A população vegan está a despertar a atenção do ecossistema empreendedor internacional. As start-ups europeias estão atentas às potencialidades deste nicho de mercado e já são muitas as que começam a apresentar soluções inovadoras para este target.

Nos últimos anos, a procura por produtos vegan tem sido crescente e até as grandes multinacinonais da restauração que não atuavam neste mercado, como a McDonalds´s, por exemplo, começaram a incluir opções vegan na sua oferta. Dos Estados Unidos à Ásia e Europa, a “onda” vegan está a atingir todas as empresas, das maiores às mais pequenas. No caso europeu, o EU-Startups listou 10 start-ups que direcionaram a sua oferta para a comunidade vegana.

Allplants Esta start-up londrina fornece refeições veganas ao domicílio feitas por chefs e prontas para aquecer em casa. 100% à base de vegetais, os pratos são “congelados rapidamente” para garantir frescura e entregues em embalagens 100% recicláveis, parcialmente compostáveis e reutilizáveis.
A Allplants, que já serviu mais de 250 mil refeições, considera que a mudança para uma dieta baseada em vegetais é a forma mais direta de reduzir a pegada ambiental e, simultaneamente, melhorar a saúde humana. Em setembro de 2018, a start-up recebeu um financiamento série A de 7,5 milhões de libras (8,4 milhões de euros), considerado o mais elevado no Reino Unido para uma empresa vegan.

Feed – Instalada em Paris, esta start-up da área alimentar disponibiliza substitutos de refeições vegans sem glúten, sem lactose e sem OGM. São principalmente direcionados para quem não tem vontade ou tempo para preparar uma refeição, e não para substituir a dieta tradicional. As refeições da Feed existem em forma de barras, bebidas e batidos. Atualmente, os produtos estão disponíveis em lojas em França e também podem ser adquiridos online. No entanto, a start-up procura financiamento para expandir o negócio noutros países.

Simple Feast – De origem dinamarquesa, esta start-up de alimentos orgânicos entrega ao domicílio caixas semanais de refeições prontas para consumo. A Simple Feast quer levar a experiência culinária dinamarquesa ao resto do mundo, juntamente com sua missão de fornecer refeições semanais “produzidas de forma sustentável”, orgânicas e entregues em caixas biodegradáveis.
O público-alvo são famílias, com pais entre 30 e os 40 anos, e pretende revolucionar a indústria de kits de refeições com seus alimentos à base de vegetais, ecológicos e que não comprometem o sabor. Em agosto de 2018, a start-up obteve uma ronda de financiamento de 12 milhões de dólares (10,9 milhões de euros).

Huel – Lançada em 2014, no Reino Unido, pelo empresário Julian Hearn, a Huel é uma gama de produtos nutricionais alimentares. Assume-se como um substituto de refeição em pó criado para pessoas com uma vida profissional ativa e com pouco tempo disponível para preparar refeições. Os ingredientes incluem aveia, proteína de ervilha, semente de linhaça, proteína de arroz integral, uma mistura de vitaminas e minerais sob medida e com sabor de baunilha que devem ser misturados com água ou uma bebida vegetal. A gama Huel também inclui barras e cereais. Além dos ingredientes vegan, tudo o restante é feito com o mínimo de resíduos e embalagens. A Huel afirma já ter vendido mais de 50 milhões de refeições, em mais de 80 países.

Algama – É uma start-up francesa que aproveita o potencial das microalgas ricas em proteínas como uma fonte alimentar diária saborosa e sustentável. Tem escritórios em Paris e Nova Iorque e as equipas de I&D e Food Lab estão baseadas em Génopôle (Evry, França), o primeiro biocluster francês. Atualmente, emprega 50 funcionários e tem distribuição mundial. A Algama lançou projetos de pesquisa no CNRS e no INRIA, duas das principais instituições de investigação francesas.

Vivobarefoot – A Vivobarefoot, sediada no Reino Unido, produz calçado minimalista. Os seus sapatos têm uma sola ultrafina e resistente a perfurações, que oferece proteção e um retorno sensorial máximo. Em meados deste ano, a Vivobarefoot lançou sua linha de sapatos BIO – sapatos veganos –  que consiste em espuma de alto desempenho feita com biomassa de algas. A start-up afirma que esses sapatos veganos usam mais de 30% de biomateriais – milho, borracha natural e algas -, e que também usam garrafas plásticas PET recicladas. A Vivobarefoot pretende tornar a composição dos seus sapatos 100% biológica. Vende 75% da sua produção diretamente através da loja online. O restante é fornecido a outras lojas.

Strong Roots – Esta start-up comercializa vegetais congelados e produtos veganos, incluindo hambúrgueres de ervilhas e algas wakame, couve-flor, brócolos e cenoura. Com sede em Dublin, Irlanda, e fundada em 2015, atualmente possui mais de 3 mil pontos de venda nos EUA. A Strong Roots oferece uma grande variedade de alimentos à base de vegetais, pensados para clientes com vidas ocupadas. Recebeu um financiamento de 18,3 milhões de dólares (16,7 milhões de euros) da Goode Partners, com o qual pretende reforçar a sua presença nos Estados Unidos e aumentar a pesquisa e desenvolvimento para fornecer alimentos e nutrientes mais funcionais.

M*lkman –  Aposta numa abordagem moderna do velho modelo de entrega de leite ao domicílio só que, em vez de leite de vaca, a M*lkman entrega leite de noz. O produto está disponível em vários sabores, como chocolate, pistácio, aveia, amêndoas ou castanha de caju, e é fornecido em garrafas de vidro recicláveis entregues diretamente à porta do consumidor. Por sua vez, estes podem deixar as garrafas vazias para a M*lkman recolher. A bebida vegetal que produz contém 12% de nozes, o valor mais alto da indústria.
A atual gama de produtos é limitada ao leite, mas a empresa pretende lançar bebidas de café e outros produtos sem desperdício, como manteiga de noz.

Sanikai – É uma marca de moda ética e vegan sediada na Suíça. A filosofia da Sanikai baseia-se na responsabilidade pelo planeta e na preferência por materiais naturais e reciclados combinados com o perfecionismo suíço. A marca aposta em designs intemporais, feitos com altos padrões éticos e de qualidade. Os produtos são fabricados em Thun, Suíça, onde tem um centro de formação com 60 costureiras e designers. A Sanikai utiliza materiais ecológicos como algodão orgânico certificado, linho orgânico, rami, garrafas plásticas recicladas, nylon regenerado e lã virgem orgânica reciclada ou certificada.

The Vurger Co.-  Sediada em Londres, a The Vurger Co. comercializa hambúrgueres 100% vegetais. Começou como uma pequena banca num “food market”, em 2016, e tornou-se num restaurante de serviço completo em 2018. Nesse ano, a marca lançou uma série de lojas pop-up bem sucedidas e participou em festivais gastronómicos, conquistando uma base de fãs que a ajudou a ultrapassar a meta das 180 mil libras (202,2 mil euros) na plataforma de crowdfunding Crowdcube. Os seus produtos estão à venda na rede de lojas Planet Organic, em Londres.

Comentários