Na edição de outubro da “Start-up do mês” decidimos lançar o desafio à Startup Angra, de Angra do Heroísmo, Açores, para escolher um projeto. A opção recaiu  em “As Nossas Quintas”.

Nome da start-up: “As Nossas Quintas”

Fundadores: Cáritas da Ilha Terceira, Centro de Desenvolvimento e Inclusão Juvenil da Cáritas da Ilha Terceira e Rui Drumonde.

Atividade: “As Nossas Quintas” pretende uniformizar e dar a conhecer, de uma forma organizada, a ação de promoção de competências para a empregabilidade em áreas de atividade prioritárias nas ilhas e que podem ser potenciadores de oportunidades para os jovens. Esta marca quer ser um contributo para o desenvolvimento sustentável de ações inovadoras, que possibilitem a integração de jovens e beneficiários que se enquadrem na perspetiva da intervenção local cujo resultado a obter é o equilíbrio entre a intervenção social, a promoção das competências pessoais, sociais e de empregabilidade de públicos em situação de maior vulnerabilidade social apostando sempre no que é local e potenciador de oportunidades de empregabilidade, implementado inovação. “Queremos ser referência na área da economia social solidária na Ilha Terceira, numa primeira fase, e quem sabe, levar este conceito para outras regiões em Portugal e no mundo”, afirmam os responsáveis do projeto.

Volume de negócios: Criada em março deste ano, o volume de negócios desta start-up ainda está abaixo do pretendido, preferindo assim não revelar números.

Plano de negócios: A experiência de intervenção social da Cáritas da Ilha Terceira, conquistou um novo espaço na comunidade quando, através da valência do Centro de Desenvolvimento e Inclusão Juvenil da Cáritas da Ilha Terceira, apresentou projetos de intervenção social, com financiamentos externos, focados na empregabilidade de jovens em situação de maior vulnerabilidade. Em 2014 iniciou o seu percurso com o Projeto Terra Nostra – Capacitação com Raízes, com financiamento da Fundação EDP Solidária e, em 2015, com o Projeto TRAD (E)-In – Tradição e Inovação para a Empregabilidade, financiado pelo mecanismo europeu das EEA Grants, gerido pela Fundação Calouste Gulbenkian. A junção dos dois projetos permitiu o know-how para a criação da Empresa Social de Inserção “As Nossas Quintas”.
Focada nas áreas com potencial económico na Ilha Terceira, como o setor primário e secundário, a aposta na diferenciação, na criação e na produção com valor acrescentado com a componente social, tornou-se um princípio basilar. A vertente da diferenciação pela produção hortofrutícola em modo biológico, permitiu a entrada no mercado com novos clientes, quando este modo de agricultura ainda estava a dar os primeiros passos na Ilha Terceira. Através da parceria com a Cooperativa BioAzórica ao nível da formação, certificação dos terrenos e produtos, mas também na comercialização dos produtos, “As Nossas Quintas” cresceu conquistando novos clientes individuais (cerca de 50 clientes semanais regulares). A estes juntaram-se também alguns restaurantes em Angra do Heroísmo (atualmente são cinco, mas as negociações estão em aberto com outros estabelecimentos), e prevê-se, a curto prazo, a entrada em superfícies comerciais.

Esta estratégia permitirá não só aumentar o volume de produção, mas também a comercialização e, eventualmente, possibilitar a contratação de novos recursos humanos. Na componente da pastelaria, e com a venda de produtos na loja online, “As Nossas Quintas” também tem conseguido progredir. A estratégia de crescimento centra-se na produção de catering para eventos públicos, privados e/ou sociais que, por um lado, permitem produzir e comercializar e, por outro lado, envolver os jovens em todo o processo, potenciando um contacto direto com os clientes. Promover competências para a integração social do seu público-alvo, com a responsabilidade de produção, comercialização e promoção dos produtos, é o objetivo de forma a conseguir atingir, até julho de 2018, um volume de faturação a rondar os 30 mil euros. Simultaneamente, pretende investir na adequação dos espaços físicos da Cáritas da Ilha Terceira e na aquisição de equipamentos necessários ao aumento da atividade produtiva.

Porque merece destaque: Esta start-up destaca-se pela sua missão social de inserção com o objetivo de promover a empregabilidade de jovens; desenvolver ações formativas; produzir e comercializar hortícolas e frutícolas em modo biológico; confecionar produtos de pastelaria tradicional; incutir competências pessoais e sociais aos seus beneficiários; divulgar uma imagem positiva de intervenção da Cáritas na comunidade local, regional e nacional; e potenciar a rede de parceiros, mantendo uma relação de responsabilidade e de compromisso.

Outra informação relevante: Recentemente concorreu ao Prémio Solidário 25 anos SIC e, neste momento, está a participar no concurso “Ideas From Europe 2017 – 2018”, onde esperam estar, na fase final, que se realiza entre os dias 22 a 24 de novembro em Talin, na Estónia. A loja online e o site “As Nossas Quintas” são uma ferramenta essencial para a divulgação das ações desenvolvidas e para a comercialização dos produtos.

Site d’As Nossas Quintas

Comentários