O ManpowerGroup Employment Outlook Survey relativo ao 3.º trimestre de 2021 indicia que os empregadores portugueses estão otimistas nas suas projeções de contratação.

A previsão do ManpowerGroup Employment Outlook Survey apresenta uma projeção para a criação líquida de emprego de mais 5% para o período de julho a setembro, o que representa uma subida entre de 6% e de 17 %, em relação ao trimestre anterior e ao período homólogo de 2020, respetivamente, altura em que a Covid-19 tinha já impacto na atividade de contratação das empresas.

O estudo do ManpowerGroup apresenta pela primeira vez dados relativos a Portugal, ajustados sazonalmente. Assim quanto ao próximo trimestre (julho a setembro), dos 552 empregadores nacionais entrevistados, 10% preveem um aumento do seu contingente laboral, 2% projetam um decréscimo e 80% não antecipam nenhuma mudança, resultando assim numa projeção, não corrigida de sazonalidade, de 8%.

Quanto a setores de atividade (e foram analisados sete) o de Finanças e Serviços é o que apresenta os planos de contratação mais fortes, com uma projeção para a criação líquida de emprego de mais 15%, e um crescimento de 38%, face ao terceiro trimestre de 2020, bem como de 12% quando comparado com o trimestre anterior. Por sua vez, as intenções de contratação para o setor de Outras atividades de Serviços, preveem uma projeção de mais 9%, uma melhoria de 9% face ao último trimestre.

Esta projeção é o resultado do efeito combinado observado no subsetor Público, onde as perspetivas de contratação continuam a mostrar sinais encorajadores, e se situam em mais de 7%, e do subsetor de Transportes, Logística e Comunicações, onde a projeção é de alguma estabilidade nas contratações, com mais 3%.

Já o setor de Outras atividades de Produção, que reúne os setores Agrícola de Fornecimento de Eletricidade, Gás e Água, reporta uma projeção de mais 8%, o mesmo valor que apresenta também a atividade Industrial. Igualmente positivos estão os empregadores do setor da Construção, que preveem um ritmo de contratação modesto, ao avançarem com uma projeção de mais 6%, 8% mais elevada do que no último trimestre.

Na Restauração e Hotelaria, o Employment Outlook Survey perspetiva uma variação líquida de emprego de mais 4%. No Comércio Grossista e Retalhista perspetiva-se uma projeção para a criação líquida de emprego de mais 2%.

Comentários