Devo admitir que a minha vida antes do Coronavírus não era de todo má. Estava a começar a conseguir equilibrar a parte profissional com a pessoal enquanto viajava quer por motivos de trabalho ou de lazer. Do lado dos negócios, estávamos a consolidar e a amadurecer as nossas operações com saídas à vista, tive algumas start-ups que estavam em alta e finalmente perto de se tornarem negócios reais e alguns projetos com grande potencial.

Isso foi antes do Corona, agora enfrento uma nova realidade, alguns dos meus negócios não vão sobreviver, outros até teriam capacidade para sobreviver e obviamente outros devem resistir a este desafio.

Também tenho amigos que vão perder os seus empregos, outros que vão perder os seus negócios e outros que estão à procura de novas oportunidades. O único ponto em que todos estamos de acordo é que tudo será diferente nos pós-Corona.

Mas quão diferente?

Em primeiro lugar, até poderia ficar tudo como era, afinal somos criaturas de hábitos, embora duvide dessa possibilidade pois o mundo será um lugar diferente. Estou confiante e otimista num mundo pós-Corona melhor, vamos fazer por isso.

Para isso, temos de ser realistas e compreender que vai piorar antes de melhorar e que, muito provavelmente, também demorará mais tempo a recuperar do que esperávamos. Não vou entrar em política ou ideologia neste artigo porque quero mantê-lo otimista e que pense sobre o que precisa de fazer para que saia beneficiado deste novo mundo.

Alguns de nós vamos fechar as nossas empresas e/ou perder os nossos empregos e temos de ser honestos e questionarmo-nos se este negócio precisa de existir ou nos faz feliz? Se a resposta for não, então sugiro que procure o que lhe traga felicidade. Uma das lições que vamos retirar desta crise é que a vida é muito curta e preciosa para simplesmente ficarmos a ver o tempo passar. Temos de fazer mais do que sobreviver, precisamos de prestar serviços que as pessoas necessitem e queiram, precisamos de realizar trabalhos que nos satisfaçam e nos façam felizes, independentemente de optarmos por ficar a trabalhar em casa ou ir trabalhar fora. Temos de ser os melhores naquilo que fazemos, e para isso temos de amar o que fazemos.

Para alguns, as prioridades vão mudar, talvez estar em casa com os nossos filhos e ensiná-los é agora o mais importante. Outros podem não querer ficar presos no trânsito a caminho do trabalho e vão querer um trabalho que possa ser feito a partir de casa. Outros podem até querer reduzir e viver com menos, mas viver mais. O que quer que escolha, certifique-se de fazê-lo por si, pois só assim conseguirá ajudar-se a si próprio e como consequência os outros. Vamos precisar dos melhores, a partir de agora. Os mais saudáveis e felizes serão os ativos mais produtivos e criativos para as comunidades, empresas e países. Pode parecer uma grande responsabilidade, mas se for sincero consigo próprio, viver dentro dos seus limites e sonhar mais alto pode ser feliz neste mundo pós-Corona.

Então, onde estão as oportunidades?

Alimentação/Restauração – Se tiver um restaurante, repense o modelo e pondere oferecer uma opção de entrega. Faça vídeos do seu chef a cozinhar, mostre o cuidado que tem quer com a higiene quer com a qualidade dos produtos que utiliza. A interação com os clientes online fomenta as relações dando origem a uma rede de influenciadores que farão crescer o seu negócio. As pessoas podem no futuro, não querer ou não poder sentarem-se perto umas das outras. Encontre a sua história, a sua mais-valia e trabalhe a seu favor.

Turismo – férias podem ser menos frequentes, mas mais longas. As viagens de negócios serão cada vez mais limitadas na medida em que cada vez mais se opta pelas reuniões online. As viagens relacionadas com “as novas experiências” continuarão a ter procura, locais bonitos que oferecem algo especial serão altamente valorizados. Os países “simpáticos” atrairão mais turismo e beneficiarão de estadias mais longas. As viagens serão o luxo, pois as pessoas vão fazer escolhas cada vez mais criteriosas sobre os destinos a visitar. As viagens de trabalho/negócios vão exigir das empresas hoteleiras uma especial atenção devendo ser criados programas capazes de atrair e fixar este mercado.

Educação e serviços profissionais online – Muitas pessoas já tiveram uma experiência de aprendizagem online e entenderam que podem estar constantemente a melhorar através de cursos online com os benefícios de custos reduzidos e gestão de tempo enquanto estudam e adquirem competências. Psicologia, os médicos, os serviços jurídicos, o coaching, os treinos de fitness e até os eventos movem-se online expandindo e melhorando o alcance junto dos clientes. Adapte-se a isso e melhore a sua presença online ao mesmo tempo que constrói a sua marca na direção deste mercado com cada vez mais potencial e em expansão.

Negócios locais – produtos e serviços comunitários e de alta qualidade tornar-se-ão importantes para os clientes que se tornarão mais exigentes na forma como gastam dinheiro. As pequenas empresas podem criar valor, se oferecerem um produto único para clientes exigentes. Muitos países procurarão intensificar no interior a produção, aumentando o emprego e precavendo crises futuras.

Robôs e vigilância – Muitos trabalhos serão automatizados de forma a permitir que as empresas concorram com a China e outros fabricantes que apresentam custos mais baixos. Os robôs tornar-se-ão uma opção mais aceite à medida que assumem empregos vitais necessários durante períodos de crise. Os impostos sobre os robôs podem tornar-se uma realidade. A vigilância tornar-se-á mais generalizada em nome da segurança e da prevenção futura. Os eventos desportivos e culturais serão todos sujeitos a novas condições em termos de entrada e exposição a riscos para a saúde.

Mercado de trabalho – Será dado mais valor aos postos de trabalho que se mantiveram ativos e produtivos no decorrer da crise. Os governos darão benefícios aos trabalhadores envolvidos nas necessidades primárias. Quanto maior for a qualificação dos trabalhadores desses setores, mais preparados ficarão os países no momento de enfrentar a próxima pandemia.

Tudo isto acontecerá à medida que entramos neste novo mundo pós-Corona. Já não está em causa aceitar ou não. Prepare-se para passar de uma posição defensiva para ofensiva o mais cedo possível, neste novo mundo. Não fique ansioso ou deprimido com este novo mundo, vai ficar bem, apenas tem de se envolver, cometer erros e aprender rápido. Afinal, alguns países até pagaram aos seus cidadãos para ficarem em casa e não fazerem nada …. os EUA enviaram cheques às famílias para gastar, e também tornaram os cuidados de saúde e os transportes gratuitos. Temos o Reino Unido, Espanha, França e EUA a pensar em nacionalizar a indústria e em mudar leis para não permitir que investidores estrangeiros detenham mais de 10% das empresas.

Por isso, sim, será diferente, pois as máscaras são agora os novos acessórios de moda, tocamos nos pés em vez de apertarmos as mãos, enviamos abraços virtuais enquanto trabalhamos online e talvez até venhamos a verificar a nossa temperatura antes de nos beijarmos. Vamos fazer por continuar a manter o que resta de humano em nós, a interagir, a explorar, a sonhar e experimentar, caso contrário, o Coronavírus levará a humanidade que há em nós…

Versão do texto em inglês

The post Corona world

I must admit my life before Coronavirus wasn’t bad at all. I was starting to master my work life balance while travelling extensively for both work and pleasure which I enjoyed. On the business side we were consolidating our mature operations with exits in sight, I had some start-ups that were on the up and finally close to becoming real businesses and some major business ventures with interesting potential.

That was before Corona, now I am living the Corona reality and things have changed, some of my businesses will not survive, others could survive and obviously others should survive this challenge.

I also have friends that will lose their jobs, others that will lose their business and others that are looking at new opportunities. The one constant which we all seem to agree with is that things post Corona will be different.

But how different?

Firstly, we could just go back to how it was, are after, we are all creatures of habit, but I believe this will be difficult to do as the world is now a different place.

I’m confident and optimistic in looking forward to a better post Corona world, so let’s do that.

To do so, we must be realistic and understand that it will get worse before it gets better and that it will most probably also take longer to recover than we expect. I won’t get into politics or ideology on this article because I want to keep it upbeat and I want you to think about what you need to do to benefit from this new world.

Some of us will close our businesses and/or lose our jobs and we must be honest and ask ourselves does this business need to exist or does my job make me happy. If the answer is no then you need to find a new business or job that the answer is yes. One thing this crisis will show us is that life is too short and precious for us simply to get by. We need to do more than get by we need to flourish, we need to provide services that people need and want, we need to perform jobs that fulfil us and make us happy no matter if we choose to stay at home or go to work. We have to be the best at what we do so we have to love what we do.

For some, our priorities will change, maybe being at home with our children and teaching them is now most important. Others might not want to be stuck in traffic on the way to work and will want a job that can be done from home. Others might even want to scale down and live with less but live more. Whatever you choose make sure you do it for you as only then will it help yourself and secondly others. We will need the best humans possible going forward. The healthiest and happiest will be the most productive and most creative assets to their communities, companies and countries. Sounds like a big responsibility, not really if you simply truthful to yourself, live within your means and dream beyond the normal.

So where are the opportunities?

Food – If you have a restaurant, rethink it as you will have to offer a delivery option. Make videos of your chef cooking, showing the restaurant hygiene and your product selection. Interact with clients build online relationships and have influencers growing your reach. People might not want to sit close to each other for a while or might even  not be allowed to. Find your story, your edge and work it to your advantage.

Tourism – holidays might be less often but longer. Business travel will be under pressure as we do more meetings online and travel becomes more difficult. Experience travel will be sought after, beautiful locations offering something special will be highly valued. Friendly countries will attract more tourism and benefit from longer stays. Travel will be the ultimate luxury as people have to think carefully about where they choose to visit. Working while traveling will become an option so hotels have to incorporate this attraction into stays.

Education and online professional services – Many people have now had an experience of online learning and have understood that they can constantly be upgrading via online courses with the benefits of reduced costs and time management while studying and learning skills they enjoy. Phycology, medical doctors, legal services, coaching, fitness workouts and even events move online expanding the client reach they had before. Adapt to this by improving your presence online and building your brand to target this expanding potential market.

Local business – community and high quality products and services will become important to clients wanting to feel good on where and how they spend their money. Small businesses can create value as they offer unique product for demanding clients. Local will be better. Many countries will look inward for new manufacturing, as this will supply jobs and security for future crisis that may arise.

Robots and surveillance – Many mundane jobs will be automated in order to allow companies to compete with China and other lower costs manufacturers. Robots will become a more accepted option as they take over vital jobs needed during crisis periods. Robot tax could become a reality. Surveillance will become more wide spread in the name of security and future prevention. Sports and cultural events will all be subjected to new conditions in terms of entrance and health exposure.

Job market – More value will be given to jobs that kept us going during this crisis. Governments will add benefits to workers involved in primary needs. The better and more qualified people we have in such jobs the better our countries will be prepared for the next pandemic.

All the above will happen as we enter this new post-Corona world. It’s no longer a decision if you embrace it or don’t. Make sure you prepare yourself to go from defensive to the offensive soonest in this new world. Don’t get anxious or depressed about this new world, you will be fine just get involved make the mistakes and learn fast. After all some countries even paid their citizens to stay at home and do nothing ….. the USA sent cheques to households to spend, also made healthcare and transport free. We have the UK, Spain, France and the USA thinking of nationalising industry and changing laws not to allow foreign investors to own more than 10% of companies.

So yes it will be different as masks are now new fashion accessories, we touch feet instead of shaking hands, send virtual hugs as we work online and maybe even check our temperature before we kiss. Let’s make sure however than we stay human, interact, explore, dream and experience as otherwise Coronavirus will take the human out if us ….

Comentários

Sobre o autor

Avatar

Tim Vieira é empresário em Angola desde 2001, país onde possui, juntamente com o seu sócio Nuno Traguedo, um dos mais relevantes grupos de Media – a Special Edition Holding –, que emprega mais de 500 colaboradores e detém algumas... Ler Mais