Já pensou no impacto que as as suas interações têm nas redes sociais? Ou o quão influente é a sua marca no digital? A Skorr ajuda a medir a sua presença em redes como o Facebook ou Instagram. Em entrevista ao Link To Leaders, António Filipe, cofundador da start-up, fala do marketing de influência e revela que vão “lançar dentro de pouco tempo um novo algoritmo para deteção de atividade falsa”.

Se tivermos em consideração que 70% dos consumidores validam nas redes sociais uma intenção de compra (relatório da Nielsen), que 91% dos consumidores, entre os 18 e os 34 anos, confiam tanto nas reviews online como numa recomendação pessoal (estudo da Bright Local) ou que o tempo de visualização de vídeos relacionados com compras aumentou 400% entre 2016 e 2018 (segundo a Google), podemos afirmar que o poder dos influenciadores é cada vez maior. E esta influência não se verifica apenas na geração mais nova. Muitas pessoas de outras gerações também confiam e recorrem cada vez mais às opiniões dos seus influenciadores de referência.

É nesse contexto que surge a aplicação Skorr, desenhada para medir e controlar a presença dos utilizadores e marcas nas suas redes sociais. Através da Skorr, os influenciadores podem classificar, monitorizar e melhorar a sua presença social e as marcas podem fazer escuta social e envolver-se diretamente com os criadores de conteúdo, a fim de lançarem campanhas de marketing segmentadas e orientadas.

Para perceber melhor este universo de influência digital, falámos com António Filipe, cofundador da Skorr.

De que forma a pandemia afetou a atividade da Skorr e como responderam?
Esta situação que vivemos veio reforçar a importância e a necessidade de existir uma plataforma como a Skorr, agregadora e facilitadora da comunicação entre as pessoas – que podem ser simplesmente consumidores ou macro influenciadoras – e as marcas. Antes da pandemia as pessoas já passavam muitas horas no online e tinham a opinião dos outros, principalmente de quem os inspira, confiam ou reconhecem autoridade num tema, como referências. Hoje em dia esta tendência foi intensificada. O processo de decisão e de compra passa cada vez mais pelo digital, o que faz com que o marketing de influência tenha um papel cada vez mais predominante nas estratégias das marcas. A Skorr respondeu com mais investimento e o interesse na plataforma aumentou.

Quem são os influenciadores com que a Skorr trabalha?
Na Skorr qualquer pessoa pode ser influenciadora. Independentemente se tem centenas de milhar de seguidores ou algumas centenas, todos têm o potencial de influenciar, à sua escala. O macro influenciador pode oferecer a uma marca ou produto uma enorme exposição. Do lado oposto, o nano influenciador, alguém que provavelmente terá algumas centenas de seguidores, tem um alcance muito reduzido mas…provavelmente um nível de engagement muito elevado.

Dando um exemplo: tenho um serviço para promover. Imaginemos que este esteja enquadrado num mercado muito competitivo, como o das comunicações. Se eu vir um post de um amigo que reconheço ser alguém que compara sempre bem as ofertas no mercado e faz um post a falar bem de determinado novo serviço, provavelmente esse amigo vai-me influenciar mais do que qualquer outro tipo de ação promocional que eu veja. Esse amigo pode chegar apenas a poucas centenas de pessoas.

Agora considerem que conseguimos identificar 100 pessoas com o mesmo tipo de perfil. De repente podemos conseguir influenciar milhares de pessoas a um custo verdadeiramente competitivo. É este o princípio do Skorr. Todos somos influenciadores e, dependendo dos objetivos da marca, é uma plataforma útil para trabalhar desde o nano influenciador até ao macro influenciador.

“A Skorr analisa o potencial de cada influenciador e o seu poder para gerar resultados. E define um valor que otimiza o custo por mil pessoas potencialmente alcançadas, por rede social, por influenciador”.

De que forma a Skorr facilita a descoberta e a definição do valor de cada influenciador?
Se falamos de macro influenciadores, uma empresa vai pagar não só pelo alcance que vai gerar, mas principalmente pela associação à sua imagem. Isso tem um valor definido pelas regras de procura e oferta do mercado. Mas se falarmos de micro ou mesmo nano influenciadores, na maioria dos casos os próprios influenciadores não têm uma ideia clara de quanto podem realmente valer. A Skorr analisa o potencial de cada influenciador e o seu poder para gerar resultados. E define um valor que otimiza o custo por mil pessoas potencialmente alcançadas, por rede social, por influenciador. É uma recomendação tipo Airbnb. No final é o influenciador que define o seu preço e a empresa que define quanto pretende oferecer, mas passa a existir um valor orientador para ambas as partes.

Esta é uma informação de ouro para as marcas que querem investir, mas não sabem como, quando ou em quem o fazer. Ao terem acesso a esta informação, as marcas conseguem selecionar os influenciadores que melhor se enquadram na sua estratégia e nos seus objetivos, entre os milhares de potenciais influenciadores, com base numa análise real e credível, que vai muito além do engagement, do posicionamento, das interações ou reações. Esta análise permite uma gestão mais assertiva do seu orçamento e uma visão mais abrangente e segmentada do mercado.

E esta é outra das suas mais-valias, ou seja, a possibilidade de se segmentar a informação por tema e por rede através dos filtros. É possível compilar quem é que fala sobre um tema específico, quando fala, com que sentimento, etc. e a partir daí é só identificar as opções e escolher. Com esta informação passa a ser possível escolher os influenciadores mais interessantes para a cada marca, para cada campanha específica. Do lado dos influenciadores, as vantagens são enormes, principalmente para os mais pequenos, os chamados nano ou micro, que passam a estar visíveis e que de outra forma era muito difícil sobressaírem num universo tão vasto.

De que forma a Skorr  facilita a relação entre influenciadores e marcas?
Por ser uma plataforma com um portal e uma APP mobile, a Skorr permite que todo o processo, desde a descoberta, convite, contrato, briefing, chat com o influenciador e pagamento, seja feito de um modo digital. Simples e rápido. Pode pensar no início do dia numa nova ação, convidar influenciadores, enviar o briefing, ter os “smart” contracts assinados e conseguir no mesmo dia os primeiros posts já lançados e analisar os relatórios de performance real time.

Como é feita a medição do nível de influência?
O Skorr de cada utilizador, que pode ir de 10 a 100, mede-se de acordo com a audiência de cada influenciador, o nível médio de engagement, a relevância dos posts e dezenas de outros indicadores.

“Os influenciadores fazem parte da estratégia de praticamente todas as marcas, independentemente do setor. Mas, a pergunta que se impõe às marcas é se estão a trabalhar com os influenciadores certos”.

Como carateriza as relações entre marcas e influenciadores hoje em dia?
Diria que é uma relação de dependência, mas de desconhecimento ao mesmo tempo. Os influenciadores fazem parte da estratégia de praticamente todas as marcas, independentemente do setor. Mas, a pergunta que se impõe às marcas é se estão a trabalhar com os influenciadores certos.

Muitas marcas começaram a trabalhar com micro influenciadores, mas com a mesma abordagem que tinham antes: briefings completos, discussões e revisões criativas, negociações de contratos…Isto limita muito a capacidade de uma marca trabalhar realmente com um maior volume de influenciadores. A Skorr vem trazer um conceito que muda este paradigma: as marcas podem e devem continuar a trabalhar com os agentes e agências para campanhas cuja complexidade e desafio criativo o exijam. Mas podem agora ter também uma abordagem alternativa, mais baseada em performance e com processos muito mais simplificados e céleres.

Deixámos de ser reais para nos tornarmos artificiais?
Na Skorr acreditamos num marketing de influência real e não forçado. Influenciadores que apenas publicam parcerias e sem estratégia têm menos naturalidade e credibilidade do que aqueles que interagem sobre situações do dia a dia com o seu público. Atualmente a procura por influenciadores mais “humanos”, mais “normais”, tem tido um crescimento significativo e isso comprova-nos que somos influenciados, mas não deixamos de ser racionais. O importante é o uso que fazemos da nossa presença nas redes.

O que mais privilegiam as empresas hoje em dia no seu posicionamento nas redes sociais?
Credibilidade, visibilidade, capacidade de gerar experimentação, leads e vendas, capacidade de interagir diretamente com o público alvo, seja de forma direta ou via terceiros (influenciadores). Acredito que estes sejam os motivadores de qualquer marca para apostar nas redes sociais. E são fatores cada vez mais valorizados, por isso é que ferramentas como a Skorr lhes permitem direcionar a estratégia e concentrar esforços em tiros mais certeiros. Desta forma, as marcas tornam-se mais visíveis e mais importantes para o seu público, sendo percecionadas como experts numa determinada área. E esta lealdade que se vai criando com o público é a chave para o sucesso.

O que é que ainda precisam de melhorar ou que desafios ainda enfrentam para melhorar a sua presença?
As redes sociais são um mundo em permanente evolução e não são de todo uma ciência exata. E a oferta é tanta e a concorrência também, que muitas vezes as empresas fazem primeiro e pensam depois, o que se revela um erro, por vezes, fatal. Perante este imediatismo, é muito fácil cair em tentação, ou seja, investir sem uma estratégia integrada e assertiva. As marcas precisam de estratégia, de parar para pensar e perceber quais são os seus objetivos, com quem querem falar, que reações esperam com cada ação. Perante isto, devem definir um plano e recorrer a ferramentas como a Skorr que lhes permitem conhecer e definir o seu universo de parceiros ideal, com base em dados reais e não apenas em feelings.

A interação com os seus próprios seguidores tem sido outro dos grandes desafios para muitas empresas, mas é um desafio que não devia existir. Sem público as estratégias de redes sociais simplesmente não funcionam, daí ser importante mostrar ao consumidor que ele é importante e que a empresa está atenta às suas interações com a marca – criar uma relação com o público não só permite que a empresa ganhe a lealdade do seu consumidor, mas também que se torne Top of Mind.

Quais os ingredientes de sucesso para uma empresa estar nas redes sociais e ser um influenciador digital?
No meu ponto de vista, consistência, interação com o público, autenticidade e a publicação de conteúdo com valor são ingredientes para o sucesso.

“Se antes recorríamos à internet à procura de reviews, hoje recorremos aos influenciadores, pessoas em quem confiamos, mesmo não os conhecendo pessoalmente, para sabermos se devemos ou não comprar aquele produto ou aquela marca”.

Foram tantos os que presumiram que a crise económica proveniente da pandemia fosse despoletar o fim dos influenciadores digitais. Podemos dizer que há um antes-pandemia e um pós-pandemia na presença dos influenciadores?
Na minha opinião, é precisamente o contrário. O digital tem sido um escape para muitos portugueses e, em muitos casos, a sua principal janela para o mundo. E os influenciadores tiveram e continuam a ter um papel fundamental neste dar a conhecer ao mundo as novidades das marcas, da cultura, do comércio, da restauração, entre muitos outros exemplos.

Se antes recorríamos à internet à procura de reviews, hoje recorremos aos influenciadores, pessoas em quem confiamos, mesmo não os conhecendo pessoalmente, para sabermos se devemos ou não comprar aquele produto ou aquela marca. Se existe um antes-pandemia e um pós-pandemia na presença dos influenciadores, diria que apenas tem a ver com o nível de influência que têm vindo a conquistar e o impacto que as suas opiniões têm nos seus seguidores.

Quais são os setores mais populares para a indústria de influenciadores?
Os setores mais populares são a moda & beleza, viagens & lifestyle, saúde & fitness e culinária, mas cada vez vemos mais influenciadores de dicas, de dança, de música, de sustentabilidade, entre outros.

Os influenciadores trabalham frequentemente sem contrato, pelo que não têm qualquer proteção nem salvaguarda dos seus pagamentos e propriedade intelectual. Acha que deveriam estar mais salvaguardados legalmente?
Claro que sim, ser influenciador já é considerado um emprego e todo o conteúdo que cria tem direitos e como em qualquer emprego deve existir um contrato que salvaguarde tanto o influenciador como a empresa – até para que a relação influenciador empresa seja harmoniosa e possa funcionar bem. Daí a Skorr proporcionar um contrato, que é considerado “smart”, pois vai automaticamente buscar todos os dados necessários do acordo e é assinado digitalmente na APP mobile.

Como será, afinal, o futuro do mundo da influência?
As tendências apontam para que exista a implementação de diretrizes mais rígidas no que toca à publicidade, uma vez que estes conteúdos patrocinados são cada vez mais frequentes, assim como a crescente importância e recurso aos micro e nano influenciadores, que são cada vez mais reconhecidos pelo seu poder de influência. O mundo da influência veio para ficar, agora só nos resta otimizar os seus usos e aprender com a contínua evolução digital.

Projetos para o futuro da Skorr?
Vamos lançar dentro de pouco tempo um novo algoritmo para deteção de atividade falsa. Os bots estão cada vez mais sofisticados e difíceis de identificar. Estamos confiantes que vamos conseguir obter uma assertividade mais elevada, que será logo refletida no valor que é proposto para cada influenciador fazer uma campanha.

Comentários