. No entanto, também é importante lembrar que as ideias precisam de ser validadas e que há um mercado a conquistar.

Segundo o Entrepreneur, existem seis etapas a considerar para validar a necessidade e potencial de êxito de uma start-up. Ora veja.

1. Acreditar na ideia
Acreditar profundamente na ideia do negócio é vital para que o projeto prospere. Se o fundador não acredita genuinamente no que está a fazer, não há como o projeto ser bem-sucedido. A importância de acreditar na ideia da start-up é que essa crença vai reforçar a confiança do empreendedor ao longo do tempo, mesmo quando o mercado não estiver tão recetivo à ideia. Essa crença positiva na ideia funcionará como uma espécie de escudo de defesa nos momentos de dúvida.

A dúvida não é algo que aparece na fase inicial, já que só surge depois quando o mercado começa a rejeitar o que a start-up oferece. É importante entender que partes específicas de mercado irão rejeitar a oferta, mas é preciso resistir a essa onda negativa e acreditar que o que está a ser desenvolvido irá satisfazer um outro segmento de mercado que precisa desses serviços.

2. Encontrar uma solução para um problema corrente
Por vezes, o motivo pelo qual as empresas falham está relacionado com o facto de que o que elas estão a vender não está a resolver nenhum problema ou necessidade de consumo. Muitas start-ups estão empenhadas em desenvolver novos negócios, porque os seus produtos não estão a vender como pretendiam. No mundo corporativo são frequentes as histórias sobre produtos que não foram lançados corretamente e a ligação emocional ou a persuasão psicológica não é algo que seja ensinado na formação de vendas.

Seja qual for o produto ou serviço que a start-up pretende colocar no mercado atual, o empreendedor deve certificar-se que o produto final é uma solução para um problema atual. Depois de lançar um produto ou a ideia da start-up, a resposta do mercado será baseada na solução disponibilizada e na eficácia de produto/serviço.

3. Reunir as perspetivas de experiências anteriores
Outro ponto importante consiste em reunir perspetivas de experiências anteriores de outras empresas. Uma ideia de negócio num mercado onde o empreendedor não tem experiência, não significa que o fundador deva desistir da ideia. Deve sim, procurar visões de indivíduos que trabalhem nessa área específica, especialistas nessa indústria ou outro empresário que tenha trabalhado anteriormente no setor.

Porém muitos empreendedores na fase inicial do negócio procuram as opiniões erradas: amigos, familiares ou outras pessoas que não têm background no setor de atividade e que podem não ter uma opinião fiável. 90% das vezes essas pessoas darão conselhos errados, porque não conhecem o setor com exatidão para fornecer o feedback correto. Todavia, se o empreendedor procurar as opiniões de outros indivíduos que já trabalharam no ramo, estes serão objetivos nos seus pareceres.

4. Desenvolver um plano
Criar um negócio e não ter um plano, um rumo traçado, é um passo para o insucesso. Para desenvolver corretamente uma start-up, o empreendedor não pode ir ao sabor da corrente, mas deve ter uma equipa eficaz e competente e um objetivo específico definido. Existem muitos projetos de start-ups sem rumo.

O empreendedor deve ter orientação e desenvolver um plano concreto sobre como alcançar o que pretende. É necessário ter um plano passo a passo detalhado que documente todos os ângulos de ação. Isso reforçará a confiança na ideia e no projeto, pois o empreendedor será forçado a trabalhar em direção ao objetivo específico e o plano determinará como a empresa irá alcançará a meta.

5. Manter o empenho
O empenho é fundamental em qualquer negócio. Quando se trata de criar uma start-up, o empenho deve ser ainda maior. Muitos fundadores desistem durante o início da caminhada porque perdem a motivação e perdem o foco no objetivo final.

6. Pensar em grande
O mundo das start-ups é competitivo, mas nada impede o empreendedor de pensar em grande quando desenvolve um negócio. A Internet facilitou a criação de um mercado global, pelo que os negócios podem expandir-se mais facilmente. Com o negócio devidamente estruturado, a start-up pode vender em qualquer lugar e em qualquer altura. O importante é desenvolver um tipo de negócio que responda às necessidades de um vasto número de consumidores, seja na cidade de origem ou outro lado do planeta.

Comentários