Bruxelas cria o Venture EU: um novo fundo de 2,1 mil milhões de euros

A Comissão Europeia lançou hoje o Venture EU, um programa que pretende promover o apoio a fundos de capital de risco e potenciar a criação de start-ups unicórnio, uma espécie rara na Europa.

A Comissão Europeia lançou esta terça-feira um programa que vai disponibilizar 410 milhões de euros para ajudar a criar fundos de capital de risco no mercado europeu. As start-ups serão os recetores finais deste dinheiro.

Com estes 410 milhões, este organismo europeu está a apontar para que sejam levantados mais de 2,1 mil milhões de euros, entre investimentos públicos e privados. O resultado disto, segundo a nota publicada no site da Comissão Europeia, passará por ver os projetos europeus receberem uns estimados 6,5 mil milhões de euros em novos investimentos, duplicando, assim, o valor do dinheiro de capital de risco atualmente a circular na Europa.

No comunicado, a Comissão refere que apesar da Europa ser rica em talento, em investigadores de classe mundial e empreendedores competentes, ainda peca no que diz respeito a converter todo este potencial em histórias de sucesso.

O vice-presidente da Comissão Europeia responsável pelo emprego, crescimento, investimento e competitividade, Jyrki Katainen, referiu em comunicado que “com o Venture EU, muitos empresários inovadores da Europa conseguirão em breve obter o investimento de que necessitam para inovarem e terem êxito à escala global”.

Já Carlos Moedas, comissário europeu responsável pela pasta da investigação, ciência e inovação, acredita que “este mecanismo de investimento vai permitir às empresas europeias inovadoras encontrar dentro da UE os financiamentos que eram tradicionalmente obrigadas a encontrar fora da UE”.

Parte do problema prende-se com a falta de financiamento, que tem um papel extremamente importante no desenvolvimento das start-ups. Neste campo, os Estados Unidos continuam bastante à frente da Europa. No país berço da meca da inovação, Silicon Valley, os fundos têm em média 156 milhões de euros disponíveis. Já os europeus contam com uma média de 56 milhões.

Estes números estão ligados à criação de unicórnios (start-ups avaliadas em mais de mil milhões de dólares / ≈815M€). Enquanto que entre 2017 e 2018 o ecossistema europeu só viu nascer quatro unicórnios, do outro lado do Atlântico, nos EUA, eclodiram oito projetos com este estatuto.

Neste sentido, a Comissão Europeia revela que os fundos europeus são pouco eficazes em comparação com os norte-americanos. Dados que comprovam isto são as quantias investidas em start-ups pelos dois polos. Em 2016, os fundos de capital de risco europeus investiram 6,5 mil milhões de euros. Este número equivale a 1/6 dos investimentos dos Estados Unidos, que atingiram os 39,4 mil milhões.

Segundo o referido comunicado da Comissão, “o Venture EU vai ser gerido por seis profissionais e experientes gestoras de fundos sob supervisão da Comissão e do Fundo Europeu de Investimento (FEI), assegurando uma abordagem real ao mercado”.

Estes novos fundos serão geridos conjuntamente por seis gestoras de capital de risco: Isomer Capital, Axon Partner Group, Aberdeen Standard Investments, Lombard Odier e Schroder Adveq.

Comentários

Artigos Relacionados

Luís Ahrens Teixeira, sócio-gerente Herdade da Cortesia Hotel
Belén de Vicente, CEO da Medical Port