A relação entre a empresa transmontana Enline e o investidor EIT InnoEnergy começou em 2018. Quase três anos depois, Miguel Carreiro, Investment Manager da EIT InnoEnergy, e Manuel Lemos, cofundador e CMO da Enline, fazem o balanço da parceria e analisam os mercados em que estão inseridos em mais uma conversa Spe Futuri, Investidores.

De um lado uma empresa europeia, mas presente em Portugal desde 2014, dedicada à inovação e empreendedorismo em energia sustentável e que investe em start-ups. Do outro uma, empresa portuguesa com sede em Mirandela, Trás-os-Montes, mas de dimensão internacional, que aposta no desenvolvimento de software e inteligência artificial (IA) para ativos de energia.

São ambos projetos com ambições bem definidas e que apostam na internacionalização dos projetos e na promoção de relações entre os diferentes players do ecossistema.

Os seus representantes Miguel Carreiro Investment Manager da EIT InnoEnergy, e Manuel Lemos, cofundador e CMO da Enline, são os protagonistas de mais uma conversa Spe Futuri, Investidores.

Leia alguns headlines

Miguel Carreiro, Investment Manager da EIT InnoEnergy

“Não somos apenas um investidor financeiro, mas focamo-nos muito em fornecer serviços que acrescentam valor à start-up, como o acesso à nossa rede de parceiros industriais (…)”.

“A sede da empresa é na Holanda, mas temos escritórios em vários sítios (…). Temos um líder temático que está em Espanha, e que coordena as atividades relacionadas com área temática de energias renováveis (…) e quais são as prioridades de investimento para essa área”.

“(…) Nós cá estamos a gerir essa área de renováveis, mas aceitamos start-ups de outras áreas como é o caso da Enline que é uma start-up de redes elétricas (…)”.

“Descobrimos a Enline quando ainda estava numa fase muito inicial (…), mas tinha bastante potencial. Esta ideia de ter um digital twin e fazer tudo sem sensores foi uma ideia genial (…) e acabamos por seguir para a frente com o processo e por investir na empresa”.

“Uma das outras áreas de negócio da nossa empresa é uma área de educação em que também temos programas de mestrado com algumas faculdades de referência de engenharia na Europa. Uma delas é o Técnico”.

“Para nós essa é uma área crucial, a parte de criar os empreendedores do futuro, criar líderes do futuro da área de energia”.

“Nós temos estado a tentar promover relações entre o ecossistema também, não só a nível nacional com outras [start-ups], mas também entre as portuguesas e internacionais que são complementares, mas que acrescentam valor”.

Manuel Lemos, cofundador e CMO da Enline

“A sede é em Portugal, especificamente em Mirandela, e queremos que o polo continue a crescer e acreditamos no potencial não só de Portugal, mas de Trás-os-Montes, e tentar fazer desta cidade tão pequenina um hub tecnológico que possa crescer e que possa diferenciar-se (…)”.

“A saudade foi a principal motivação porque decidimos que a sede deveria ser Mirandela e não Lisboa ou Porto ou Aveiro que é onde se concentram as empresas tecnológicas e start-ups”.

“Temos oito vagas em aberto (…) recebemos quase 400 currículos numa semana e estamos muito otimistas de que vamos encontrar os profissionais para estas vagas (…)”.

“Estamos a transferir alguns dos nossos profissionais para Mirandela, desde o Brasil. E estamos em conversações com a Câmara Municipal para encontrar soluções de alojamento (…)”.

“Temos clientes desde Austrália, estamos a iniciar na Índia, no Cazaquistão, temos clientes já na Alemanha, Áustria, Espanha, em África estamos a iniciar em Moçambique e a tentar na Serra Leoa, Nigéria, Quénia e Angola”.

“Os Estados Unidos e o Canadá são dois mercados extremamente interessantes para start-ups. Fica a minha recomendação para outras start-ups. Uma start-up que tenha um produto inovador deve ir realmente para a América do Norte (…). A abertura e a quantidade de programas de incentivo que eles têm para a ajudar as start-ups a fazerem projetos piloto é incomparavelmente mais sofisticado e avançado do que na Europa”.

“Em Portugal, desde o primeiro dia que tentamos ter projetos com a REN, com a EDP e infelizmente nunca foi possível. Achamos sempre lamentável que uma start-up portuguesa não possa contar com as empresas ou clientes principais em Portugal, quando oferecemos projetos piloto gratuitos”.

Reveja as conversas anteriores:

António Murta, fundador e CEO da Pathena, e Renato Oliveira, fundador e CEO da eBankit.
João Brazão, CEO da Eureekka e business angel, e João Marques da Silva, CEO da CateringAssiste.
Francisco Horta e Costa, managing director da CBRE, e Ricardo Santos, CEO da start-up Heptasense.
João Arantes e Oliveira, fundador e partner da HCapital Partners, e Nuno Matos Sequeira, diretor da Solzaima.
Tim Vieira, CEO da Bravegeneration, e Pedro Lopes, fundador da Infinitebook.
Luís Manuel, diretor executivo da EDP Innovation, e Carlos Lei Santos, CEO e cofundador da HypeLabs.
António Miguel, fundador e CEO da MAZE, e Guilherme Guerra, fundador e CEO da Rnters.
João Amaro, Managing Partner da Inter-Risco, e Carlos Palhares, CEO da Mecwide.
Pedro Lourenço, administrador da Ideias Glaciares, e Pedro Almeida, fundador e CEO da MindProber.
Alexandre Santos, diretor de investimento na Sonae IM e cofundador da Bright Pixel, e João Aroso, cofundador e CEO da Advertio.
Francisco Ferreira Pinto, partner da Bynd Venture Capital, e Eduardo Freire Rodrigues, cofundador e CEO da UpHill.
Basílio Simões, business angel e fundador da Vega Ventures, e Gustavo Silva, cofundador e CMO da Homeit.
Manuel Tarré, presidente da Gelpeixe, e Nuno Melo, cofundador e sócio da Boost IT.
José Serra, fundador e managing partner da Olisipo Way, e Tocha Serra, Partner & Startup Spotter da Corpfolio.
Stephan Morais, fundador e diretor-geral da Indico Capital Partners, e André Jordão, CEO da Barkyn.
Ricardo Perdigão Henriques, CEO da Hovione Capital, e Nuno Prego Ramos, CEO da CellmAbs.
Pedro Ribeiro Santos, sócio da Armilar Venture Partners, e Jaime Jorge, CEO da Codacy.
Miguel Ribeiro Ferreira, investidor e chairman da Fonte Viva, e João Cortinhas, fundador e CEO da Swonkie.
Cíntia Mano, investidora que está ligada à REDangels e à COREangels Atlantic, e Marcelo Bastos, fundador da start-up Sizebay.
Diamantino Costa, cofundador da Ganexa Capital, e Nuno Almeida, CEO da Nourish Care.
David Malta, Venture Partner do fundo de investimento Vesalius Biocapital, e Daniela Seixas CEO da TonicApp.
Sérgio Rodrigues, presidente da Invicta Angels, e Ivo Marinho, cofundador e CEO da StoresAce.
Alexandre Barbosa, Managing Partner da Faber, e Carlos Silva, cofundador da Seedrs.
Inês Sequeira, diretora da Casa do Impacto, e Nuno Brito Jorge, cofundador e CEO da GoParity.
Paulo Santos, managing partner da WiseNext, e Hugo Venâncio, CEO da Reatia.
João Matos, administrador executivo do dstgroup e presidente e CEO da  2bpartner, e Bruno Azevedo, CEO da AddVolt.
Luís Quaresma, partner da Iberis Capital, e Vasco Portugal, cofundador e CEO da Sensei.
Isabel Neves, business angel, e Rita Ribeiro da Silva, cofundadora da Skoach.
Pedro Tinoco Fraga, fundador da F3M e acionista da Braintrust, da BrainInvest e da BrainCapital, e César Martins, fundador e CEO da ChemiTek.
Roberto Branco, CEO da Beta Capital, e Luís Moreira, cofundador da Bullet Solutions.
Carlos Brazãobusiness angel,e Ricardo Mendes, cofundador da Vawlt Technologies.
Inês Lopo de Carvalho, partner da Crest Capital Partners , António Brum, diretor-geral do grupo Penta.
Luís Santos Carvalho, cofundador, partner e CFO da Vallis Capital Partners, e Óscar Salamanca, CEO da Smile-up.
Pedro Cruz, business angel e CEO da Gallo Worldwide, e Rogério Nogueira, CEO da Winegrid.
António Amorim, presidente da Amorim Cork Ventures, e Pedro Abrandes, fundador de As Portuguesas no Spe Futuri.
Martim Avillez Figueiredo, sócio da CoRe Capital, e Fernando Lourenço, CEO da Jayme da Costa.
Hugo Gonçalves Pereira, Managing Partner da Shilling, e Diogo Barata Simões, CEO e cofundador da Elecctro.
António Cacorino, cofundador e CEO da Apex Capital, e Pedro Vasconcelos, CEO da Batch.
Filipe de Botton, empresário, e Nuno Sousa Pereira, fundador da Sixty Degrees.
Jorge Líbano Monteiro, administrador do Fundo Bem Comum, e Miguel Neiva, fundador da ColorADD.
Hugo Augusto, executive board member da Semapa Next, e Ricardo Costa, cofundador e CEO da LOQR.
Pedro Correia da Silva, fundador e Managing Partner da ActiveCap, e Urbano Veiga, fundador e CEO da Zumub.com.

Comentários