Nudge Digital, ONCOMMUN, MyPharmaGenes e Mordomo Digital foram os vencedores do concurso HINTT, uma iniciativa que visa reconhecer e divulgar as melhores práticas de adoção das TIC na área da saúde.

Este ano com o tema “Digital Acceleration: can health catch the wave?”, os Prémios Saúde HINTT – Maturidade Digital premiaram quatro projetos, a saber: Nudge Digital, ONCOMMUN, MyPharmaGenes e Mordomo Digital.

O primeiro venceu na categoria de Clinical Outcomes e trata-se de uma solução desenvolvida pelos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS). O “Nudge Digital – Redução da sobreprescrição de Antibióticos”, representa a realização do potencial do big data na melhoria de processos terapêuticos, objetivando a transformação digital dos sistemas de saúde portugueses articulada com a aplicação das melhores práticas de investigação em ciência de dados.

Desenvolvido pelo IPO de Coimbra, o projeto ONCOMMUN venceu na categoria de Patiet SafetY. Consiste num programa Europeu de acompanhamento online: suporte psicológico e educação para a saúde em doentes com cancro da mama. É uma ferramenta digital com quatro níveis de cuidados em saúde, que apoia as doentes na identificação das suas necessidades físicas e psicológicas e na seleção de recursos para fazer face a essas mesmas necessidades.

Na categoria Startup Innovation – o Projeto MyPharmaGenes foi o vencedor. Trata-se de um teste genético, realizado a partir de uma amostra de epitélio bucal, e o acesso a uma WebApp interativa que ajuda o médico e o paciente a gerir os medicamentos prescritos, bem como a assinalar efeitos secundários, de forma muito personalizada e ao longo de toda a sua vida.

Por último, na categoria Value Proposition venceu a Santa Casa da Misericórdia do Porto (SCMP), com o projeto Mordomo Digital, uma aplicação móvel que visa a simplificação da atividade clínica com garantia de registo da informação com segurança no doente certo, recorrendo a mecanismos de reconhecimento de voz para o diário clínico de internamento, bem com acesso à informação em tempo real de dados de suporte à prestação de cuidados clínicos.

Este concurso, que cumpriu este ano a sua 4.ª edição, é uma iniciativa da Glintt e tem como objetivo reconhecer e divulgar as melhores práticas de adoção das TIC na área da saúde, de forma a melhorar a segurança do cidadão, apoiar a decisão clínica e a eficiência global. O HINTT pretende ser uma “montra” de projetos de referência a nível nacional e permite que as instituições e as equipas partilhem entre si ideias que podem resultar em novos projetos ou novos modelos de implementação das soluções propostas, garantindo um maior impacto tanto para as entidades de saúde como para os utentes, destaca a empresa em comunicado.

À final chegaram 10 projetos apresentados por empresas tecnológicas com uma base de saúde, universidades, investigadores, unidades hospitalares e start-ups. Foram os casos, por exemplo, da Clynx, do Centro Hospitalar Universitário São João do Porto, do Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia e Espinho, do INEM, do NeVARo Tech e da Hopecare.

Em jeito de balanço, Filipa Fixe, Executive Board Member da Glintt, referiu que “esta edição foi, sem dúvida, bastante positiva, uma vez que batemos o record das candidaturas- ultrapassamos em cerca de 50% os anos anteriores. Tendo em conta o ano atípico que estamos a viver, provocada pela Covid-19, as nossas expetativas não eram as mais favoráveis, pelo que foi com surpresa quando verificámos uma motivação incrível por parte das entidades candidatas. O que só vem, uma vez mais, comprovar o que temos vindo a defender constantemente: a junção da tecnologia ao setor da saúde é o mote para haver mais equidade a custos controlados e melhores resultados em saúde”, frisou.

Comentários