Um hotel não tem de ser apenas um lugar para dormir, também pode ser o refúgio perfeito para quebrar a rotina, fugir do seu quotidiano e repor energias. Descubra 10 lugares espalhados pelo mundo para escapar do seu dia a dia e relaxar nestas férias.

Está a precisar de passar uns dias longe da azáfama da rotina, sem preocupações e pressa? Um pouco por todo o mundo existem hotéis intimistas, um pouco fora das rotas tradicionais – mas sem acessos complicados -, conectados à natureza e realmente descontraídos. São lugares com muitas coisas, mas onde o melhor é mesmo não fazer nada.

Conheça alguns desses lugares, que foram selecionados por Ann Abel, escritora e editora de viagens há mais de 15 anos, e programe as suas próximas férias.

1. Monteverdi, Toscana
“Uma fuga do habitual” é o slogan deste remoto esconderijo na Toscana, conhecido pelas suas vistas panorâmicas do Val d’Orcia, Património Mundial da UNESCO. O hotel, que tem apenas seis anos, não fica confinado no interior de um edifício, mas sim disperso por uma vila medieval idílica. Conta com 18 quartos. O spa, que conta com terapeutas especializados, produtos de beleza italianos e várias piscinas termais, é um local de sonho para não fazer nada.

2. Craveiral Farmhouse, Portugal
Se quer acrescentar descanso à sua lista de prioridades, o aconchego da hospitalidade portuguesa é ideal, começa por escrever Ann Abel. “Eu poderia ter escolhido muitos hotéis no país, mas o Craveiral deixou-me uma impressão particularmente forte. A paisagem é acidentada. Os 38 quartos são simples, com madeiras desbotadas, texturas suaves e muita cortiça – embora alguns também tenham colchões Hästens discretamente sofisticados”, explica a escritora. Simplicidade, natureza, silêncio e espaços abertos. Estes são os novos luxos. E no Craveiral eles combinam-se para criar sentimentos de conexão – com a natureza, com os entes queridos, com estranhos que se tornam rapidamente amigos – e pertença.

3. Alavya, Turquia
Entre Izmir e Bodrum, Alacati ainda tem a inocência, o encanto e a incrível beleza de uma vila de pescadores turca. É a gentil cidade de praia que implora para ser fotografada: fachadas de restaurante, mesas de café na calçada, vendedores de mexilhões frescos em carroças, ruas de paralelepípedos, venezianas coloridas. O coração, a alma e a substância desta cidade na península de Cesme toram-se especialmente vivos em Alayva.

4. Chablé, México
“O bem-estar é algo indefinido. Todos queremos, mas não sabemos o que é. É sumo verde e uma refeição vegana? Neste retiro em Yucatán, o bem-estar é o que faz sentir bem”, afirma Abel. Localizado no que sobrou de uma plantação henequen (espécie nativa do sul do México) do século XIX, o hotel presta homenagem à história da região, ao mesmo tempo em que adota uma abordagem própria sobre bem-estar. O coração de Chablé é o seu enorme spa e o coração do spa é uma piscina natural, que é considerada sagrada na tradição maia.

5. Titilaka, Peru
“Eu nunca me senti tão perto do céu como quando estive em Titilaka. Não foi só por conta da elevação – embora as margens do Lago Titicaca estejam certamente lá no alto, a uns 2.500 metros acima do nível do mar. Foi também porque o céu é de um azul perfeito, decorado com nuvens cumulus de bolas de algodão – a luz do final da tarde é luminosa e o imagem refletida no espelho do lago é fascinante”, justifica Abel. Uma vez que o resort à beira do lago é construído numa península, todos os 18 quartos têm vista para o lago, o que dá a sensação de estarmos num navio de cruzeiro. No interior, os detalhes são acolhedores, bonitos e fiéis ao lugar: mantas de alpaca e almofadas bordadas coloridas. Até mesmo a banheira é posicionada de maneira a dar uma visão do lago.

6. Entre Cielos, Argentina
Inegavelmente confortáveis, todos os quartos de palafita satisfazem os olhos com facilidade – um deles tem até um mapa gigante de ouro no lugar da cabeceira. Os quartos possuem terraços e vistas vastas, a maioria na parte externa do hotel. Outros são cobertas por uma espécie de “papel de parede” ao ar livre que são fotografias ampliadas de rolhas de vinho. É um local profundamente relaxante, um casulo confortável e esteticamente calmo para fugir do mundo – especialmente porque recentemente foram adicionados mais oito desses Lofts Vineyard.

7. Nimmo Bay, Canadá
“Nimmo Bay é uma família de sonhadores que preparam o cenário para as histórias selvagens da vida” é o slogan deste hotel. Com o passar dos anos, o local cresceu para nove cabanas – seis voltadas para o oceano e três para o riacho que cria a dramática cachoeira no centro do resort – na base do Monte Stephens, a 1.500 metros, no meio da Great Bear Rainforest, a costa oeste selvagem e acidentada do Canadá. “Não espere ver aos quartos nas páginas do“Dwell. Mas eles são mais do que confortáveis e todos com fácil acesso a banheiras de hidromassagem ao ar livre e a um chuveiro ao lado de uma cachoeira. Entre as atividades propostas, encontramos o sentar em barcos e apreciar a paisagem e a vida selvagem. O que seria mais tranquilo do que isto?”, questiona Abel.

8. Nihi Sumba, Indonésia
Conhecido como “a fronteira do selvagem”, Nihi é o tipo de lugar onde ninguém usa sapatos. É ótimo para os amantes do surf, apresenta uma excelente programação equestre, um magnífico deque de ioga, vários restaurantes e um spa que pode ser reservado por um dia inteiro. Há ainda a opção de ficar no deque ou na piscina da sua própria villa, sugere a autora.

9. Kachi Lodge, Bolívia
Apesar da natureza impressionante e de um ambiente que proporciona o bem-estar, até fevereiro não havia outro lugar confortável para ficar além do La Paz. O que mudou com a inauguração do Kachi Lodge do outro lado do Uyuni Salt Flats. As seis tendas têm WC privativos, roupas de cama macias e aconchegantes, interiores elegantes e vistas emocionantes, enumera Abel.

10. Kurà, Costa Rica
O Kurà é um lugar que está intimamente ligado à natureza e ao mar, e é absolutamente sedutor. As seis suites e vilas independentes ficam no topo de um penhasco a cerca de 300 metros acima da “cauda da baleia” da praia de Uvita. “É o tipo de lugar que qualquer pessoas realmente quer ir com alguém de quem gosta muito, pois os quartos têm chuveiros de vidro (com dois pontos grandes o bastante para dois), dois ambientes com pouca luz e mobília – isso é mais adequado para relaxar do que para se sentar para trabalhar ou ler. Dado tudo isso, é muito tentador ficar por lá e não fazer absolutamente nada”, sugere Abel.

Monteverdi, Toscana
Comentários