O 5G está na ordem do dia e todos os estudos apontam para um facto ao qual não será possível escapar: não haverá 5G sem fibra. Entre as crescentes conversas sobre o 5G e as oportunidades que a distribuição oferecerá, também é crucial observar que o 5G será tão poderoso quanto as redes de fibra que o servem.

Parte integrante do sucesso da tecnologia 5G é uma extensa rede de fibra ótica, na qual todas as metas de desempenho projetadas do 5G dependerão, em última análise, da força da conetividade da fibra.

A densificação de pequenas células será obrigatória para o 5G para entregar completamente seu potencial. Este processo assenta na massificação da fibra visto ser necessária para alcançar cada célula de 5G, logo uma grande oportunidade para a convergência de ambos os serviços.

Até o momento, a fibra foi implantada extensivamente em todo o mundo desenvolvido, apresentando uma oportunidade para expandir rapidamente redes prontas para o 5G, começando pela infraestrutura de rede atualmente instalada.

Ao alavancar a infraestrutura atual, as operadoras de rede podem escalar rapidamente redes prontas para o 5G, implantando pequenas células. Essa abordagem, em que vários serviços, como banda larga de linha fixa e serviços sem fio, compartilham a mesma infraestrutura de rede física, como fibra ou armário de rua, é conhecida como convergência. Há uma pressão crescente sobre as empresas e as operadoras de rede para oferecer maior eficiência e lucros sem comprometer a qualidade da rede. Utilizando a mesma fibra para diferentes tipos de serviços, as operadoras podem maximizar o uso dos ativos existentes e aproveitar a economia nos custos de instalação e manutenção. As redes convergentes também podem resultar em significativamente menos uso de energia em comparação com as redes padrão, o que será uma boa notícia para as operadoras que enfrentam pressões para reduzir sua pegada de carbono.

Vista como a próxima evolução das redes móveis, o 5G permitirá velocidades idênticas às das redes de fibra nos equipamentos móveis, downloads e uploads rápidos, baixa latência, e permitirá um número massivo de equipamentos conetados à rede simultaneamente.

A chave para a construção de uma rede ultrarrápida, preparada para o 5G, é ter uma elevada densidade de fibra o mais próximo possível do cliente final.

O planeamento antecipado de redes de FTTH considerando o 5G permitirá sinergias e por sua vez um investimento mais eficiente. Isto significa que um desenvolvimento de redes FTTH inteligente, o custo da fibra relacionado com o desenvolvimento do 5G poderá ser virtualmente eliminado. Estes resultados são críticos para todos os intervenientes no investimento de redes de fibra podendo implementar o 5G com um pequeno adicional de investimento extra.

Estudos publicados pelo FTTH Conference destacam que um investimento extra na ordem dos 0,4% a 7,2% permitirão a uma rede full-fiber estar preparada para a interação do 5G.

Os ganhos de poupança para uma rede fibra-5G, devida à convergência rondarão entre os 65% e 96%. Deste modo, e após a análise de vários cenários, o FTTH COUNCIL chegou à conclusão que se a convergência de uma rede FTT-5G for antecipada durante o planeamento de uma rede FTTH, os ganhos de poupança serão significativos.

_________________________________________________________________________________________

João Paulo Guedes é Founder e CEO da Weezie. Tem como desafio transformar a Weezie numa empresa global e numa referência a nível de sistemas de suporte à gestão de redes de fibra ótica com o software Fibercloud cujo desenvolvimento iniciou em 2015. Antes de abraçar este desafio, o gestor esteve à frente de uma empresa de estudos e projetos de redes de fibra ótica como diretor-geral. Anteriormente, ocupou funções de direção em algumas operadoras de telecomunicações após a sua passagem pela Sirti Portugal.
Acumula mais de 20 anos de experiência na área das telecomunicações, em projetos desenvolvidos em diversos países como, por exemplo, Moçambique, Angola, Portugal, França, e Reino Unido. João Paulo Guedes graduou-se em Engenharia Eletrotécnica, pela Universidade de Trás os Montes e Alto Douro. Em 2003/04, fez uma pós-graduação em Engenharia da Qualidade na FEUP/IEP.

Comentários