Os investidores na Alemanha estão mais otimistas em agosto do que estavam no mês anterior, revela uma pesquisa do ZEW, que reflete a esperança de que a maior economia da Europa está a recuperar depois do surgimento da pandemia de coronavírus.

O sentimento dos investidores na Alemanha melhorou mais do que o esperado em agosto, sinalizando que a maior economia da Europa está no caminho da recuperação depois de ter sido fortemente abalada pela pandemia – o PIB alemão caiu 10,1% no segundo trimestre de 2020, o que representou a maior queda desde que há registo.

O indicador Zew, um dos mais importantes do clima económico na Alemanha, subiu para 71,5 pontos, superando a previsão dos economistas consultados pela Reuters. Em julho, o índice havia caído quatro pontos, para 59,3, tendo contrariado as expetativas dos analistas que davam conta de uma melhoria.

“As esperanças de uma recuperação económica rápida continuaram a aumentar, mas a avaliação da situação está a melhorar lentamente”, disse o presidente do Zew, Achim Wambach.

Os especialistas estavam muito mais pessimistas com as condições atuais. O índice que acompanha esse parâmetro caiu para -81,3 pontos em comparação com -80,9 no mês anterior. A expetativa na pesquisa da Reuters era de uma leitura de -68,8 pontos.

Wambach alerta, no entanto, para os resultados dos bancos e das seguradoras, que não dão sinais de calma para os investidores. “De acordo com as avaliações por setores individuais, os especialistas esperam uma recuperação geral, especialmente nos setores domésticos. No entanto, as expetativas de ganhos ainda muito baixas para o setor bancário e segurador em relação aos próximos seis meses são motivo de preocupação”, diz.

A economia alemã encolheu 10,1% no segundo trimestre, a sua taxa de perda mais acentuada já registrada, uma vez que os gastos do consumidor, o investimento empresarial e as exportações colapsaram no auge da pandemia de Covid-19, deixando para trás quase dez anos de crescimento.

O governo de Angela Merkel espera que o pacote de estímulos à economia, de mais de 130 mil milhões de euros, apoie o país na retoma. A expetativa é que a economia alemã contraia 6,3% este ano e cresça 5,2% em 2021.

Comentários