Se está a pensar lançar um negócio no Brasil, saiba quais são as cidades mais favoráveis para o fazer, segundo um índice desenvolvido pela Endeavor, organização global sem fins lucrativos de fomento ao empreendedorismo.

Começar um negócio no Brasil não é uma tarefa fácil. Seja pela burocracia na abertura ou pela falta de estabilidade no mercado, o ambiente de negócios brasileiro impõe muitas barreiras para quem está cheio de ideias.

Tratando-se de um país que está entre os 15 piores do mundo em facilidade para abrir novas empresas, segundo o estudo Doing Business do Banco Mundial, é natural que o empreendedor se sinta desanimado.

Mas, apesar das inúmeras dificuldades que atrasam o empreendedorismo no Brasil, algumas cidades são muito mais acolhedoras para novos negócios do que outras. De acordo com o último Índice de Cidades Empreendedoras (ICE) da Endeavor Brasil, São Paulo é a melhor cidade para empreender, posição que conquistou também nos dois anos anteriores. Por outro lado, de todas as cidades analisadas, Maceió representa o ambiente mais difícil para lançar uma empresa.

A partir de uma pontuação que vai de 0 a 10, o índice desenvolvido pela Endeavor leva em conta requisitos como ambiente regulatório, infraestrutura, mercado, acesso a capital, inovação, capital humano e cultura empreendedora. Conheça as 7 melhores cidades no Brasil para empreender, segundo o ranking.

1. São Paulo – pontuação 8,49
Segundo o ICE, São Paulo é, de longe, a cidade com maior acesso a capital para investir em negócios: neste requisto, a cidade de São Paulo conquistou a pontuação 9,83 – enquanto o segundo lugar da lista, Porto Alegre, ficou 1,95 ponto atrás. Mas não é inesperado que a capital paulista consiga atrair tantos recursos, já que é a maior economia do Brasil, com mais de 12 milhões de habitantes. No requisito Ambiente Regulatório, a cidade ainda falha, aparecendo na distante 25ª posição. A fim de evoluir nesse ponto, a Secretaria Municipal de Inovação e Tecnologia está a mobilizar esforços para tornar o ambiente menos burocrático para empreendedores. Através do projeto Empreenda Fácil, em vigor desde 2017, a entidade quer facilitar o processo de abertura, licenciamento, alteração e encerramento de empresas na cidade a partir de sistemas eletrónicos simplificados.

2. Florianópolis – pontuação 8,17
Considerada a segunda melhor cidade do Brasil para empreender, Florianópolis também está entre o top 5 quando o assunto é Capital Humano (1º), Acesso a Capital (3º), Inovação (3º) e Cultura Empreendedora (4º). Com um ambiente propício para novos negócios, a cidade está a tornar-se numa verdadeira incubadora de novas ideias: de acordo com a Associação Brasileira de Startups (ABStartups), a cidade concentra o maior número de start-ups do Brasil –  quando analisado em relação à população.

3. Vitória – pontuação 7,30
Assim como Florianópolis, Vitória destaca-se pela pontuação mais alta no requisito Capital Humano (8,21), conquistando a 3ª posição do ranking da Endeavor. Em relação à mão de obra básica e qualificada, Vitória é a segunda melhor cidade do Brasil para empreender. Além disso, a facilidade em abrir um negócio contribuiu para o seu lugar no ranking – passando do quinto lugar, em 2016, para o terceiro, em 2017.

Com projetos como o Alvará Mais Fácil, o empreendedor leva cerca de 53 dias para abrir um negócio em Vitória, enquanto a média no Brasil é de 80 dias.

4. Curitiba – pontuação 7,11
Apesar de Curitiba apresentar uma pontuação baixa em Cultura Empreendedora (3,74), a cidade conseguiu manter-se no top 10 de cidades empreendedoras nas questões Capital Humano (3ª), Acesso a Capital (7º), Inovação (9º), Infraestrutura (9ª) e Ambiente Regulatório (10ª). Em apenas um ano, o município subiu 11 posições no ICE, sendo a desburocratização de serviços por parte da prefeitura um dos principais motivos para a sua posição.

Atualmente, o empreendedor leva só quatro dias para consultar se um imóvel é adequado para um negócio através da emissão da Consulta Prévia de Viabilidade. Antes, a prefeitura estimava um tempo de 40 dias de espera para aceder ao serviço.

5. Joinville – pontuação 7,01
Apesar de ter ficado na quinta posição no ranking das melhores cidades para empreender, Joinville conquistou o primeiro lugar no ICE com o melhor Ambiente Regulatório. Segundo a pesquisa da Endeavor, a cidade de Santa Catarina destaca-se pela rapidez no andamento de processos e pela menor complexidade tributária quando comparada com outras cidades. Segundo a Associação Empresarial de Joinville (Acij) e a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), diversas lojas e salas comerciais da região central que fecharam com a recessão económica de 2014 estão a reabrir, mobilizando novos negócios imobiliários.

6. Rio de Janeiro – pontuação 6,73
Além de subir oito posições em relação ao ICE de 2016, a cidade do Rio de Janeiro marcou presença no top 5 em questões que favorecem o desenvolvimento de empresas, como Inovação (1º lugar), Infraestrutura (3º), Mercado (4º) e Acesso a Capital (5º). Segundo o estudo, esta subida deve-se aos investimentos realizados em infraestrutura urbana para os Jogos Olímpicos.

7. Campinas – pontuação 6,7
A par de Joinville, Campinas foi a única que conquistou uma posição nas 7 melhores cidades para empreender. De acordo com a pesquisa da Endeavor Brasil, o município de São Paulo apresenta o maior Produto Interno Bruto (PIB) do interior, o que desperta o interesse de empreendedores e os bolsos dos investidores. De todos os requisitos analisados, a melhor posição de Campinas foi em Infraestrutura, com a quarta posição.

 

Comentários