O setor agroalimentar está recorrer ao blockchain com o objetivo de reforçar  o controlo da origem dos produtos, a rastreabilidade dos mesmos, e assim aumentar a confiança junto do consumidor.

A espanhola Montsoliu, empresa especializada em ovos orgânicos que produz cerca de 25 mil unidades por dia, acaba de implementar a tecnologia blockchain nas 15 explorações que possui em Girona (onde 30 mil galinhas vivem ao ar livre) para que, desta forma, o sistema de produção seja o mais transparente possível para os clientes, que podem certificar-se de que os ovos são realmente biológicos. Além disso, também podem avaliar a frescura do produto ou a sua procedência.

Através deste sistema, cada caixa de ovos que sai da Montsoliu é identificada com um código QR. Desta forma, através do smartphone, o cliente pode ler o código e aceder a um arquivo de informação sobre a origem dos ovos.

O desenvolvimento da plataforma blockchain foi feita pela tecnológica Vottun, de Barcelona, e permite saber o dia e a hora a que os ovos foram postos, quando foram recolhidos e embalados, e quando deixaram o centro de distribuição a caminho do supermercado. Complementarmente, o certificado que acompanha o produto ainda tem informações sobre a alimentação das galinhas garantindo que cada alimento é proveniente de agricultura orgânica.

A tecnologia implementada por esta empresa resultou da inovação da Vottun que afirma tratar-se do primeiro projeto de rastreabilidade no setor de alimentos que utiliza simultaneamente redes blockchain públicas e privadas, concretamente pelas redes Hyperledger e Ethereum. As blockchains privadas oferecem maior segurança e flexibilidade, enquanto as públicas fornecem maior transparência e visibilidade, asseguram os responsáveis da Vottun, que depois desta experiência, planeiam replicar o projeto noutros setores agroalimentares.

Comentários