Um marketeer que é medalhado olímpico e um informático que é amante da vela, Hugo Rocha e Pedro Pinto, ambos algarvios, fizeram nascer a Fibersail que, ao sabor do vento, atracou em Leiria com os olhos postos no mundo.

A Fibersail nasceu no mar, mais especificamente da prática da vela, com o objetivo de melhorar o desempenho dos barcos à vela de alta competição, através da monitorização em tempo real da forma das velas e dos mastros.

Aos barcos juntou-se a indústria eólica e o transporte marítimo, mercados em que a Fibersail atua nos dias que correm, através de um sistema de medição à base de fibra ótica, a partir de Leiria.

No caso do transporte marítimo, o sistema permite vantagens, como a redução do tempo de paragem do navio e custos de manutenção, traduzindo-se ainda num aumento do tempo de vida útil do barco.

Já na indústria eólica, presta informação sobre o comportamento das pás em ambiente real, permitindo aos construtores criarem estruturas mais eficientes e seguras e aos operadores de turbinas eólicas o conhecimento de anomalias no comportamento da pá, sem que seja necessário esperar por uma inspeção. Com base numa tecnologia de fibra ótica desenvolvida pela NASA, prevê e monitoriza a fadiga de estruturas.

A Fibersail angariou um investimento de 240 mil euros em 2016, que lhe valeu a entrada no Startup Report Portugal. Leia a entrevista a Pedro Pinto (na foto, o primeiro à esquerda), CEO da Fibersail.

O que alcançaram antes do vosso último levantamento de capital que foi realmente determinante na angariação deste valor?
A prova de conceito.

Qual deverá ser a forma de pensar de um empreendedor quando o objetivo é criar uma empresa com fundo de investimento?
Deve pensar em inovação, escalabilidade e em passar rapidamente para o plano de mercado.

Que grande erro pode um empreendedor cometer durante o processo de angariação de investimento?
Não transmitir confiança aos investidores e começar o processo de captação de investimento demasiado tarde.

Uma dica para os empreendedores que lhe perguntam: “Não conheço nenhuns investidores. Como consigo ter contacto com eles?”
Procurar bases de dados de investidores que atuem no seu setor e conversar com fundadores que passaram pelo mesmo processo.

Um segredo para o sucesso para uma start-up portuguesa conseguir investimento?
Mostre aos investidores que consegue alcançar os seus objetivos.

Quais as diferenças que um principiante deverá perceber quanto ao investimento proveniente de business angels, venture capitals ou de investidores estratégicos?
Saber qual o seu estádio de financiamento, quanto precisa de angariar e o que pretende dos seus investidores.

O procurava a Fibersail de um investidor?
O potencial que este poderia trazer para o nosso negócio.

De que forma evoluiu o cenário das start-ups em Portugal em 2016?
No número crescente de start-ups, aceleradoras, incubadoras, concursos para start-ups e capital de financiamento, com a consciência da importância das start-ups para a economia portuguesa.

Que mudança no mundo gostaria de ver acontecer, relativamente ao cenário das start-ups portuguesas em 2017?
Gostaria de ver mais grandes empresas a serem as primeiras a adotarem a inovação das start-ups.

Enquanto empreendedor, qual o conselho que lhe deram e que se revelou de maior utilidade até hoje?
Perceber o que o mercado quer e precisa.

 

Nota: Entrevista concedida pelo Startup Report Portugal

Comentários