Se não sabe como melhorar os seus relacionamentos, reforçar a sua vida social ou dar um boost nas suas amizades, nada está perdido. Existem algumas start-ups europeias que podem ter a solução para o seu caso.

A forma como as pessoas se relacionam nos dias de hoje, seja a nível familiar, relacionamentos amorosos, amizades ou no âmbito social, já está inevitavelmente ligada à tecnologia. Vejam-se os casos de plataformas como o Tinder ou de outras redes sociais. Apesar da oferta já disponível no mercado, a criatividade das start-ups não pára e são cada vez mais os produtos/serviços que se propõem ajudar a melhorar os relacionamentos e a conectar as pessoas.

Hipóteses não faltam pela Europa fora, como são exemplo as start-ups, com oferta neste domínio, selecionadas pela EU-Startups.

Sparks: 
Com sede em Barcelona, ​​a espanhola Sparks nasceu no ano passado e tem como vocação dar um boost aos relacionamentos já existentes. Através da Sparks -The Relationships App, os utilizadores podem escolher experiências como filmes, receitas, jogos, restaurantes, bares, eventos ou férias, entre outras. A app arrecadou 40 mil euros de investimento no verão e planeia o lançamento para os próximos meses.

Lapse:
Esta start-up londrina, criada pelos irmãos Ben e Dan Silvertown, quer construir a próxima geração de redes sociais privadas. A aplicação foi lançada em setembro do ano passado apenas para convidados e desde então não parou de crescer e de captar investimento. A Lapse permite que amigos, em chats de grupo, tirem fotografias juntos, mas que só são “reveladas” no dia seguinte. Ou seja, mantém-se o mistério, à boa maneira das câmaras fotográficas tradicionais, sobre o resultado final da fotografia, aliando, assim, a experiência nostálgica da máquina com filme com uma plataforma digital. Cada grupo de amigos tem um “rolo” de 36 fotos.

Linkup:
Com o objetivo de revolucionar a socialização na era digital, esta start-up de Manchester quer ajudar a combater a crescente crise de solidão. Incentiva os utilizadores a desligarem os telefones e a conhecerem pessoas à sua volta com ideias semelhantes e concentrarem, no hoje, no momento. A plataforma permite estabelecer qualquer tipo de encontro presencial, para qualquer tipo de pessoa, desde criar amizades, a descobrir pessoas com os mesmos hobbies ou combinar uma bebida com alguém. A aplicação, que já atraiu 530 mil euros de investimento, deverá ser lançada ainda este ano.

Tastebuds:
Esta plataforma foi pensada para ligar pessoas com os mesmos interesses musicais. Os fundadores, os ingleses Alex Parish e Julian Keenaghan, criaram um produto de descoberta social que também permite trocar músicas, e através do qual os fãs de música podem encontrar companhia para ir a um espetáculo, por exemplo. O Tastebuds já recebeu cerca de 600 mil euros em financiamento pré-seed e está integrado no serviço de streaming Last.fm.

F3:
Esta é uma aplicação social direcionada para a Geração Z e que tem como objetivo ajudar os mais jovens a comunicarem de forma aberta e honesta. Através da app, os utilizadores podem enviar fotos, vídeos e perguntas uns aos outros. O anonimato incentiva um contato mais honesto, profundo e pessoal. Lançada em 2018, a F3 já tem mais de 25 milhões de utilizadores.

Freeq:
Fundada em 2020, a plataforma tem como target as comunidades LGBTQ+ e reúne eventos virtuais que dão a possibilidade aos utilizadores de conhecer outras pessoas. Foi lançada no início da pandemia como uma forma de proporcionar à comunidade LGBTQ+ um espaço online seguro e divertido para se conectarem, numa altura em que pandemia empurrou as pessoas para o isolamento social.

The Sauce:
A Sauce, uma app criada em 2020 e suportada por venture capital, adiciona um pouco de “emoção extra” à experiência de um encontro. Esta aplicação foi concebida para transformar a ideia de namoro convencional com uma abordagem divertida, trazendo personalidade ao namoro online através de conteúdo vídeo. Ou seja, com a app, os utilizadores podem namorar por vídeo, criar vídeos curtos ou conversar e comentar os perfis uns dos outros.

HER:
Outra aplicação de namoro que liga mulheres, pessoas não-binárias, trans e pessoas não conformes com um género específico. Pretende ser um espaço seguro para as pessoas se conectarem e criarem relacionamentos, seja para encontrar um companheiro de viagem, um amigo noutra cidade ou uma alma gémea. A app também reúne eventos, plataformas de notícias e chats. Com escritório em Londres, a HER já arrecadou 2 milhões de euros e tem 14 investidores, entre os quais o Y Combinator e a Dreamcraft Ventures.

Feeld:
Também de origem inglesa, a Feeld destina-se quer a casais quer a pessoas solteiras, permitindo que estas explorem as suas relações de forma aberta. A aplicação assume a missão de abrir o futuro da conexão humana através da normalização do desejo sexual, respondendo a mais de 20 opções diferentes de sexualidade e identidade de género. A equipa da Feeld já recebeu mais de 500 mil euros em financiamento e revela que, todos os meses, mais de 30 milhões de mensagens são enviadas através da aplicação.

Comentários