Start-ups dos EUA aproximam-se das chinesas em capital recebido

Em conjunto, as duas superpotências mundiais levantaram quase quatro vezes mais capital do que o resto do mundo e, a pouco mais de dois meses do final do anos, as start-ups dos EUA já receberam mais investimento do que no ano passado.

O ecossistema chinês continua a surpreender. No ano passado, o dinheiro injetado por firmas de capital de risco em start-ups contabilizou 47% de todo o dinheiro investido no panorama global. E, em 2018, a dois meses de terminar o ano, já foram investidos cerca de 81.6 mil milhões de euros. Os Estados Unidos estão um pouco atrás, com perto de 80 mil milhões de euros recebidos.

Apesar de estarem a perder a corrida, as start-ups norte-americanas atingiram valores recorde em 2018. Em apenas dez meses, já receberam mais sete mil milhões de euros do que no ano passado e, como 2018 ainda não terminou, algumas rondas maiores ainda podem destronar a China do primeiro lugar do pódio.

Start-ups norte-americanas aproximam-se das chinesas em levantamento de capital

Capital levantado pelas start-ups da China, EUA e resto do mundo (fonte: Crunchbase – adaptado para Euros)

Segundo dados da Crunchbase, o resto do mundo levantou apenas 46.5 mil milhões de euros. Isto significa que, em conjunto, os EUA e a China são responsáveis por quase quatro vezes mais capital do que o resto do globo. Por oposição, prevê-se que a Europa exceda os 19 mil milhões de euros levantados por firmas de capital de risco. Ainda que seja uma quantia tímida – quando comparada com as outras superpotências –, este é um número recorde para o ecossistema.

Apesar desta contínua guerra entre ecossistemas, o Crunchbase afirma que não é realmente importante, visto que não há uma competição direta entre os grandes projetos dos dois países.

Esta também é uma luta desigual, visto que nascem mais de 12.000 start-ups chinesas por dia, um número que revela o poder chinês neste universo empresarial.

Comentários

Artigos Relacionados