A empresa de software foi nomeada para integrar o ranking Cloud 100 de 2019 da Forbes.

A  Talkdesk faz parte da lista das 100 melhores empresas privadas na cloud do mundo, segundo o ranking Cloud 100 de 2019 da Forbes, publicado pela Forbes em parceria com a Bessemer Venture Partners e com a Salesforce Ventures.

Esta iniciativa recebeu candidaturas de centenas de start-ups baseadas na cloud, posteriormente analisadas por um painel de jurados do ranking Cloud 100 da Forbes (composto por CEOs de empresas) que selecionou, pontuou e nomeou o top 100 das empresas na cloud privadas de todo o mundo.

O processo de análise teve por base quatro fatores principais: liderança de mercado (35%), avaliação estimada (30%), métricas operacionais (20%) e pessoas e cultura (15%).

“Sentimo-nos muito honrados e orgulhosos por ser incluídos no prestigiante ranking Cloud 100 de 2019 da Forbes. Este reconhecimento é a validação das nossas soluções cloud para contact center e da nossa liderança no mercado da experiência do consumidor,” sublinhou Tiago Paiva, CEO da Talkdesk, em comunicado.

Este ano, a lista inclui mais de 60 unicórnios privados que operam na cloud. “Estes fundadores representam o que de melhor está a ser feito no setor da cloud atualmente e estamos certos de que seguirão os passos dos nossos estimados Cloud 100 alumni. No total, 25 destes alumni entraram em bolsa e outras tantas dezenas foram adquiridas por mais de 1 bilião de dólares cada”, referiu Byron Deeter, investidor e sócio da Bessemer Venture Partners.

Alex Konrad, editor do The Cloud 100 da Forbes, lembrou que “há quatro anos que classificamos as melhores e mais brilhantes empresas emergentes no setor da cloud” e frisando ainda que “com tantas empresas a crescer tão rapidamente na cloud, desde a cibersegurança ao marketing ou à análise e armazenamento de dados, é mais difícil do que nunca fazer parte da lista Cloud 100”.

O ranking Forbes 2019 Cloud 100 será publicado online em www.forbes.com/cloud100 e constará da edição de setembro da revista Forbes nos Estados Unidos.

Comentários