Há quanto tempo não atualiza o seu website? Confira algumas dicas que o vão ajudar a atualizar o seu website e a beneficiar de tecnologia digna da era da inteligência artificial.

Durante as últimas duas décadas, a porta principal de um negócio era o website institucional. Era aqui que um potencial cliente se dirigia se quisesse saber informações sobre os produtos, serviços, localização ou encomendar alguma coisa.

Este método resultou durante anos. Contudo, como poderá ter notado pela redução de visitas à sua página principal, isto já não funciona. Como explica Marc Ferrentino, chief strategy officer da Yext – uma plataforma de gestão digital –, numa publicação na TNW, o universo digital mudou. A maior fonte de tráfego e de atração de clientes deixou de ser a página web comum. Em vez disso, é através dos motores de pesquisa, dos assistentes de voz, dos mapas, apps e diretórios que os clientes ficam a conhecer a sua empresa.

É através destes que os potenciais clientes encontram a informação que procuram sobre o seu negócio e, regra geral, são reencaminhados para uma página específica do seu website. Isto pode ser potenciado pela nova onda de inteligência artificial utilizada pelos serviços de terceiros – como o Google, Zomato ou o Yelp.

Uma mudança na forma como os clientes o conhecem

Escusado será dizer que, com a introdução de novas funcionalidades potenciadas pela inteligência artificial, a forma como os clientes conhecem os negócios mudou.

Vamos a um exemplo: digamos que o Paulo está no centro de Lisboa e quer encontrar um sítio para almoçar. Uma rápida pesquisa por voz no Google por “restaurantes perto de mim” traduz-se num resultado com os restaurantes mais próximos e as respetivas classificações e localizações. A partir daqui o Paulo pode clicar na página do seu restaurante e decidir ligar para saber se há mesa ou fazer uma encomenda. Ou pode dar-se o caso de o motor de pesquisa já ter dado a informação que ele precisa – o que dispensa a visita ao website.

É assim que os clientes passam ao lado da página inicial e são reencaminhados para uma parte específica do seu site. Uma prova da redução de tráfego que os websites comuns têm vindo a ter é a Wikipedia. Uma das plataformas mais visitadas do mundo teve uma redução de tráfego de perto de 20% entre fevereiro e agosto de 2015. Uma consequência não da falta de interesse dos utilizadores, mas sim da introdução dos featured snippets da Google, que passam a informação procurada diretamente nos resultados de pesquisa. Os utilizadores continuam a interagir com a Wikipedia, mas não através da sua página inicial – os números indicam que, em seis meses, a Google “roubou” 550 milhões de cliques à Wikipedia com esta nova funcionalidade.

Está na altura de mudar o seu website tradicional - featured snippets

Exemplo de featured snippets de uma página da Wikipedia.

O mesmo acontece com os websites dos negócios. As pessoas não deixaram de interagir com os websites tradicionais, só estão a pesquisar por ele através de motores de pesquisa. Para o apoiar nesta nova forma de atrair clientes, Ferrantino deixou algumas dicas:

Invista nas landing pages do seu website

As landing pages estruturadas explicam aos motores de pesquisa os detalhes do seu negócio. O conteúdo destas páginas deve conter toda a informação sobre a operação que possa ser interessante para um cliente – seja uma localização, um menu, um evento, etc.

Importante referir que estes detalhes têm de ser inseridos utilizando o Schema Markup (veja aqui como – link em inglês). De uma forma resumida, ao utilizar este sistema, está a permitir que os motores de pesquisa consigam entender o conteúdo do seu website. Isto não só se traduz em maior exposição aos potenciais clientes que procuram por serviços ou produtos idênticos ao seu nos motores de pesquisa, como também redirecionam os utilizadores para a página do seu website que contém a informação pesquisada.

Utilize os websites de terceiros para seu proveito

Ferrantino argumenta que qualquer sítio da internet que tenha informação sobre o seu website é uma oportunidade de atrair clientes, mesmo que seja complicado de medir. Para tornar isto possível, tem de ter a certeza que os gestores destas plataformas externas têm os dados certos sobre o seu negócio. Para além da informação básica, como nome, morada e número de telemóvel, pense naquilo que os clientes querem saber. Tem um restaurante vegan? Talvez queira acrescentar os menus, o horário e se é pet-friendly ou não. Desta forma, se o Paulo pesquisar por “restaurantes vegan perto de mim” vai mais rapidamente encontrar o seu.

Faça uma avaliação às mais-valias que pode trazer para os clientes, mantenha a informação atualizada e tente que estes websites de terceiros reencaminhem os visitantes para a sua página.

Não se desleixe com a informação básica

Apesar da sua homepage já não ser a principal porta de entrada dos clientes, não significa que se deva desleixar. O website continua a ser uma fonte de credibilidade da sua marca.

Adaptar-se a esta nova realidade apresenta uma oportunidade para rever a estratégia de atração e aquisição de clientes. A verdade é que esta não será uma mudança permanente e provavelmente não vai durar muito tempo.

A entrada recente de tecnologias como a inteligência artificial está a abrir portas para uma nova realidade, o que significa que vai ter de estar constantemente a atualizar o seu website com as novas tendências do mercado. Por outro lado, a boa notícia é que este pode ser o primeiro passo do seu negócio para se adaptar a esta nova realidade.

Comentários