Sabia que a esmagadora maioria das start-ups criadas decretam falência nos primeiros cinco anos após a criação? A verdade é que hoje são criadas muitas start-ups e poucas delas com potencial de sucesso.

As dificuldades absurdas impostas pelo governo brasileiro aos empreendedores, como altos custos para abertura de empresas, burocracia, impostos exorbitantes, encargos trabalhistas, altas taxa de juros, falta de incentivos governamentais ao empreendedor, além das incertezas político-económicas, décadas de atraso em infraestrutura e logística, fazem com que o jovem empreendedor brasileiro tenha muita dificuldade para criar e manter sua start-up em funcionamento.

Soma-se a isso o fato de que além das dificuldades clássicas do empreendedorismo no Brasil, a maioria das start-ups não tem um projeto vencedor na sua conceção original. Basicamente, estão fadadas ao fracasso pois não possuem um objetivo claro, não têm um produto bom, não sabem vender ou não são capazes de entender ou de responder ao mercado com a qualidade, eficiência e rapidez que ele exige.

Mas o que seria um projeto de start-up de sucesso?

Existem várias possibilidades, mas podemos dizer que um projeto novo, com uma ideia inovadora, um produto bom para venda e com um propósito de valor, tem uma boa chance de prosperar se a equipa envolvida for bem competente na execução do projeto. Mesmo que existam concorrentes no setor, você ainda pode encontrar diferenciais competitivos sustentáveis para navegar no oceano azul.

Se não existir nenhum concorrente direto para a sua start-up, esse é o melhor dos cenários possíveis. Ainda assim, o sucesso do seu projeto não está garantido.

Você pode ter um diamante bruto nas mãos, mas se lapidar a pedra de forma errada o resultado final será catastrófico! Portanto, executar bem o projeto é a palavra-chave!

Além das características supracitadas, deixo o melhor para o final. Sabe qual é a principal variável responsável pelo sucesso de uma start-up?  O timing. Sim, o “tempo perfeito” será a principal determinante para o sucesso da sua start-up. Isso significa que basta a start-up estar com o timing errado que ela irá quebrar mesmo tendo uma ideia original, sem concorrentes no mercado, trabalhando com uma equipa competente, motivada e com dinheiro para investimento. Como assim?

Vamos a um exemplo: já ouviu falar de uma start-up americana chamada Z.com?

É provável que não. AZ.com foi criada em 1999 por um investidor americano chamado Bill Gross. A start-up era uma grande promessa do mercado de entretenimento digital, tinha uma ideia original, um modelo de negócio excelente, uma equipa formada por grandes profissionais, muito dinheiro de investidores, mas no início dos anos 2000 a percentagem da população americana com acesso à Internet de banda larga era muito baixa e era muito difícil fazer downloads e assistir a vídeos na rede mundial de computadores. Graças ao timing errado, a empresa encerrou as atividades em 2003.

Poucos anos depois a internet de alta velocidade popularizou-se e uma star-tup chamada YouTube foi criada em fevereiro de 2005. Pois nesse caso o timing era perfeito para a criação dessa start-up e o resto da história você já conhece.

Vamos ilustrar essa situação citando nosso próprio caso. O CBI of Miami foi lançado em março de 2016, mas e se a start-up tivesse sido criada 10 anos antes? Possivelmente, iríamos falir antes de completar um ano de existência e a explicação é a mesma: timing errado!

Em 2006, a internet brasileira era muito lenta para a transmissão de vídeos e pouco popular no país. O nosso produto são cursos online e, logicamente, dependemos de uma Internet minimamente veloz para que os nossos alunos possam assistir às aulas.

Além disso, os medias sociais como o Facebook eram pouco populares no Brasil, o que impossibilitaria qualquer trabalho de divulgação do nosso produto em escala, como ocorre hoje, e ficaríamos limitados a uma divulgação em canais menos atrativos como é o caso do e-mail marketing.

Além disso, em 2006, comparativamente com os dias atuais, tínhamos um número muito reduzido de brasileiros com acesso a smartphones e Internet, menos familiarizados com as novas tecnologias e menos aptos a comprar pela rede mundial de computadores.

Resumindo, apesar de um produto bom, profissionais qualificados e comprometidos com a start-up, uma tentativa de empreender no timing errado provocaria resultados catastróficos para nós.

Mas e se criássemos o CBI of Miami  em 2026? Bem, é difícil prever o futuro, mas provavelmente em 2026 teríamos tantos concorrentes que dificilmente conseguiríamos nos impor de uma forma tão agressiva, competitiva e eficiente no mercado de ensino online no Brasil.

Concluindo: timing é (quase) tudo! Você pode ter um projeto perfeito, mas se o momento estiver errado, a start-up vai quebrar e você se juntará à estatística que mostra que 90% das start-ups no mundo decretam falência nos primeiros cinco anos da sua fundação.

Comentários