A economia global de start-ups gera aproximadamente 3 triliões de dólares (2,5 triliões de euros) em valor. No entanto, a pandemia está a ter reflexos negativos no seu crescimento. O mais recente Relatório Global do Ecossistema de Start-ups, da Startup Genome, afirma que o Covid-19 pode tornar-se num “acontecimento de extinção em massa” para start-ups.

Apesar do seu crescimento, o setor de start-ups já enfrentava uma série de desafios antes da pandemia. Estes desafios estavam relacionados com o valor concentrado em várias cidades, a falta de inclusão e as empresas de ponta como a WeWork ea  Softbank que sofreram uma queda acentuada.

Contudo, nos últimos meses o Covid-19 fez aumentar estes problemas, com a maioria das start-ups a depararem-se com uma menor procura por parte consumidores e das empresas de capital de risco. Já para não falar da falta de receita que originou despedimentos.

Segundo o mais recente relatório Relatório Global do Ecossistema de Start-ups, da Startup Genome,  o financiamento de VC diminuiu 20% em todo o mundo no primeiro trimestre de 2020 –  só na China reduziu 50%. O relatório mostra ainda que 72% da start-ups no mundo registaram uma quebra nas receitas desde o início da crise  –  o declínio foi em média de 32%. Além disso, 40% das start-ups registaram uma queda de 40% na receita ou mais, e apenas 12% relataram crescimento.

Ainda de acordo com o relatório, o setor de viagens e turismo está a ser o mais afetado, com uma quebra de 70% na receita, seguido do setor automóvel, que regista um declínio de 43% na procura.

A indústria de tecnologia teve também um impacto financeiro notável. No entanto, com a maioria da população global a voltar-se para dispositivos de tecnologia de comunicação e entretenimento durante o confinamento, o setor de tecnologia conseguiu enfrentar a situação melhor do que a maioria.

Os setores de Blockchain / Crypto (-14%) e Cybersecurity (-17%) foram os menos afetados, juntamente com os setores de Gaming (-19%) e Social Media (-22%).

Comentários