Se gosta de natureza e de paisagens naturais e selvagens então estas sugestões são para si. Três destinos turísticos pouco conhecidos, em pontos diferentes do globo, onde pode usufruir de uns dias ao ar livre.

Com os destinos turísticos “tradicionais” cada vez mais sobrelotados, encontrar locais quase intocados pela mão humana é o desejo de muitos apreciadores de natureza e de férias ao livre. E a boa notícia é que ainda existem locais pouco conhecidos, muito bem preservados e onde a mão humana ainda não se faz notar de forma muito invasiva. A Forbes elegeu três destinos paradisíacos, todos no continente americano, com paisagens de cortar a respiração a que nem os menos entusiastas da natureza resistem.

Cayo, Belize

A primeira proposta está situada na América Central, num local de exuberantes belezas naturais: o Belize. O país apresenta um equilíbrio perfeito entre a luxuriante selva tropical e o mar das Caraíbas. Embora comece a ser cada vez mais conhecido, ainda há muito para descobrir como o Cayo de Ambergris, um local especial para fazer mergulho próximo do Great Blue Hole – uma das maiores cavernas verticais subaquáticas do mundo.
Se além de mar, também gosta da floresta, nada melhor do que percorrer as montanhas Maias, as florestas e explorar as cavernas por baixo das construções. Além da ligação com a natureza, há toda a história de uma antiga civilização para descobrir.

Como se trata de um país relativamente pequeno ( com pouco mais de 270 quilómetros de Norte a Sul), mas com uma grande diversidade de ecossistemas, é possível viajar por todo o território e conhecer a sua variedade de ambientes naturais num curto espaço de tempo. Mas não é natureza que distingue o Belize, a Hummingbird Highway é conhecida como uma das estradas mais bonitas do mundo.

Ilha do Príncipe de Gales, Alasca

O Alasca é um paraíso para qualquer amante da natureza em estado puro, com as suas ilhas verdejantes e baías onde os animais vivem em plena harmonia. Os viajantes podem voar de Seattle até Ketchikan, a cidade histórica localizada na Ilha Revillagigedo. A partir daí podem seguir novamente de avião para explorar os fiordes enevoados, até à ilha vizinha de Príncipe de Gales, no arquipélago de Alexander. A paisagem da ilha é exuberante e verdejante.

Para os amantes de atividades piscatórias, a pesca do salmão é uma das opções. Para quem não aprecia a atividade, existem muitas outras experiências para desfrutar como, por exemplo, passeios junto ao mar observando uma ou outra baleia. Além disso, se a visita for durante os meses de verão, o visitante pode assistir a um espetáculo natural imperdível: o mágico sol da meia-noite.

Roseau, Dominica

A última sugestão é um regresso às Caraíbas, mais exatamente a uma ilha muitas vezes confundida com uma outra nação da região, a República Dominicana. Mas Dominica é outro país, uma ilha natural e praticamente intocada, um paraíso tropical que permanece por descobrir. A capital chama-se Roseau.
Na lista de locais a visitar fazem parte o Parque Nacional Morne Trois Pitons e uma caminhada por Boiling Lake, um percurso desafiador para os amantes desta atividade. Este é o segundo maior trilho do mundo (uma viagem, de ida e volta, de oito horas) depois da Nova Zelândia.
O visitante pode ainda usufruir de uma viagem de barco ao largo da costa de Roseau para observar as baleias. Dominica é, aliás, a capital observação de baleias nas Caraíbas. A população marinha também é abundante e frequentemente brinda os visitantes com espetáculos naturais.

Comentários