Este mês lançámos o desafio à Sanjotec de eleger a start-up do mês. A escolhida foi a Staruplo, que nasceu em plena crise provocada pela Covid-19 e que, em parceria com a Agência Espacial Europeia, está a desenvolver uma plataforma de inteligência geoespacial, concebida para ajudar os agentes do setor a atingir a neutralidade carbónica e a potenciar a produção de energias renováveis.

Nome da start-up: Staruplo

Fundadores: Jonathan Torres e Carlos Travassos.

Atividade: A Staruplo ajuda o ecossistema de gestão urbanística através da sua plataforma knowledge-as-a-service (KaaS). start-up ajuda na produção de informações precisas e aplicáveis ao contexto a partir de dados geospaciais, para implementação e otimização de práticas de Smart Villages e Smart Cities.

Plano de negócios: A Staruplo pretende ser líder do mercado de produtos de inteligência geospacial no setor da gestão urbanística em Portugal e conquistar quota no mercado internacional, tendo já despertado interesse no mercado espanhol.

Porque merece destaque: “Nasceu em plena pandemia, tendo tido uma enorme capacidade de evoluir dentro de todas as limitações que encontrou dentro desta nova realidade. Por ser a primeira empresa a ser incubada na rede nacional de incubadoras da Agência Espacial Europeia, no distrito de Aveiro, e pelo facto da parceria estabelecida com a ESA-BIC pretender ajudar os agentes do setor a atingir a neutralidade carbónica e a potenciar a produção de energias renováveis”, explica a Sanjotec.

Outra informação relevante: Esta start-up incubada na Sanjotec, em São João da Madeira, integra também o programa Go2Space-HUB Coimbra, consórcio que reúne seis parceiros, entre os quais o Instituto Pedro Nunes de Coimbra, a Universidade Carlos III de Madrid e Tehnopol da Estónia. Para além da recente incubação no programa ESA BIC Portugal, a equipa da Staruplo ganhou recentemente um prémio nacional na competição ActInSpace com uma solução no âmbito do combate às alterações climáticas.

Site: https://staruplo.com/pt/

Comentários