Há uma nova empresa no mercado da descarbonização energética. Chama-se Cleanwatts e pretende impulsionar uma mudança de paradigma na forma como as empresas e as comunidades locais fornecem, consomem e comercializam energia limpa. Como? Adquirindo energia limpa de cariz local e de baixo custo de pequenos parques fotovoltaicos.

O mercado da descarbonização energética passou a contar com uma nova empresa, a Cleanwatts, que é resultado da incorporação da Virtual Power Solutions (VPS) e de start-ups de tecnologia limpa no Brasil e no Reino Unido. O seu foco é no ramo da energia limpa, originando e gerindo Comunidades de Energia Renovável zero capex, onde a energia limpa é providenciada como um serviço a participantes locais.

“O nosso maior desafio é também um dos maiores desafios que a Humanidade enfrenta, o combate às mudanças climáticas. Em suma, a nossa missão é simplificar, ampliar e acelerar a transição energética. Queremos levar às empresas e comunidades em todo o mundo os benefícios da transição energética global”, começou por explicar ao Link To Leaders Michael Pinto, CEO e cofundador da Cleanwatts.

Para este responsável, “a Cleanwatts tem um papel importante a desempenhar na materialização dos benefícios da transição energética às empresas e às comunidades locais em todo o mundo. Muitas pessoas ainda não estão conscientes do impacto económico positivo resultante da adoção de soluções de eficiência energética inteligente, nem da oportunidade de obterem novas fontes de receita por meio de recursos de energia distribuída”.

Segundo um relatório recente da Agência Internacional de Energia Renovável, a eficiência energética e a energia renovável, junto com a eletrificação, podem fornecer até 90% das reduções de emissões relacionadas com a energia previstas no Acordo de Paris. A Cleanwatts está comprometida com esta visão e acredita que, para lidar com a descarbonização de energia na escala e rapidez necessárias, as comunidades locais devem ser envolvidas na solução e capacitadas para agir.

Neste sentido, são duas as suas principais áreas de atividade: soluções de gestão de energia com base nas suas plataformas digitais, nomeadamente a Kisense (plataforma para gerir, otimizar, prever e controlar a aquisição, geração, consumo e armazenamento de energia em tempo real) e a Kiplo (plataforma Virtual Power Plan que permite agregar e gerir a produção e o consumo de energia de forma distribuída e descentralizada, oferecendo diversos serviços avançados de gestão de energia para comunidades de energia e cidades inteligentes); e, ainda, soluções de geração local de energia limpa, nomeadamente através da criação e gestão de Comunidades de Energia Renovável (CER) e projetos coletivos de autoconsumo, reunindo recursos de energia distribuída, capital financeiro, tecnologia digital e serviços de consultoria.

“Oferecemos energia limpa a preços acessíveis e eficiência energética avançada para comunidades em toda a Europa, incluindo parques industriais, parques empresariais, centros de transporte, shoppings, ilhas, hotéis e outros ambientes multiparticipantes”, afirmou Michael Pinto.

“Cada vez mais somos chamados para ajudar a fazer a transição energética dos nossos clientes, nomeadamente através de soluções de autoconsumo, geralmente solar fotovoltaica e por vezes com soluções de armazenamento. Nesses casos, em regra, tal permite também abordar as vantagens do autoconsumo coletivo, em que o excesso de capacidade de energia limpa é vendido a outros consumidores localizados perto desse cliente e, em última análise, explorar a criação de uma Comunidade de Energia Renovável”, acrescentou.

2021 com novos negócios e parcerias
Apesar do contexto desafiador da pandemia, a empresa começou o ano com novos negócios e parcerias na Europa, Brasil, Estados Unidos e Japão.

Atualmente, a Cleanwatts ajuda os seus clientes a gerir mais de 2TWh –  o equivalente ao consumo anual de mais de 750 mil habitações -, em mais de duas mil localizações, incluindo alguns dos principais bancos nacionais, hotéis, empresas industriais, aeroportos internacionais e comunidades de energia, principalmente na Europa e no Brasil. A empresa gere um pipeline de mais de 20 Comunidades de Energia Renováveis, que deverão começar operar nos próximos 18 meses.

“Nos EUA, estamos a observar os efeitos do plano de recuperação económica do clima do presidente Joe Biden e do retorno dos EUA ao Acordo de Paris, principalmente por meio das oportunidades que estamos a desenvolver na Costa Leste. Na Europa, estamos a ganhar força na promoção da eficiência energética inteligente e de comunidades de energia graças a uma aceleração na implementação da legislação Green Deal e da criação de estruturas de financiamento específicas para esses projetos. Decisões recentes dos governos do Japão e da China no mesmo sentido estão a criar oportunidades para a Cleanwatts nesses mercados”, revelou o CEO da empresa que se mantém otimista também em relação ao mercado nacional.

“Em Portugal, tal como no resto da Europa, os mercados da energia e os quadros legislativos estão a evoluir rapidamente. As condições são finalmente favoráveis ​​para simplificarmos as muitas complexidades que têm impedido o progresso. Agora podemos reunir ativos de energia distribuída, capital financeiro, tecnologias digitais e recursos humanos especializados de forma inteligente e eficiente para o benefício de empresas e comunidades locais. Estamos confiantes de que Portugal está a caminhar na direção certa e, em certos casos, até mesmo a liderar neste domínio. A nossa visão é simples e pode ser resumida no nosso slogan: Energia limpa, descentralizada, digital e democrática”, concluiu.

Comentários