Uma plataforma de blockchain, um chatbot para combater o ciberbullying e uma solução de inteligência artificial para facilitar a lista de receitas. Conheça os vencedores da terceira edição do Pixels Camp.

Decorreu durante semana passada, entre os dias 21 e 23 de março, mais um Pixels Camp, um dos principais eventos do panorama nacional dedicados à tecnologia e criatividade. A terceira edição teve um especial interesse por parte de projetos sociais, que foram apresentados pelas equipas participantes na maratona de programação. Neste campo, o “Kind”, um chatbot para combater o ciberbullying, recebeu 2 mil euros e horas de mentoria junto de empreendedores experientes.

Mas não só. Mais de 50 equipas subiram ao palco para apresentarem – em apenas 90 segundos – as suas ideias. A par do impacto social, foram também apresentadas soluções na área da impressão 3D, ecommerce, Internet of Things (IoT), retalho autónomo, pagamentos em criptomoedas, gaming e turismo.

O “Salazar” foi o projeto mais votado no Pixels Camp. Esta equipa criou uma plataforma que é capaz de ouvir uma receita, a partir de um vídeo ou de um programa de televisão, e criar automaticamente a lista de compras e a contagem das calorias. A solução valeu 8 mil euros em prémios.

No total, foram mais de 1600 programadores, designers, criativos e fãs de tecnologia, de 12 países, entre os quais alunos de seis universidades portuguesas, que encheram o Pavilhão Carlos Lopes, em Lisboa, durante três dias.

Para além da habitual maratona de programação e das mais de uma centena de palestras e workshops, a terceira edição do Pixels Camp contou com uma programação especial dedicada ao empreendedorismo: o Insert Coin Live. Aqui, foi revelado que o grande vencedor do concurso da Bright Pixel – que recebeu 30 mil euros em valor monetário e em serviços de apoio ao desenvolvimento do negócio. A escolha recaiu sobre a Blockbird.data, uma plataforma de auditorias e tratamento de dados baseada em blockchain.

“A 3.ª edição do Pixels Camp foi um sucesso, tendo superado as nossas expetativas. Mais de 1.600 pessoas passaram pelo evento, das quais nem todas participaram no hackathon, o que revela que o Pixels Camp é muito mais do que isso. É um encontro da comunidade que celebra a tecnologia, o talento e a criatividade, e reúne empresas muito relevantes do setor que acreditam na inovação e no poder da partilha de conhecimento e da experimentação”, afirma Celso Martinho, CEO e fundador da Bright Pixel.

Saliente-se, ainda, que esta edição ficou marcada pelo lançamento da Taikai, uma plataforma blockchain utilizada durante todo o evento para a submissão e votação de projetos. A start-up recebeu investimento da Bright Pixel depois de, na edição passada, se ter distinguido no programa de apoio ao desenvolvimento de projetos em fase de ideação para apoiar a criação de protótipos.

Comentários

Sobre o autor

Avatar