Desde a sua fundação, a Fundação Repsol já avaliou 2700 start-ups acelerou 48 e registou 128 patentes. Gloria Vidal Torrado, gestora de Empreendimento na Fundação Repsol, explicou ao Link To Leaders o papel da Fundação na dinamização do ecossistema empreendedor no setor energético.

Foram 649 os projetos candidatos ao Fundo de Empreendedores da Fundação Repsol na sua última edição. Destes, 23 dizem respeito a start-ups portuguesas, ou seja, 3,5% dos projetos em concurso são portugueses, uma participação que aumentou 28% face ao ano anterior. O processo de seleção estará concluído em julho de 2019, quando serão conhecidas as candidaturas vencedoras.
O Fundo de Empreendedores é o programa de aceleração da Fundação Repsol que apoia start-ups que contribuem para a transição energética. Desde o arranque deste fundo, a Fundação Repsol já apoiou mais de 48 start-ups, das quais três são portuguesas: os projetos Inanoenergy, C2C-Newcap e FuelSave.
Falámos com Gloria Vidal Torrado, gestora de Empreendimento na Fundação Repsol, sobre este programa de aceleração e os projetos para o futuro da empresa.

Qual tem sido o papel da Fundação Repsol na dinamização do ecossistema de start-ups e no desenvolvimento de novas soluções no setor da indústria energética e da mobilidade?
A Fundação promove desde 2011 o Fundo de Empreendedores, um programa de aceleração de start-ups que apoia projetos tecnológicos inovadores no campo da indústria de energia, mobilidade ou economia circular.
O modelo de aceleração está desenhado para ajudar os projetos a tornarem-se realidades de mercado no menor tempo possível. Todos eles têm em comum o desenvolvimento de inovações que contribuem de alguma forma para uma transição energética mais sustentável.
Estamos presentes, ano após ano, em diferentes fóruns e eventos, reforçando sinergias com o ecossistema de empreendedorismo, divulgando o programa Fundo de Empreendedores e capturando start-ups para as suas chamadas anuais.

O que inspirou a Fundação Repsol a criar o Fundo de Empreendedores?
O compromisso da Repsol e da sua Fundação para a construção de um futuro energético mais sustentável.

Quantos projetos já apoiaram?
Desde a sua criação, mais de 2700 start-ups foram avaliadas, 48 aceleradas e 128 patentes registadas.

Desde o arranque deste Fundo, a Fundação Repsol já apoiou três start-ups portugueses (…)

Quantos projetos portugueses já passaram por este programa? Algum deles foi incorporado na Repsol?
Desde o arranque deste Fundo, a Fundação Repsol já apoiou três start-ups portuguesas: os projetos Inanoenergy, C2C-Newcap e FuelSave. Mas nenhum deles foi incorporado na Repsol.

Este ano, quantos candidatos estão inscritos no programa?
Foram 649 os projetos candidatos ao Fundo de Empreendedores. Nesta oitava edição, o número global de candidatos aumentou 78%, sendo que se destacam as participações de entidades dos Estados Unidos (62), Reino Unido (42), Canadá (25) e Portugal (23). A grande maioria das candidaturas chegou de Espanha: 329 projetos. Os restantes candidatos chegaram de outros 56 países.

Para ajudar as start-ups (…) a Fundação Repsol oferece, durante um ano, até 144 mil euros.

Que tipo de apoio é que Fundação disponibiliza aos participantes no Fundo de Empreendedores? 
Para ajudar as start-ups admitidas ao programa de aceleração, a Fundação Repsol oferece, durante um ano, até 144 mil euros. Com este montante, as entidades poderão desenvolver os seus projetos de inovação para uma transição energética mais sustentável. A Fundação Repsol oferece também assessoria técnica e empresarial e formação em gestão empresarial, temas legais e de marketing, além do acesso aos especialistas em tecnologia da Repsol e, em alguns casos, a possibilidade de testes de protótipos em instalações industriais

De que países têm surgido as soluções mais inovadoras e surpreendentes?
É difícil responder porque, como referi, recebemos propostas de quase 60 países e a seleção está a ser muito difícil devido à alta qualidade da maioria dos projetos que apresentados. O nosso foco é a transição energética e soluções que podem contribuir para um futuro energético mais sustentável e as propostas nesse sentido vêm praticamente de todos os continentes.

“Procuramos projetos disruptores, relacionados com a transição energética e liderados por empreendedores comprometidos com soluções inovadoras (…)”.

O que procuram numa start-up?
Procuramos projetos disruptores, relacionados com a transição energética e liderados por empreendedores comprometidos com soluções inovadoras nas áreas de eficiência na indústria energética e química, digitalização e mobilidade, economia circular e biotecnologia, novos materiais, geração elétrica distribuída e armazenamento de energia e as novas tecnologias de exploração e produção de petróleo e gás

E o que podem as start-ups/empreendedores esperar da Fundação Repsol?
A contribuição que já referi onde destaco o aconselhamento dos mentores que é realmente diferenciador pela dedicação e especialização de cada um deles. Além disso, o facto de não participarmos do capital ou da propriedade intelectual dos projetos. Tanto as contribuições financeiras quanto o aconselhamento e treino são gratuitos para os empreendedores. É um programa filantrópico.

Comentários