A start-up portuguesa criada há um ano inicia agora uma fase de expansão com um financiamento pre-seed de meio milhão de euros.

Um ano depois de ter sido fundada, pelos jovens empreendedores Vasco Portugal, Joana Rafael e Paulo Carreira, a Sensei acaba de obter um financiamento pre-seed de meio milhão de euros. A star-up portuguesa que atua no sector do retalho tradicional, através da otimização das lojas e da experiência dos clientes, conseguiu a verba através de vários investidores entre os quais se encontram um dos maiores grupos mundiais de retalho, o alemão Metro Group, o grupo Sonae (através da Sonae IM), o acelerador Techstars e ainda um conjunto de business angels.

No ano passado, a Sensei concluiu o acelerador norte-americano Techstars e o Metro Accelerator for Retail, em Berlim, participações que despertaram a atenção destes investidores para esta primeira fase de expansão da start-up.

Refira-se que a start-up nacional desenvolveu um algoritmo que consegue transformar uma câmara de segurança, ou qualquer câmara previamente instalada, num poderoso sensor com capacidade de digitalizar todo o espaço, produtos e interações de visitantes, em informação que permite compreender qual a experiência do cliente. Ou seja, através da tecnologia do Sensei, o movimento humano na loja é detetado e os resultados apresentados em tempo real num dashboard. A informação recolhida é anónima e a privacidade respeitada.

Como explicam os responsáveis do projeto, a recolha de dados revela os padrões da interação dentro da loja e reúne essa informação num SaaS (Software as a Service) na cloud, a que o retalhista pode aceder em tempo real. Assim, ao ter a possibilidade de otimizar a operação, consegue identificar tendências, fazer correlações de dados e aumentar a disponibilidade de produtos em prateleira, o que se traduz em maior número de vendas.

Através de um software intuitivo, a tecnologia desenvolvida pela Sensei deteta prateleiras vazias, o espaço que os clientes percorrem e se os produtos expostos captam a atenção, e contabiliza o fluxo de entrada e saída e todas as interações no espaço de loja, e se essa movimentação se traduz em venda. O Sensei utiliza uma perspetiva 360 do negócio para otimizar todos os recursos disponíveis, conseguindo inclusivamente detetar os padrões de compra.

Como explicou Vasco Portugal, um dos cofundadores da Sensei, a missão da start-up é “digitalizar o mundo físico do retalho, tornando as lojas mais inteligentes e capazes de interpretar as necessidades dos clientes, juntando o melhor dos dois mundos: a emoção da experiência de compras numa loja física e a eficiência de ter todas as operações interconectadas de uma loja digital. Queremos tornar a experiência em loja mais conveniente para o cliente, sem barreiras e mais personalizada do que alguma vez foi possível”, acrescenta.

A cerca da aposta da Sonae IM na Sensei, Alexandre Teixeira dos Santos, Head of Portfolio Development, da Sonae IM, refere que para o grupo “é importante apoiar start-ups como o Sensei que estão a trabalhar em tecnologias emergentes e propostas de valor disruptivas no mercado global”. O que atraiu nesta start-ups foi “a sua capacidade de inovar e o talento da equipa que suporta o seu desenvolvimento. Esta sinergia para nós é fundamental na hora de investir, porque só desta forma temos a certeza de que entregamos uma solução capaz de ter um impacto positivo nas empresas”, frisou.

Comentários