A Monese, uma das maiores e mais mediáticas fintech a nível europeu, decidiu abrir um escritório em Lisboa e pretende recrutar, pelo menos, 25 profissionais para as áreas comerciais e de software development.

A fintech Monese anunciou ontem que escolheu Portugal para abrir o seu terceiro escritório, depois de Tallinn e Londres. A start-up, que criou um serviço financeiro global totalmente em mobile, vai alocar as instalações na capital portuguesa para o suporte comercial e desenvolvimento de software. Para preencher estas necessidades, a equipa vai recrutar, no mínimo, 25 profissionais da área tecnológica.

Esta expansão retrata a crescente procura pelos serviços financeiros que utilizam tecnologia como machine learning e que permitem a criação de uma conta bancária digital em menos de dois minutos. Estes serviços destinam-se tanto a clientes locais, como a estrangeiros que viajam por diversos motivos (lazer, trabalho, estudo, família ou reforma).

Norris Koppel, fundador e CEO da fintech, afirmou em comunicado que “a abertura de um escritório em Lisboa representa mais um passo na nossa expansão internacional, sendo uma cidade europeia de topo no que diz respeito à tecnologia e com imenso potencial de atrair, recrutar e trabalhar com os melhores talentos. O novo escritório irá trabalhar de forma integrada para continuarmos a disponibilizar um produto de qualidade, credível, popular e seguro, e oferecendo uma experiência única para os clientes”.

Carla Batista vai ficar à frente da sucursal portuguesa da Monese, assumindo o cargo de operations manager, depois de ter trabalhado 14 anos na Visa Europe. O CEO da start-up afirmou em comunicado que a nova líder portuguesa “irá liderar as nossas operações em Portugal, com a sua vasta experiência adquirida, e será responsável pelo crescimento da nossa equipa. Estamos sempre à procura dos melhores talentos”.

A Monese, recorde-se, foi criada em 2013 e rapidamente se tornou numa das start-ups mais inovadoras e com maior crescimento a nível europeu. Atualmente, tem mais de 600 mil utilizadores e está disponível em 20 países europeus e em 11 línguas diferentes.

Comentários