Na mesa de Sigmund Freud, na sua casa em Londres, apareceu um objeto estranho – um porco-espinho, um animal único e bastante espinhoso único na América do Norte.

Freud tinha sido fascinado por uma parábola de 1851 sobre um grupo de porcos-espinhos de Arthur Schopenhauer, onde supus como os porcos-espinhos na multidão do frio se juntavam para se aquecerem, mas depois sentiam o desconforto das penas da outra criatura, separavam-se. Para trás e para a frente iam até encontrarem “uma distância média à qual podiam existir de forma mais tolerada”.

Em 2009, estava a trabalhar numa apresentação para a Conferência de Inovação Social do Skoll Centre, na Said School of Business, em Oxford, quando me deparei com a história do porco-espinho de Freud. Como o tema da conferência foi sobre “Blurring Sector Boundaries and Challenging Institutional Arrangements”, a minha investigação em curso no campo da fé religiosa e do empreendedorismo foi adequada para a conferência, aceite para apresentação, e eventualmente publicada como um capítulo de livro sob o nome de “O Porco-Espinho na Sala”.
Em Oxford, a minha apresentação centrou-se na simples realidade de que a grande maioria dos empreendedores, incluindo os empreendedores sociais, tinham alguma forma de fé religiosa no entanto, havia muito pouca investigação académica sobre esta intersecção. Pareceu-me, como a minha apresentação foi intitulada, uma “questão espinhosa e não resolvida”. Na altura da edição da conferência, houve manchetes de corrupção empresarial e que levaram ao colapso financeiro global de 2008-09. Houve muitas chamadas nesta altura para programas reforçados e formação empresarial em ética, que se tornou obrigatória em muitas empresas com seminários de vários especialistas.

Avançando para 2021 e as manchetes recentes de corrupção e escândalo no mundo dos negócios parecem continuar inabaláveis, através de indústrias e países. Na Alemanha, a Wirecard e o seu fundador Markus Braun envolveram-se em anos de contabilidade fraudulenta, estimativas inflacionadas de lucros e lavagem de dinheiro. Quando tal confusão foi relatada, a resposta de Braun não foi humilde, mas sim contratar o ex-chefe dos serviços secretos líbios para apresentar um caso absurdo de conluio com os vendedores pelo Financial Times. Adam Neumann liderou a WeWork numa ascensão rápida e, em seguida, o colapso espetacular, salvo apenas pelos bolsos profundos do SoftBank. Embora Neumann tenha recentemente manifestado alguns arrependimentos, mas, como foi amplamente noticiado, não tem desculpas para oferecer a ninguém. O seu conselho sábio da sua ganância e destruição causados pelos seus comportamentos é para todos nós  “Desfrutar da viagem e estar presente. ”

E então chegamos à antiga estrela de Silicon Valley Elizabeth Holmes da Theranos, que habilmente se criou sobre a imagem de Steve Jobs e a sua tremenda visão e criatividade. Apesar de acumular quase um bilião de dólares em capital de start-ups, ela nunca teve um único modelo de trabalho do que supostamente inventou, uma máquina revolucionária de análise sanguínea para centenas de testes de algumas gotas de sangue. Ao longo de múltiplos pedidos dos seus diretores de laboratório (vários) e cientistas e gestores de pessoal de que a tecnologia que ela imaginava não era possível, optou por criar e impor uma cultura de isolamento, sigilo, retaliação e medo. O testemunho demonstrou que milhares de testes médicos incorretos, incluindo os de doenças e doentes em risco de vida, foram fornecidos conscientemente pela Theranos aos pacientes e os cursos de tratamento foram atrasados ou alterados. Este triste conto está agora a desenrolar-se no Tribunal Federal da Califórnia.

Até agora,  a prova mais forte fornecida pelos advogados de Holmes é culpar o seu antigo parceiro, pessoal incompetente, ou, o mais interessante, a cultura de start-ups e o que chamamos de “Fake it ‘Till You Make it”. Pergunto-me se Simon e Garfunkel quando cantaram pela primeira vez, ele alinhava-se com a sua canção de 1968 “Fakin’ It” que “And I know I’m  fakin’it, I’m really  makin’it” nunca pensou que esta frase inocente se transformaria num mantra empreendedor do século XXI, mesmo quando coloca as pessoas  em risco.

O que aconteceu à nossa amada jornada de empreendedorismo, inovação, start-ups e transformação? São estes poucos exemplos, e há muitos mais, de alguma forma desculpáveis em nome da perturbação criativa? Devemos aceitar a premissa de “Fake it ‘Till You Make it” como aceitável nas nossas próprias empresas e as exigências brutais concorrentes de capital, desenvolvimento de produtos, investigação e testes, marketing, vendas e lançamento? O valor do unicórnio ocasional obriga os clientes, o mercado e o público a aceitar isto como um custo razoável de inovação e transformação?

Volto à metáfora do porco-espinho abrasivo e às vezes desconfortável, e pondero se há algo que possamos aprender aqui. Talvez na nossa pressa de esterilizar e higienizar quase todos os aspetos dos nossos locais de trabalho perdemos algo. O Wed desenvolveu códigos de ética e várias certificações, mas talvez tais sistemas não se ligassem profundamente dentro dos participantes a um nível mais privado e íntimo de razão, comportamento e caráter. Talvez fosse apenas mais uma “caixa para verificar” quando liderámos e assistimos a tal treino, e não foi de todo transformador.

Certamente, discussões atenciosas sobre a fé religiosa de cada um, de qualquer tipo e doutrina, precisam de ser feitas discretamente e não serem opressivas. Mas tais explorações também podem levar a um novo pensamento, a uma maior compreensão, e a um sentido de comunidade que muitos de nós anseiam nos nossos locais de trabalho e empresas. Seria fácil? Não me parece, mas acho que o potencial benefício de nos aproximarmos uns dos outros, mesmo quando é um pouco desconfortável e abrasivo pode valer a pena. O facto de a fé religiosa pessoal não ser uniforme e monolítica é uma das áreas pelas quais penso que as discussões sobre ela têm um potencial significativo.

Talvez nós empreendedores precisemos de aprender a ouvir melhor e falar menos. Talvez devêssemos reconsiderar as fés dos nossos pais, avós e antepassados de novo, o que quer que tenha sido, para ver se há uma voz que valha a pena ouvir. Eu, por exemplo, estou à procura de um futuro e realidade melhores, e à procura dele aqui mesmo no nosso meio. Não me contento em fazê-lo no Metaverso, independentemente do que Zuckerberg possa estar a dizer-nos. Em breve, provavelmente vamos lixar o mundo emergente de qualquer maneira!

Comentários

Sobre o autor

Avatar

Randy M. Ataíde é um experiente CEO, empreendedor e educador com mais de 40 anos de experiência prática de negócio. Atualmente é investidor e consultor numa grande variedade de empresas norte-americanas e portuguesas, em imobiliário residencial e comercial, hospitality e... Ler Mais