A recém criada CodingLibra acaba de anunciar o lançamento de um cofre digital em blockchain, o CryptoFortis. O projeto materializa-se numa aplicação web e app. A fintech pretende criar cofres digitais em Portugal, Europa e países emergentes.

CryptoFortis é o primeiro produto da fintech portuguesa CodingLibra, uma empresa especializada no desenvolvimento de software em tecnologia Blockchain. A novidade consiste num Cofre Digital Blockchain, que é uma aplicação web e app para o armazenamento, consulta, movimento e autorizações de transações seguras de ativos digitais de criptomoedas – como o Bitcoin, Ethereum, DeFi, Tokens, e ainda Stablecoins, como TetherUSD, DAI -, e que se prepara para integrar no futuro a LIBRA Facebook e CBDCs (moedas digitais de bancos centrais) no seu portefólio.

De acordo com Jaime Ferreira, managing partner da CodingLibra, “a adopção de Criptomoedas no mundo corporativo, e também de consumo, irá ter um impacto significativo na vida de todos nós. Desde logo a inclusão financeira mundial – a oportunidade de qualquer pessoa ou empresa do mundo poder efectuar transferências, compras e investimentos com taxas significativamente mais reduzidas, de forma instantânea para qualquer parte do mundo, desde que tenha acesso à internet.”

O cofundador da start-up portuguesa destaca a importância crescente da tecnologia Blockchain na indústria financeira e o facto de “as transações em criptomoeda, apesar da atual conjuntura, continuam a aumentar significativamente, demonstrando  resiliência e projetando um futuro de maior adopção a nível mundial. Portugal não pode estar fora desta revolução e implementarmos esse know-how foi mais uma das razões para a criação da CodingLibra”

O profissional assegura também que as questões relacionadas com a segurança estão garantidas com a utilização da tecnologia Blockchain. Todas as informações registadas são criptografadas, exigem uma assinatura digital e ainda confirmadas pela validação de participantes distribuídos – os mineradores (conjunto de computadores com programa especial) -, que no seu conjunto garantem a integridade e proteção contra possíveis ameaças, afirma.

“Não tenho dúvidas que a maior adoção desta tecnologia irá acontecer num futuro próximo e nós queremos impulsionar esta nova vaga da Blockchain em várias empresas”, reforçou também Artur Goulão Ferreira, CTO da CodingLibra.

A CodingLibra, recorde-se, foi cofundada por Artur Goulão Ferreira, com forte experiência no setor cripto, e Jaime Ferreira, com um currículo internacional em gigantes de telecomunicações. Posiciona-se como uma software house em Blockchain que pretende melhorar as soluções digitais de transferências de dinheiro, pagamentos, poupanças e investimentos seguros e menos dispendiosos, através do desenvolvimento de software, integração, custódia, liquidez e regulação de Criptomoedas e Stablecoins.

Para além de Portugal e Europa, a CodingLibra pretende também ativar serviços nos países emergentes, onde a economia está assente em fiat currency ou moeda fiduciária (moedas com curso legal) e as soluções existentes, e por vezes informais, são dispendiosas, inseguras e demoradas.

Comentários