2019 chegou ao fim com excelentes notícias e perspetivas junto do ecossistema empreendedor.

O Desenvolve SP, instituição financeira do Governo de São Paulo, lançou um estudo que mapeia oportunidades de negócios e características económicas das 16 regiões administrativas do Estado. Regiões como as de Araçatuba, Bauru, Campinas, Central, Marília, Ribeirão Preto, São José dos Campos, São José do Rio Preto, Sorocaba e a Região Metropolitana de São Paulo possuem indústrias com maior desenvolvimento tecnológico e investimento em inovação. O estudo leva em conta indicadores como a geração de emprego, o número de funcionários e a faturação das empresas locais e índices de desenvolvimento humano da população.

Os donos de micro e pequenas empresas estão confiantes no futuro do país. Somente este ano, foram mais de 670 mil vagas criadas pelas micro e pequenas empresas, o que representou cerca de 90% do total de postos de trabalho com carteira assinada, superando todo o saldo de 2018.

Cinco start-ups brasileiras (Ebanx, Quinto Andar, Loggi, Wildlife e Gympass), viraram unicórnios este ano, chegando ao mítico valor de mercado de US$ 1 bilhão de dólares. O Brasil tornou-se um dos mais vigorosos mercados de empreendedorismo do mundo e embora esteja apenas no começo, já há excessos por todos os lados.

O Brasil também é o segundo país com mais start-ups ambientais no mundo ficando atrás somente da Índia. As cleantechs têm-se espalhado pelo solo brasileiro em setores como gestão de água, resíduos, mobilidade, energia, agricultura e temas ligados a florestas.

Segundo o Instituto Climate Ventures, o país tem pelo menos 552 start-ups voltadas para negócios que ajudam, de algum modo, a combater mudanças climáticas. Cerca de metade desse total fica no Sudeste e 61% dos negócios tem mulheres entre os membros fundadores.

Outra grande e boa surpresa foi a compra da ScribbleLive, start-up norte-americana, pela Rock Content, uma start-up de marketing digital sediada em Florianópolis, no sul do Brasil.

A Rappi que chegou por aqui apenas como uma aplicação de entrega de comida, passou a oferecer em São Paulo, serviço de táxis na app em parceria com a start-up Wappa. Hoje, já oferece trotinetes elétricas, farmácia, pet shop, levantamento de dinheiro, serviço de limpeza, massagem, entre outros.

O Brasil deverá fechar o ano com até 2,5 bilhões de dólares em rondas de investimentos, quase o dobro de 2018 e mais de 60% do capital de risco da América Latina, segundo cálculos da fintech Distrito, com base em dados da Lavca, associação latino-americana de venture capital.

2020 promete!

Comentários

Sobre o autor

Avatar

Daniella Meirelles é fundadora da DBRAND, consultora de branding, marketing e inovação; fundadora/CEO do GetYuppy, start-up de media, marketing e eventos; mentora nos programas Startup Rio, Startup Weekend e Founder’s Institute; palestrante; e também atua na organização do II Chapter... Ler Mais