De tempos a tempos, colegas e amigos perguntam-me a opinião ou conselho de investimento sobre a última tendência, produto ou empresa. Normalmente, tento responder com chavões e orientações gerais, em vez de ações específicas a seguir. Um inevitável mau resultado na bolsa será lembrado muito tempo após o bom conselho.

Agora tenho idade suficiente (60 anos!) para ter experimentado muitos ciclos e tendências nos negócios. Um carro DeLorean, um Sony Betamax Recorder, uma consola Atari, um Palm Handheld e gravadores de 8 faixas não são meramente artefatos históricos interessantes, mas os produtos reais proclamados como visionários e disruptivos durante a minha vida. No entanto, todos falharam na sucessão e transformaram-nos por pouco mais do que alguns anos. Porquê? Há muitas razões, mas às vezes está nos fracassos do CEO.

Num mundo de disrupção há poucos como Elon Musk, o brilhante e impulsionador bilionário fundador e CEO da Tesla, da Solar City, da Paypal, da Space-X e de outros empreendimentos. É difícil exagerar a sua influência. Com aparentemente ilimitada energia, paixão e opiniões, Musk tem frequentemente sido bem sucedido através da sua força de vontade para fazer sua visão pessoal vingar.

O seu estilo de liderança tem sido chamado de “brilhante”, “génio” e “transformador”. No início deste ano, a Inc. Magazine proclamou que “Elon Musk’s Management Style prova que vale a pena ser um líder e não meramente um chefe”. Os elogios e notoriedade para Musk estão em toda parte

Mas o mundo pode realmente lidar com um CEO disruptivo como Musk?

Admito que esta não é realmente uma pergunta justa, porque na fase de start-up e de pequena empresa, eu não acredito que o estilo de liderança Musk seja particularmente único. Conheci muitos empresários com semelhante energia, convicção e paixão, mas a diferença é que Musk foi bem-sucedido a fazer crescer várias start-ups em empreendimentos multimilionários. O seu valor líquido pessoal é agora (dependendo do preço atual da Tesla) na escala de 10 a 20 biliões de dólares. Então a verdadeira questão é se o mundo pode lidar com o CEO disruptivo em grandes empresas, publicamente negociados ou não.

Em algum momento da análise de qualquer empresa, independentemente do seu tamanho e sucesso, é-se obrigado a examinar a liderança da empresa. O ponto de partida para isso é muitas vezes o CEO e/ou fundador, e para algumas empresas a capacidade do conselho de administração da empresa e outros responsáveis.

Isto não é meramente um exercício, pois posso assegurar-vos que esta análise da liderança é uma previsão-chave do sucesso na obtenção de investimento, o que é, evidentemente, importante para todos os empreendedores. E na excitação sobre um produto ou um serviço transformador, o tópico do CEO disruptivo tem sido historicamente negligenciado ou ignorado, e é aqui que eu acredito que é necessário um maior escrutínio. A disrupção parece ter alguns limites.

O CEO e co-fundador da Apple, Steve Jobs, era notável, não só pela sua visão brilhante, mas, infelizmente, pelo seu horrível comportamento pessoal com vendedores, funcionários e até mesmo com os membros da família.

Walter Isaacson, autor da sua biografia, completada com a ajuda do próprio Jobs, narra alguns dos misteriosos demónios que pareciam assombrar Jobs durante toda a sua vida. Mas estas fraquezas pessoais, de um modo geral, não atrasaram a trajetória da Apple, nem nunca ameaçaram seriamente a empresa e os seus acionistas.

Job enquanto pessoa pública, especialmente quando realmente importava, tinha capacidade, foco e confiança. Mas também é interessante notar que a capitalização de mercado da Apple mais do que triplicou sob a gestão pensativa, constante e focada de Tim Cook, raramente bombástico e a maioria das vezes uma pessoa amável e generosa. Que lições devemos tirar dessa comparação de liderança?

Se por acaso acreditar que o tempo é propício para disrupção na função de CEO, saiba que há uma barreira a transpor. O modelo dominante da liderança efetiva de um CEO nos últimos 20 anos tem sido delineado por Jim Collins, autor de “Good to Great and Built to Last”, entre muitos outros livros e artigos.

No seu clássico “Level 5 Leadership: The Triumph of Humility and Fierce Resolve”, Collins reconhece o valor essencial da ambição e energia pessoal do CEO, mas distingue CEOs bem-sucedidos a longo prazo que possuem uma ambição mais democrática e alargada. A preocupação legítima além da ambição, opiniões e interesses do CEO estende-se para a empresa, acionistas e comunidade.

É aqui que Musk, na minha opinião, falha, e é por isso que eu não investi nem vou investir na Tesla ou em qualquer outra das empresas de Musk, não importa o quão divertidos e inovadores os produtos possam ser. Musk não é certamente o primeiro CEO a passar longas horas ou mesmo meses numa linha de produção ou a gerir um processo ou um produto desde o início até ao sucesso de mercado. “Logística do inferno” não desculpa o comportamento terrível e as falhas para perder as metas financeiras e de produção uma e outra vez.

Carisma tem limites e Musk parece ter encontrado o seu. Em contraste acentuado, por muitos anos Collins argumentou, muitas vezes com pesquisa convincente, que a ruptura das tradicionais skills de liderança frequentemente não se estendem de forma positiva para o CEO da empresa. Eventos recentes e ações de Musk, bem como um conselho de administração incompetente, sublinham as limitações de Musk como CEO de qualquer empresa de grande porte, e muito menos de várias empresas simultaneamente.

Num artigo de novembro de 2017 na revista Chief Executive Magazine, Collins reiterou o seu conselho das últimas décadas. “O culto do CEO de génio carismático tem muito poucas probabilidades estatísticas de funcionar. E não vejo nada que tenha mudado isso. Em primeiro lugar, o que acontece quando esse líder desaparece? Então, mesmo que tenha um CEO de génio carismático, o que acontece quando eles se vão embora? Walt Disney era um CEO de génio carismático. O Walt morreu. Isso significa que a Disney tem de morrer? Então você tem de ser capaz de ir além de qualquer líder”. O conselho de Collins tem resistido ao teste do tempo.

Comentários

Sobre o autor

Avatar

Randy M. Ataíde é CEO da StealthGearUSA, LLC, uma empresa em crescimento acelerado, com sede em Utah. Antes de assumir a sua liderança, foi CFO e Conselheiro Sénior, durante a qual cresceu 400% ao ano desde a sua fundação em... Ler Mais