É este o plano da Yes Trash Can, uma start-up com sede em Lisboa. O Link to Leaders conversou com o criador do projeto que quer melhorar a vida de milhares de pessoas ao transformar lixo em dinheiro.

“Como é que podemos ajudar a sociedade?” Foi com base nesta pergunta que nasceu o Yes Trash Can. Esta start-up sem fins lucrativos quer envolver a sociedade portuguesa e mostrar que há mais maneiras de ajudar as pessoas para além de dar dinheiro.

O projeto é uma criação de Rajesh Kalra, um cidadão do mundo que vive em Portugal há 15 anos e que já tem mais de 20 anos de experiência no desenvolvimento de produtos. Rajesh tem também sucesso na área da moda com a marca Kalra e já desenhou e desenvolveu grandes marcas de futebol como o Real Madrid, Barcelona e o Manchester United. Para além de toda esta bagagem, o criador da Yes Trash Can conta com dois anos de experiência em operações de reciclagem em biomassa e biodiesel.

Hoje em dia o que não faltam são organizações que ajudam pessoas carenciadas. No entanto, as bases das fundações deste género são, na sua maioria, doações monetárias, comida ou roupa. Mas nenhuma utiliza lixo para ajudar pessoas em necessidade. E é este o ponto de diferenciação da Yes Trash Can.

Transformar lixo em dinheiro. Pode parecer estranho, no entanto, a Yes Trash Can tem um plano de como executar esta ideia. Há quatro tipos de lixo que interessam à start-up: óleo de cozinha, latas, plástico e vidro. O objetivo é reciclar e gerar dinheiro a partir destes materiais. Mas vamos a números:

1 litro de óleo de cozinha = 0,20 €
100 latas = 1 €
200 kg de garrafas de plástico = 10 €
100 kg de garrafas de vidro = 10 €

Depois de recolhido, o plástico será vendido e transformado em combustível e o óleo de cozinha em biodiesel e glicerina. O vidro e as latas serão reciclados de forma tradicional.

A recolha do lixo será feita por jovens que queiram contribuir positivamente para esta mudança social. Segundo Rajesh, o objetivo é canalizar a energia despendida pelos jovens em videojogos e nas redes sociais para fazer algo realmente produtivo e construtivo. Sendo “o dinheiro a maior motivação hoje em dia”, Rajesh quer motivar as pessoas desta faixa etária juvenil ao dar-lhes dinheiro para fazerem algo útil e contribuírem para esta causa.

A Yes Trash Can não vai ajudar diretamente as pessoas necessitadas. Em vez disso, vai unir-se a várias instituições que vão apoiar estas pessoas.

Referindo-se ao ecossistema de start-ups português como sendo “o mais quente do mundo” e até como sendo “o mais conhecido internacionalmente que os pastéis de Belém”, Rajesh diz que este é o tempo certo para agarrar a oportunidade na medida em que Portugal “tem jovens altamente qualificados e o mundo com os olhos” em nós.

Por agora, o principal objetivo da Yes Trash Can é angariar seguidores nas redes sociais para dar inicio a uma campanha de crowdfunding. Para ajudar esta causa e manter-se informado sobre os seus desenvolvimentos, siga a página do Facebook da Yes Trash Can.

 

Comentários