Já presente em cinco mercados, a Enging vai agora reforçar a aceleração do processo de internacionalização.

A start-up portuguesa especialista em manutenção preditiva de ativos industriais fechou uma ronda no valor de 1,1 milhões de euros. O investimento, feito pela EDP Ventures e pela Busy Angels, vai acelerar o processo de internacionalização da equipa fundada em Oliveira do Hospital.

A Enging surgiu no mercado com o objetivo de desenvolver soluções de manutenção preditiva diferenciadoras e que garantissem melhores resultados aos clientes. O algoritmo do projeto português permite prever e identificar avarias em equipamentos industriais em tempo real.

Já presente em Portugal, Espanha, Reino Unido, Itália e Brasil, onde trabalha no setor da eletricidade e água, na indústria petroquímica, centrais nucleares e pasta de papel, a Enging quer agora reforçar a sua presença em novas regiões.

Marco Ferreira, CEO e fundador da Enging, refere que “estamos com uma boa posição nos mercados onde estamos a operar. Agora queremos explorar novas opções, já que as nossas soluções podem ser aplicadas a toda a indústria que contenha motores elétricos e transformadores. Este investimento vai permitir-nos acelerar a operação comercial rumo à Alemanha, Suíça, Áustria e Índia” que, segundo o líder da start-up, são “zonas muito fortes na indústria”.

50% do volume de faturação da Enging já vem de mercados internacionais. A expetativa é que, até ao final do ano, este valor aumente para 60% e que, a longo prazo, o mercado nacional só represente 10% do negócio – o que não significa que a start-up vá gradualmente abandonar o país, mas sim que espera crescer fortemente em novos territórios.

A Busy Angel, que segue o percurso do projeto praticamente desde o seu início, reforça assim a sua participação na Enging. Francisco Ferreira Pinto, administrador executivo do grupo de business angels, afirma que “desde o nosso investimento em 2014 que a Enging tem tido um grau de adoção notável por parte dos seus exigentes clientes nacionais e internacionais. Além do voto de confiança que damos à equipa, pretendemos com este nosso reforço de investimento criar as condições para rapidamente colocarmos os produtos da Enging em mais mercados e mais clientes”.

Relembre-se que, no início deste mês, a EDP Ventures revelou que tinha investido 3,5 milhões de euros em seis start-ups. Duas delas – a Enging e a Glartek – são portuguesas.

Comentários

Sobre o autor

Avatar