“A confiança delegada nos colaboradores em teletrabalho desenvolve emocionalmente capacidades internas de êxito, criatividade e desenvoltura por parte destes”, afirma Paulo Bernardo, CEO da Wingsfeel, em entrevista ao Link To Leaders, defendendo que “as lideranças evoluíram para um campo de liderança consciente”.

Qual foi o melhor conselho que alguma vez recebeu?  “Contratar um coach”, respondeu Eric Schmidt, presidente da Alphabet, empresa do universo Google, da qual era CEO na altura, à Fortune. Em entrevista à revista norte-americana, Eric Schmidt conta que a sugestão foi dada pelo investidor John Doerr. Apesar da resistência inicial, o gestor seguiu o conselho e não se arrependeu.

Após quase três décadas de empenho e dedicação à construtora Teixeira Duarte, Paulo Bernardo decidiu abraçar um novo desafio, um “novo propósito de vida”, como lhe chama. O desenvolvimento pessoal, o autoconhecimento e o desenvolvimento de competências do ser humano foram a sua motivação e inspiração para seguir este novo caminho de criar a Wingsfeel, que tem como missão ajudar, apoiar, motivar e inspirar os clientes “a desbloquear o seu potencial interior e a transformarem-se”, concretizando as suas metas e objetivos.

Ouvimos falar de coaching, hoje em dia em variados contextos e, por vezes, até de uma forma banal, o que pode levar algumas pessoas a terem uma perceção inadequada sobre o que realmente é e quais são os seus benefícios. Os portugueses estão familiarizados com o conceito?
Atualmente o povo português começa a estar mais atento e mais desperto para o conceito e para a palavra coaching. Como a própria palavra diz, um coach é um treinador, que caminha ao lado do seu cliente, despertando-o através de várias ferramentas mentais e emocionais, para alcançar os objetivos a que se propôs. O Ser Humano tendencialmente procrastina em muitas áreas da sua vida, pois sente-se familiarizado com a sua zona de conforto. A questão principal é que nesta zona, não é ativada a criatividade nem o pensamento.

Todos nós somos seres criativos, mas como tudo na vida, a criatividade, sendo uma atividade mental, terá de ser estimulada e treinada. A nossa mente é um músculo como outro qualquer do corpo humano que, para ter resultados, terá de ser treinada e potenciada. O coaching é um processo de passar do Estado Atual (EA) para o Estado Desejado (ED), de uma forma consolidada e permanente. Para tal acontecer é imprescindível sair da zona de conforto e fazer coisas que nunca se fez, para obter resultados diferentes.

Hoje mais do que nunca o papel do líder autoritário e autocrático tem definitivamente os dias contados. É um modelo que não produz os resultados desejados?
Sem dúvida alguma e nos dias de hoje um líder autoritário e autocrítico tendencialmente será absorvido por novos líderes. O termo usado durante muitos anos de “chefe” está a ser gradualmente substituído pelo termo “líder”. Este conceito de “chefe” usado em muitas empresas, onde este praticamente daria ordens aos seus colaboradores, está a criar bastantes conflitos emocionais aos colaboradores das empresas e que se refletem nos resultados da corporação empresarial. Os novos “líderes” são pessoas com um mindset bastante diferente, onde a critica e a autoridade não são os recursos habituais usados para atingir os resultados desejados. Um “líder” é aquele que consegue extrair o melhor dos seus colaboradores, dando primeiro o seu exemplo como Líder.

Um “líder” de excelência é aquele que consegue que os seus colaboradores o sigam como exemplo de sucesso. Para que isto aconteça de uma forma natural e fluida, o líder tem, como ponto principal, o seu autocontrolo perante as adversidades. A gestão emocional é o principal pilar de sucesso de um líder de excelência.

“Os desafios diários são constantes perante uma liderança em teletrabalho, de uma forma geral. Presencialmente a motivação e a produtividade são dois fatores intrínsecos a uma liderança eficaz”.

O teletrabalho veio obrigar os líderes a repensem a sua forma de liderar as equipas e de as manter motivadas. Quais os desafios que os líderes enfrentam hoje em dia?
Os desafios diários são constantes perante uma liderança em teletrabalho, de uma forma geral. Presencialmente a motivação e a produtividade são dois fatores intrínsecos a uma liderança eficaz. Muitos líderes sempre se preocuparam com o controlo em excesso das tarefas atribuídas aos seus colaboradores, de forma a que este se tenha tornado num fator de risco na obtenção dos resultados pretendidos. A delegação de tarefas por parte da liderança permite aos colaboradores executarem as suas tarefas com responsabilidade, sem que a liderança interrompa o bom desenvolvimento do trabalho delegado.

A confiança delegada nos colaboradores em teletrabalho desenvolve emocionalmente capacidades internas de êxito, criatividade e desenvoltura por parte destes. E é este a função principal de um líder: extrair o melhor de cada um dos seus colaboradores, através da confiança.

Momentos diferentes exigem funções de liderança diferentes. Haverá um líder antes e pós-covid?
O Covid-19 trouxe consigo uma mudança mundial em todas as áreas da nossa vida. Também as lideranças tiveram de se adaptar a esta nova realidade de forma a conseguirem manter ou potenciar os seus resultados.  Tanto os colaboradores das organizações empresarias como os seus líderes foram “obrigados” a mudanças internas emocionais, que, por consequência, transportaram-se para o seu exterior.

Os líderes pós-Covid implementaram criativamente as mudanças necessárias de forma a que o crescimento e evolução das empresas continuassem de uma forma sustentável. Desta forma, esta pandemia mundial trouxe consigo a “obrigatoriedade” de mudanças internas e externas por parte das lideranças.  Penso que as lideranças evoluíram para um campo de liderança consciente.

O que podem os empreendedores ganhar com o coaching?
O coaching traz consigo inúmeras vantagens de evolução, crescimento e resultados. Os recursos internos mentais e emocionais são os maiores recursos que qualquer empreendedor pode usar para chegar ao sucesso. As empresas são feitas de pessoas e como tal são estas que levam uma empresa ao sucesso ou ao declínio. Desta forma, a constante evolução, o constante uso destes recursos internos mentais e emocionais no contexto certo, fazem completamente a diferença.

A questão principal é que estes mesmos recursos não são usados diariamente, pelo facto de entrarmos em piloto automático, sem a perceção de quem realmente somos e das potencialidades internas que dispomos e que não usamos. O estado de consciência é um pilar de observação, que permite trabalhar com a criatividade, gestão emocional de forma constante e potenciadora. Para tal é necessário parar, observar e avançar.  O ritmo alucinante que se desenvolve diariamente numa empresa não permite que se consiga utilizar todos os recursos internos à nossa disposição, para alcançar o sucesso.

A formatação que existe nas empresas atualmente é de executar rápido e bem. Não existe. Não passa apenas de um conceito ou de uma programação vinculativa. A prova viva disso mesmo são os homens e mulheres de sucesso mundiais, que conseguiram chegar ao sucesso de uma forma calma, relaxada e tranquila. Desta forma, conseguiram usar todos os seus recursos internos disponíveis para o sucesso.

“Esta fase que vivemos atualmente, em que fomos obrigados a passar de um contexto presencial para um contexto de teletrabalho, obrigou-nos a trabalhar a nossa criatividade de forma a conseguirmos manter e aumentar os nossos resultados profissionais”.

Como é que é possível fazer cada vez mais com cada vez menos recursos disponíveis?
Quando inventaram o primeiro telemóvel ou o primeiro computador portátil os recursos eram menos disponíveis ou mais escassos. Mas mesmo desta forma estes foram lançados nos mercados mundiais e tiveram o sucesso que todos nós conhecemos. O fator potenciador que alavancou e que sempre alavancará o sucesso em qualquer área será sempre a criatividade. Esta é o principal motivo pelo qual existe a evolução no mundo. Atualmente pela corrida em que vivemos diariamente não paramos para pensar. A criatividade para emergir é necessário parar e pensar.

Penso que a criatividade deveria fazer parte do percurso escolar obrigatório, pois esta apenas emerge quando usada com frequência. Esta fase que vivemos atualmente, em que fomos obrigados a passar de um contexto presencial para um contexto de teletrabalho, obrigou-nos a trabalhar a nossa criatividade de forma a conseguirmos manter e aumentar os nossos resultados profissionais. De acordo com uma pesquisa mundial, sobre a criatividade, chegou-se à conclusão de que 95% da população mundial não pensa, 3% pensam que pensam e apenas 2% da população efetivamente pensam e trabalham a criatividade.

Quem procura a Wingsfeel?
A Wingsfeel- Coaching & PNL é procurada essencialmente por particulares, empresas e líderes. Somos confrontados diariamente por desafios profissionais e pessoais, onde deparamo-nos com bloqueios emocionais, crenças limitadoras, procrastinação, gestão de tempo, comunicação assertiva, autoestima e autoconfiança, que nos impossibilitam de progredir e avançar rumo aos nossos objetivos.

Mesmo em contextos profissionais de formação ou mesmo liderança, os fatores de mudança estão intimamente ligados a questões pessoais internas profundas que necessitam de ser trabalhadas para alavancar os resultados desejados. Também é procurada para contextos de comunicação, pois em corporações empresarias este é um fator determinante do Sucesso das pessoas e das próprias empresas.

Desta forma o trabalho de desenvolvimento pessoal e autoconhecimento, realizado pela Wingsfeel – Coaching & PNL, é procurado por líderes de empresas, organizações de formação, consultoria de empresas e particulares.

Quanto tempo pode durar um programa de Leadership coaching?
Um programa de Leadership Coaching dependerá sempre do objetivo final da empresa e do seu Líder. Este programa é um programa de acompanhamento continuo que poderá durar seis meses como 1 ano, dependendo do objetivo e da evolução deste. É feito um acompanhamento direto com a Liderança, implementando novas ações e novos recursos de forma a atingir-se os novos resultados pretendidos.

As sessões de coaching também mudaram com o Covid-19?
Acompanhando a mudança a uma escala mundial, o coaching não fugiu à regra e teve que também adaptar-se à nova realidade.  As sessões de coaching presenciais tiveram também de modificar-se e iniciou-se um percurso diferente de sessões em formato online. Obviamente o contato humano é único e o coaching sentiu muito essa diferença, pois em contexto pessoal existem fatores tais como a energia presente na sessão, as micro expressões, a fisiologia do cliente, como outras, que transmitem bastante informação a que dirige uma sessão de coaching.

Desta forma, tentamos minimizar o impacto com a falta destes elementos presenciais, mas em contexto online os resultados mantêm-se bastantes positivos e alavancadores dos clientes. A adaptação foi realizada com bastante sucesso, de acordo com os resultados obtidos até á presente data.

“Todo o líder tem uma autoimagem interna e uma autoimagem que projeta para o exterior. Neste caso trabalha-se a autoimagem pretendida e une-se em uníssono a autoimagem interior com a exterior”.

Quais as competências de liderança que o coaching dos dias de hoje ajuda a desenvolver?
O coaching trabalhado e direcionado para competências de liderança desenvolve inúmeras competências. Falando um pouco da comunicação, esta sendo um dos principais fatores de sucesso nas empresas, é sem margem para dúvida a competência mais preponderante a trabalhar e desenvolver numa liderança consciente. A forma como comunicamos é a forma como chegamos ao sucesso.

Podemos também salientar uma outra competência tal como a autoimagem. Esta reflete-se em contextos profissionais de uma forma muito relevante, pelo fato da forma como um líder se vê a si próprio é a forma como os colaboradores o vêm também. Todo o líder tem uma autoimagem interna e uma autoimagem que projeta para o exterior. Neste caso trabalha-se a autoimagem pretendida e une-se em uníssono a autoimagem interior com a exterior.

Saliento também de grande importância a gestão emocional perante os desafios permanentes e diários que um líder encara. Esta é responsável pelo encontro de soluções rápidas, criativas e assertivas. Conseguindo gerir eficazmente as emoções, a criatividade emerge mais rapidamente e mais facilmente.

Instalação de objetivos consolidados e realização de ações diárias alinhadas com estes, permite desenvolver e concretizar objetivos de uma forma rápida e eficaz. Posições percetivas é também uma competência de salientar e de grande importância na liderança, pois permite perceber e tomar consciência das emoções do outro interveniente na comunicação, de forma a tomar medidas ou decisões mais alinhadas com o bem-estar da empresa. Resume-se a inúmeras competências que todo o líder já possui, mas não tem a consciência plena da sua utilidade.

Como formar equipas à distância?
Formar equipas à distância tem sido um dos maiores desafios das lideranças das organizações empresarias. É necessário inicialmente conhecer bastante bem os elementos individualmente, de forma a que, posteriormente se agrupem. No contexto atual as ferramentas disponíveis são as “comunicações online”, como o Zoom ou outras do género, de forma a conseguir-se encontrar as potencialidades e as dificuldades de cada um.

Após esta análise individual, as equipas poderão ser agrupadas de forma a que cada elemento de cada grupo, completem-se nas dificuldades e potencialidades. Será como um “ajustar” de recursos, onde o objetivo final será que, todos os elementos das equipas, colmatem as lacunas existentes de cada membro. Consegue-se desta forma uma equipa homogénea de potencialidades que se revelarão em resultados.

Que iniciativas tem promovido a Wingsfeel?
A Wingsfeel – Coaching & PNL tem procurado implementar iniciativas que possam diferenciar e potenciar os resultados de uma forma consolidada e estratégica. Desta forma, junto do público em geral, em vertentes pessoais, organizações temos lançado no mercado produtos online de forma a chegar mais perto das necessidades de quem procura processos de Desenvolvimento Pessoal, tanto a nível individual como em grupo.  O Group Coaching é um exemplo de excelência, onde grupos de várias pessoas interagem em conjunto de forma a trabalhar a criatividade individual, que posteriormente é colocada ao serviço do grupo, para encontrar soluções para questões e desafios diários de cada um.

Saliento também as ações de solidariedade social como o alinhamento de equipas de instituições solidárias, de forma a obter-se um grupo homogéneo, conseguindo-se motivar, apoiar e inspirar estas instituições, para enfrentarem os desafios diários com que se confrontam, principalmente nesta época atípica em que vivemos atualmente.

Como encontrar um bom coach de líderes?
Penso que um coach que entregue toda a sua capacidade, a sua dedicação e todo o seu empenho será sempre um excelente Coach. O principal no papel de um coach de excelência é a sua capacidade de entrega ao cliente e ao motivo que o trouxe a procurar o coaching. Um bom coach de líderes terá de ser obrigatoriamente um grande líder de si próprio.

Qualquer coach de sucesso de liderança é autêntico, sem filtros e consegue dar a conhecer a potencialidade de cada um. Consegue-se encontrar um bom coach através do que este escreve, como escreve, como comunica para o exterior e principalmente quando expõe a sua verdadeira essência.

“Hoje dedico-me inteiramente a esta área onde procuro todos os dias, ajudar o Ser Humano a perceber quem realmente. É e as suas reais capacidades”.

Qual foi o melhor conselho que recebeu? De que forma mudou a sua vida?
Andando um pouco atrás no tempo, o melhor conselho que recebi em toda a minha vida foi-me transmitido pela minha própria intuição – não descorando qualquer conselho que tenha recebido durante toda a minha vida por pessoas. Trabalhei dedicado durante quase 30 anos a uma empresa, que foi em tempo um dos maiores grupos económicos de Portugal. Uma empresa que exigia bastante esforço e dedicação. Ao final de 25 anos comecei a sentir interiormente que necessitava de mudança. Uma mudança, mas sem saber para onde nem porquê. Fui sentido essa vontade mês após mês, ano após ano. Uma sensação de sentir que o meu propósito de vida não era aquele.

Após algum tempo, tomei a decisão de abandonar a minha carreira profissional durante quase três décadas e mergulhar no desenvolvimento pessoal e autoconhecimento, onde certifiquei-me internacionalmente no coaching e programação Neurolinguística. Esta decisão mudou por completo a minha Vida em todas as áreas.

Hoje dedico-me inteiramente a esta área onde procuro todos os dias, ajudar o Ser Humano a perceber quem realmente. É e as suas reais capacidades. Quem entra num processo de Desenvolvimento Pessoal, mergulha internamente, conhecendo-se cada dia mais e não é um processo de formação, mas sim de aprendizagem continua e diária, de forma a que passa a ser uma nova forma de viver.

Comentários