Já estão selecionadas as start-ups que vão disputar o programa de aceleração da Casa do Impacto. O vencedor será divulgado em fevereiro do próximo ano.

Acorde Maior, ImpactOn e Skizo são os três projetos finalistas da primeira edição do programa de aceleração para start-ups de impacto social e ambiental da Casa do Impacto, o RISE for Impact. Os resultados foram divulgados ontem depois do pitch em que participaram 10 projetos, avaliados por Elena Duran, empreendedora e fundadora da 55+, Francisco Miranda, empreendedor e fundador da SpotGames, Inês Sequeira, diretora da Casa do Impacto, Joana Rocha, Investment Manager na Portugal Ventures, e João Borga, diretor da Startup Portugal como jurados.

O projeto Acorde Maior consiste numa escola de música em horário extracurricular com foco no ensino e divulgação da cultura e música urbana e contemporânea, onde se promove a diversidade e inclusão. À frente da iniciativa estão Mariana Duarte Silva, fundadora do Village Underground, e Ana Rocha, advogada e mentora.

O ImpactOn, criado por Meg Pagani, analisa e seleciona projetos de impacto jjá existentes e, em conjunto com os seus fundadores, ajuda a convertê-los em projetos adaptáveis e acessíveis para outros empreendedores implementarem num outro contexto local.

Por sua vez, a Skizo, de Andreia Coutinho e André Facote, transforma plástico recolhido dos oceanos em sapatilhas personalizadas e fabricadas em Portugal.

Iniciado em junho deste ano, o RISE for Impact tem como foco a projetos que promovam inovação na resolução de problemas e necessidades sociais e ambientais (de acordo com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030, da Organização das Nações Unidas), e desenvolveu-se em três fases: 32 projetos e ideias de 89 candidaturas que participaram num bootcamp de três dias. Posteriormente foram selecionados 10 para a fase de capacitação, com dois meses de duração. E, por fim, a incubação que durará até  fevereiro de 2020, com os três finalistas agora revelados. Além da incubação no hub, os projetos recebem mentoria customizada e um prémio de 1.5 mil euros cada.

A apresentação final será efetuada em fevereiro, em sessão pública e presencial, depois da qual serão atribuídos os prémios: 3 mil euros para o primeiro lugar, 2 mil euros para o segundo e mil euros para o terceiro classificado

“Estimulámos uma geração de novas ideias e a sua transformação em soluções mais robustas e financeiramente sustentáveis. Reunimos as condições para que os participantes colocassem os seus projetos à prova, nas várias fases do projeto, e demos mais um passo para impulsionar o pipeline de projetos de impacto em Portugal. Durante os próximos 4 meses, os projetos finalistas vão aperfeiçoar os seus negócios junto de uma comunidade experientes, com vários projetos de sucesso, com o apoio de mentores e consultoria dedicada na Casa do Impacto – Hub onde trabalhamos diariamente para impulsionar o crescimento de projetos de impacto, com níveis de maturidade diferentes”, explicou Inês Sequeira, diretora da Casa do Impacto.

A próxima edição do RISE for Impact deverá acontecer entre 2020/21, e as candidaturas iniciar-se-ão em abril através  site da Casa do Impacto.

Comentários