Controlar as emoções pode ser um desafio, mas é uma prática importante para os investidores de longo prazo, porque podem transformar-se num forte obstáculo ao sucesso do investimento.

Quanto entram na equação dos investimento/resultados/sucesso, as emoções podem ser uma barreira ao investimento, principalmente no mundo atual onde a informação (verdadeira ou não) voa à velocidade de um tweet e pode provocar mal estar. Os investidores que tenham a capacidade de evitar reações e respostas controversas ou precipitadas face à volatilidade do mercado têm maior probabilidade de alcançar o sucesso nos seus intentos. Esta é a análise feita pelo consultor norte-americano Dan Kern no U.S.News, onde aproveita para deixar algumas dicas aos investidores para que as emoções não causem danos maiores. Saber respirar fundo, perceber que a volatilidade não precisa de ser uma força destrutiva, entender que as pistas para o futuro podem ser encontradas no passado, que o tempo pode ser seu amigo ou inimigo e, principalmente, e que se algo parece bom demais para ser verdade, provavelmente é.

Respire fundo
As contínuas notícias políticas e de negócios, disrupção na tecnologia e turbulência geopolítica criam desafios consideráveis aos investidores. Os mercados reagem muito mais rapidamente às notícias do que nas décadas que antecederam o uso generalizado da Internet. A reação exagerada às notícias pode ser perigosa para o retorno dos investimentos. Os investidores mais bem-sucedidos canalizam as suas emoções para análise da situação antes de tomar decisões de investimento baseadas nas últimas manchetes.

A volatilidade pode não ser destrutiva
A volatilidade, por si só, não é necessariamente prejudicial aos investimentos. A perda permanente de capital, associada a investimentos negativos ou a vendas em momentos inoportunos, é muito mais prejudicial do que os picos de curto prazo na volatilidade do mercado.
Os investidores com carteiras diversificadas que mantêm liquidez suficiente para evitar serem vendedores forçados estão melhor posicionados para enfrentar a “tempestade” quando a volatilidade cresce. Investidores de sucesso, como Warren Buffett, adotam os aspetos positivos da volatilidade do mercado, aproveitam as mudanças periódicas para investir em boas empresas a “preços de saldo”.

Pistas para o futuro podem ser encontradas no passado
O populismo, as tensões comerciais e o aumento da dívida não são novidade. Uma análise da história pode ser útil para avaliar as prováveis consequências de opções de ação. Os impostos sobre a riqueza não são um fenómeno novo e um exame de experiências recentes com o imposto sobre a riqueza na França, por exemplo, pode fornecer informações valiosas. Há também dados históricos consideráveis sobre as implicações de altas taxas marginais de impostos no crescimento económico e os retornos dos investimentos.

O tempo pode ser amigo… ou inimigo
Os investidores profissionais aprendem que o tempo é algo precioso. Muitos não investem o tempo necessário para rever exaustivamente as demonstrações financeiras, as publicações de investigação e outras fontes de informação sobre investimentos. Ao subestimar essa auto formação podem comprometer o seu investimento. Fazer julgamentos rápidos é um dos erros mais frequentes e um dos mais fáceis de evitar. O tempo também costuma ser uma cura para a volatilidade. Os investidores a longo prazo são menos vulneráveis à volatilidade de curto prazo.

Se algo parece bom demais para ser verdade, provavelmente é!
Esta máxima é particularmente verdadeira quando se trata de promessas políticas. Examinar a probabilidade de implementação é uma dimensão analítica necessária, assim como entender as implicações para a dívida pública, taxas de juros e indústrias. As empresas de investimento são entidades com fins lucrativos, por isso é importante entender se existe uma compensação implícita proveniente de saldos de caixa, fundos oferecidos pela empresa patrocinadora ou venda cruzada de produtos. Um comprador informado compreende as compras implícitas e pode tomar uma decisão informada sobre se essas trocas são desejáveis. A monitorização do portefólio é um aspeto importante, mas muitas vezes negligenciado, do processo de investimento.

O mercado de ações é um sistema adaptativo que muda constantemente em resposta a novas informações. Muitos investidores identificam com sucesso as ações vencedoras, mas não possuem a disciplina de venda necessária para identificar a altura certa para vender o seu ativo. Um dos maiores desafios do investimento consiste em distinguir entre as notícias que abalam o mercado, e mudam a perspetiva, e o ruído que não muda a perspetiva. Fazer o trabalho necessário para distinguir notícias de ruído é um trabalho que vale o esforço.

Comentários