A globalização entrou no léxico social e político quando a expansão económica se apoderou do consumo. Com a indústria e o comércio a catapultarem-se através do desenvolvimento tecnológico, a globalização mostrou a outra face: produção a baixos custos, dicotomias sociais, défices democráticos e de direitos humanos.

No alargamento do acesso à informação, através da internet e das redes sociais, os cidadãos tomaram consciência dos métodos e recursos que empresas e alguns Estados desenvolvem para a produção em massa. Ainda que os consumidores mais conhecedores se tenham tornado mais exigentes, do outro lado da balança persiste uma realidade social que se encontra refém da própria globalização.

Este preço social está e estará longe de ser esbatido. Talvez um dia, quando os consumidores começarem a boicotar as empresas que persistem na exploração de mão de obra infantil ou nas diferenças salariais entre género, se abandonem estas práticas e se implemente, a produção assente na sustentabilidade social.

O desejo do crescimento económico sustentado tem levado muitos países, empresas e estruturas de ensino a apostarem em atividades de valor acrescentado sobre um ambicioso: “saber fazer”.

Se há nove anos a indústria 4.0 veio responder à volatilidade dos mercados e ao avanço da digitalização dos processos de produção, combinando com o uso generalizado da internet, hoje enfrentamos o desafio da inteligência artificial. Num curto espaço de tempo passou-se a intimar para o fomento do valor, para o aperfeiçoamento do desempenho, para o domínio do conhecimento.

Na esquizofrenia dos números, dos resultados, da produção de produtos que muitas vezes nem os consumidores sequer reclamam ou conhecem (mas que as empresas já se encontram a estruturar sobre a dita “globalização”), voltamos a questionar em que ponto se encontram: as identidades culturais, as redes de relações sociais, os sistemas de valores…

Ainda que os bens sejam produzidos, consumidos e trocados; ainda que estejamos ligados a marcas e a comunidades económicas; ainda que muitas das nossas motivações nos tenham sido “incutidas”; ainda que todos estejamos “ligados em rede”, até que ponto não nos encontramos a viver uma pandemia de consumo?

A crescente finitude dos recursos naturais, as contínuas e crescentes divisões nas comunidades, a radicalização das crenças religiosas, o fomento do belicismo e a desumanização das sociedades exigem respostas diferenciadas. Há muito tempo percebemos que só através da educação e do desenvolvimento do conhecimento podemos voltar a equilibrar a balança social e humana.

Desta forma exige-se o compromisso entre Estados, empresas e escolas. Urge reinventar o “saber fazer” nas carteiras das escolas, incrementar novas metodologias, estabelecer parcerias entre as comunidades educativas e o setor empresarial e social, para fomentar a interligação de conhecimentos e de experiências, potenciando o multiculturalismo, o diálogo e a colaboração.

Reinventar o “saber fazer” comporta igualmente a responsabilização individual de cada aluno, de cada jovem, sobre o futuro que está nas suas mãos. Nesse futuro, e nas mãos de cada um já habita a irresponsável permissão que demos à economia e ao consumismo para se apoderarem da nossa independência, tornando-nos egoístas e individualistas.

Reinventar o “saber fazer” torna-se um desafio comum, de sobrevivência humana, onde cada um se responsabiliza por si e pelo próximo, pelo seu papel na construção de um mundo mais justo, solidário e sustentável.

As escolas, as universidades, as associações e os Estados estarão, decerto, conscientes e preparados para os esforços que este desafio exige. E nós, estamos prontos para o alcançar?

_________________________________________________________________________________

João Caldeira Heitor é licenciado em Português/Inglês pelo Instituto Jean Piaget, tem um doutoramento em Turismo pela Universidade de Lisboa, é mestre em Educação e Administração Escolar pela Universidade de Évora e pós-graduado em Gestão de Bibliotecas Escolares, pelo Instituto Superior de Línguas Aplicadas.

Paralelamente é investigador colaborador do Centro de Investigação, Desenvolvimento e Inovação em Turismo (CiTUR Leiria). Além das diversas publicações efetuadas também é orador em vários congressos nacionais e internacionais.
Ao longo do seu percurso profissional desenvolveu atividades de docência em diversas instituições de ensino superior. Atualmente é o secretário-geral do Instituto Superior de Gestão (ISG)

Comentários