O consórcio chama-se BlockStart é de âmbito europeu e liderado pela venture builder studio nacional. Junta ainda a F6S, plataforma que une a comunidade tecnológica, e a consultora CIVITTA.

A portuguesa Bright Pixel acaba de anunciar a liderança do consórcio europeu BlockStart, um projeto que tem como target as pequenas e médias empresas, e que visa ajudá-las a conhecerem o potencial da tecnologia blockchain e, ao mesmo  tempo, apoiá-las na implementação de soluções inovadoras desenvolvidas por programadores e start-ups.

A Comissão Europeia irá investir um total de 800 mil euros, durante 30 meses, em 60 empreendedores e 60 empresas. A escolha será efetuada através de três calls que irão ser feitas a nível europeu, a primeira das quais deverá realizar-se ainda este ano.

O consórcio pretende também apoiar os empreendedores nesta área a validarem as suas ideias no mercado, e ainda potenciar boas práticas de utilização e implementação desta tecnologia, através de workshops, conferências, ou relatórios, junto da Comissão Europeia e demais intervenientes no ecossistema de inovação europeu, como associações, clusters, incubadoras, entre outros. A iniciativa pretende ainda impactar entidades relevantes dos vários ecossistemas tecnológicos na Europa para promoverem a adoção de blockchain e ajudarem a esclarecer as aplicações desta tecnologia.

“A inovação está no nosso ADN e, por isso, temos acompanhado empreendedores e start-ups que desenvolvem soluções em tecnologias emergentes. A blockchain tem sido uma das áreas de foco porque reconhecemos o seu enorme potencial e acreditamos que há ainda muito caminho a ser definido por programadores talentosos”, explicou em comunicado Celso Martinho, CEO e cofundador da Bright Pixel, e entidade que assume a liderança deste projeto europeu.

Refira-se que  o know-how das entidades envolvidas – a CIVITTA e a F6S – complementa-se para dar apoio nas diferentes fases das candidaturas. Assim, a CIVITTA “mapeará as necessidades de mercado e avaliará quais as soluções que mais se enquadram em cada setor para que cada call tenha objetivos bem definidos”, e a F6S irá disponibilizar a sua plataforma de inovação para fazer o alinhamento entre programadores e empresas.

Equipa Bright Pixel, F6S e CIVITTA

“Esperamos que o BlockStart seja um ponto de viragem na educação das empresas e da sociedade para as novas tecnologias e na adoção da blockchain na Europa”, defendeu Zygimantas Zabieta, consultor sénior da CIVITTA. Por sua vez, Nuno Varandas, cofundador da F6S, frisou que um “um dos principais desafios do consórcio é o de atrair participantes. Acreditamos no impacto positivo que as soluções irão ter nas empresas e nos próprios empreendedores, contudo, há que realizar um trabalho prévio de sensibilização e educação para esta tecnologia”.

Comentários