Novo projeto visa fomentar a gestão e a iniciativa empreendedora dos jovens brasileiros que procuram Portugal como destino para estudar. Para tal, são disponibilizadas atividades extracurriculares de suporte.

Todos os anos, a procura de estudantes brasileiros por faculdades fora do país cresce de forma acelerada: 37% em 2018, em comparação com 2017. E, entre os países preferidos dos estudantes brasileiros, Portugal destaca-se por não ter as barreiras do idioma e da cultura, e por aceitar as notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para ingresso em universidades. Já são 48 instituições portuguesas que aceitam a nota do Enem.

Tendo em conta esta realidade e com o objetivo de potencializar o conteúdo académico dos alunos que estão em fase de transição entre os dois países e que ficam mais de nove meses (dezembro a setembro) a aguardar o início do ano letivo, o Descomplica – plataforma de educação digital do Brasil -, e o Nguzu Project – iniciativa que atua em Portugal desde 2013 com foco em melhorar a experiência da mobilidade académica no países lusófonos – anunciaram uma parceria que visa ajudar os estudantes brasileiros a formarem-se em Portugal em 2020. Para tal, irão passar a fornecer um pacote de atividades extracurriculares de suporte aos estudantes.

O chamado “Semestre de Integração” será focado nos alunos que têm afinidade com a temática de inovação e que procuram uma formação internacional, visando desenvolver o seu lado empreendedor ou atuar como gestores em empresas globais ou em start-ups que têm a inovação no seu DNA.

“Somente em 2018, mais de 50 mil brasileiros iniciaram uma formação internacional e muitos deles não sabem muito bem como se adaptar ao ritmo e à rotina de uma faculdade longe do seu país. Além disso, existe um tempo de espera enorme – que chega, em média, a nove meses – e é nesse momento em que oferecemos conteúdos de alta relevância para os estudantes. Vamos propor aos alunos que se preparem para a vida académica, aprendendo gestão do tempo, inovação e capacitando-os com princípios básicos de empreendedorismo, juntamente com outras atividades extracurriculares que o Nguzu oferece”, afirma Rafael Cunha, VP de Educação do Descomplica.

“Em 2019, recebemos em Portugal quase 60 mil alunos internacionais e temos como objetivo duplicar este número até 2023. Uma grande parte desses estudantes – mais de 50% – é proveniente de países do Hemisfério Sul, onde o ano letivo acaba em dezembro, principalmente do Brasil e de Angola. E estes alunos têm como objetivo terminar a licenciatura ou mestrado integrado numa Instituição de Ensino Superior (IES) portuguesa. Aproveitando a ausência de uma oferta estruturada pelo ecossistema português para responder a esta demanda, criámos, em conjunto com parceiros locais e internacionais, vários produtos educacionais”, afirma Tiago Cardoso, diretor executivo do Nguzu Project, citado pelo portal brasileiro SEGS.

O responsável adianta que que “numa  de nossas ações, por exemplo, apoiaremos os estudantes a criarem e implementarem negócios de impacto social aqui em Portugal, mas com foco nos Países de Língua Portuguesa”, afirma Tiago Cardoso, diretor executivo do Nguzu Project, citado pelo portal brasileiro SEGD.

O curso preparatório “Empreendedorismo e Negócios Digitais” terá duração de 90 horas e estará disponível a partir deste mês, enquanto as atividades propostas pelo Nguzu englobarão o período de março a junho, que antecede a atividade de estágio/monitoria. Composto por disciplinas do MBA de Empreendedorismo e Negócios Digitais, o curso está disponível 100% online, permitindo que os alunos escolham a melhor forma de o fazer.

Comentários