Desenvolver a economia circular é um dos grandes desafios da sociedade atual para tentar ultrapassar o problema dos resíduos que não são devidamente reciclados ou reutilizados. São cada vez mais as empresas a assumir uma abordagem interventiva e a apresentar soluções inovadoras.

Diversas start-ups europeias estão a abordar esta problemática pondo a inovação e tecnologia ao serviço da economia circular. Algumas já foram inclusive reconhecidas pelo Green Alley Award,- o primeiro prémio europeu dirigido a start-ups que atuam no domínio da chamada economia circular.
O site EU-Startups listou alguns projetos caraterizados como disruptivos e que se destacam no setor da  economia circular.

Aeropowder Esta start-up londrina cria novos materiais a partir de penas de frangos. Diariamente são consumidos mais de 134 milhões de frango e a indústria desperdiça mais de 10 mil toneladas de penas, penas essas compostas de queratina, uma proteína quimicamente resistente e fisicamente forte. Pela sua estrutura microscópica, são uma das fibras naturais mais leves e excelentes isolantes térmicos que podem ser incluídos na economia circular.

Sulapac Este projeto finlandês quer redefinir a indústria de embalagens desenvolvendo, por exemplo,  produtos como palhinhas feitas de matérias-primas sustentáveis, sem microplásticos e totalmente biodegradáveis. Cria embalagens que podem ser usadas para fins tão diversificados com cosmética ou alimentação, entre outros. As embalagens têm todos os benefícios do plástico, com a vantagem de serem totalmente biodegradáveis e não deixarem vestígios.

Fjong Esta plataforma norueguesa traz uma nova visão à forma como consumimos moda. A Fjong permite alugar ou emprestar roupas, tornando a moda mais sustentável e acessível. O “guarda-roupa” online tem mais de 4 mil peças de vestuário feminino, de mais de 200 marcas. A cliente só precisa de encontrar a roupa que quer, escolher o período de aluguer e devolvê-la na final. A start-up pretende promover o acesso a roupas de alta qualidade por uma fração do custo de compra, diminuir o espaço usado em casa para guardar a roupa e promover um estilo de vida minimalista. Além disso, a Fjong quer ajudar a diminuir o impacto da fast fashion no planeta devido à quantidade de resíduos que cria.

Grover Ainda no campo da promoção do aluguer em alternativa à compra, esta start-up desenvolveu uma plataforma de aluguer de tecnologia, através da qual os clientes podem alugar equipamentos, pelo período mínimo de um mês, em vez de comprarem um aparelho novo. Esta start-up tem como objetivo reduzir o lixo eletrónico e tornar o acesso à tecnologia menos dispendioso. O utilizador têm à disposição 2 mil produtos tecnológicos, em 10 categorias, e se o dispositivo se estragar a Grover oferece 90% da cobertura de custos de danos. A start-up foi fundada em 2015 e tem mais de 200 mil utilizadores registados na Alemanha.

Biopack PackagingEsta start-up decidiu enfrentar o problema do lixo plástico e oferece uma alternativa sustentável às embalagens plásticas. Produz embalagens de base biológica e de fontes renováveis, 100% reciclável. O processo da BioPack Packaging consiste numa tecnologia de termoformagem disruptiva que produz formas moldadas tridimensionais com fibras virgens ou recicladas. A produção da Biopack Packaging tem um ciclo de água fechado e é alimentado por energia verde.

Too Good To Go Dedica-se à luta contra o desperdício alimentar, que não se limita apenas à comida propriamente dita, mas também a todos os recursos usados para a produzir (cultura, transporte, embalamento, distribuição). A To Good To Go permite que as pessoas comprem alimentos não vendidos de restaurantes, cafés, supermercados e padarias que, de outra forma, seriam deitados fora. A To Good To Go já expandiu para 12 países e está a caminho de economizar 20 milhões de refeições por ano. A aplicação ajuda o cliente a encontrar a sua refeição favorita, que pode assim ser comprada com desconto, minimizando o desperdício de alimentos.

Worn Again Esta start-up pretende transformar as indústrias têxtil e de moda com uma tecnologia de reciclagem de polímeros. Depois de mais de seis anos de pesquisa e desenvolvimento intensivos, a start-up britânica desenvolveu um processo químico para separar, descontaminar e extrair polímeros de poliéster e celulose de têxteis não reutilizáveis, assim como de garrafas de plástico e embalagens, e convertê-las em matérias-primas. O projeto tem o apoio do Future Tech Lab, criado pela empreendedora digital russa e investidora em tecnologia de moda Miroslava Duma, e já recebeu um financiamento de 5 milhões de libras (5,4 milhões de euros) da H&M Clothing Company.

Refurbed  Este é o exemplo de um marketplace online para produtos eletrónicos restaurados como são os casos de telefones, laptops, tablets, headphones, smartwatches, câmaras digitais e muito outros equipamentos. A plataforma em preços até 40% mais baratos do que os produtos novos. A Refurbed desenvolveu um processo de 40 etapas para restaurar os equipamentos usados, para que eles pareçam e funcionem como novos. Todos os produtos também têm pelo menos 12 meses de garantia.

Re-circulação Solutions   Esta start-up fornece soluções tecnológicas integradas para sistemas de gestão e recolha de lixo em áreas urbanas e resíduos farmacêuticos. Pretende reduzir a quantidade de resíduos produzidos na Europa, dos quais 34,6% são incinerados ou depositados em aterros sanitários. Isto significa uma perda económica 5,2 mil milhões de euros e um impacto ambiental equivalente a 10,64 milhões de toneladas de CO2 libertados na atmosfera. A start-up espanhola quer dar ao cidadão um papel mais ativo no processo, fomentar a implementação de um sistema de “Pay-pay-as-you-throw” (pagamento conforme o desperdício) e criar um mercado de Big Data de resíduos de embalagens com dados de rastreio relevantes.

Comentários